18.4 C
Vila Nova de Famalicão
Segunda-feira, 21 Junho 2021
Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
José Tinoco
Natural de Pousada de Saramagos, é licenciado em Gestão de Empresas e pós-graduado em Finanças Empresariais. É economista, contabilista certificado e especialista em fiscalidade. É fundador e CEO da Ponto Mais. Escreve no dia 17 de cada mês.

Depois da tempestade vem a bonança… e o aumento dos preços!

Os primeiros tempos após os levantamentos de limitações e aberturas das economias são de autêntica loucura de consumo. A estabilidade generalizada dos preços na última década pode ter deixado de ser uma realidade e, por isso, terão as empresas que ajustar os seus mecanismos do processo produtivo e antecipar este eventual efeito que será por certo mundial.

4 min de leitura
- Publicidade -
José Tinoco
Natural de Pousada de Saramagos, é licenciado em Gestão de Empresas e pós-graduado em Finanças Empresariais. É economista, contabilista certificado e especialista em fiscalidade. É fundador e CEO da Ponto Mais. Escreve no dia 17 de cada mês.

Famalicão

Mais enfermeiros no centro de vacinação de Famalicão

24 enfermeiros reforçam equipa no centro de vacinação até ao final de julho.

Paulo Costa é o candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal

Deputado municipal concorre à presidência da Câmara. Catarina Ferraz encabeça a lista à Assembleia Municipal.

Agostinho Fernandes quer Eduardo Oliveira a “virar a página de Famalicão”

“Servir as pessoas é a verdadeira essência da política. Estou aqui para servir os famalicenses”, enfatizou Eduardo Oliveira na apresentação do mandatário e de todos os candidatos a vereadores.

Canil de Famalicão custa mais de meio milhão de euros e derrapa 50 mil

A Câmara Municipal aprovou reforço de 10% nas obras de construção do novo canil municipal. Equipamento está a ser construído junto do antigo canil e estará equipado com cerca de 80 boxes para cães, 45 para gatos e 4 para outras espécies.
Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Já diz a sabedoria popular que após a tempestade passar virá a bonança. E isto aparentemente só será bom, tendo em conta os tempos que vivemos. Centrar-me-ei no aspeto do consumo e o seu impacto do processo produtivo e económico.

Há já alguns sinais, nacionais e internacionais, que o consumo privado e por consequência o produtivo, irá no segundo semestre de 2021 e em 2022 crescer de forma exponencial. Tal resulta essencialmente porque os trabalhadores que não perderam rendimento, aforraram mais. É por certo uma poupança fictícia que como alguém dizia por estes dias “não foi poupança, foi obrigação”. De facto, o nível de consumo caiu tão substancialmente que, acompanhado com as moratórias bancárias, provocou um nível de subida de poupança dos portugueses para níveis historicamente muito distantes.

A verdade é que ou por estrita necessidade ou por aquilo que se denomina nos mercados mundiais de “Revenge spending” os primeiros tempos após os levantamentos de limitações e aberturas das economias são de autêntica loucura de consumo.

Feito o enquadramento gostaria agora de me centrar no processo produtivo das empresas e do impacto deste fenómeno. Já são variadíssimas as notícias de dificuldade de obtenção de matérias-primas em diversas áreas de negócio. Desde a construção à tecnológicas são várias as notícias ou de aumento exponencial do preço das matérias-primas ou da sua falha.

São recentes as evidências vindas de vários quadrantes: a entrada da Bosch em Lay Off por falta de chips, a IBM acabou de assumir que a escassez de chips para os processos produtivos pode durar até 2 anos e os preços das matérias-primas básicas como o aço, o ferro e a madeira cresceu no espaço de um ano em intervalos de nunca inferiores a 20% / 30%.

São variadíssimas as motivações deste comportamento do mercado. Desde logo as restrições de movimentações de transporte a nível mundial bem como alguns encerramentos prolongados de processos produtivos. Por outro lado, gigantes com os EUA e a China começaram a comprar mais externamente e, ou por motivos estritamente necessários ou até especulativos, a reação do mercado é automática. Estuda-se nos compêndios da Economia como a conhecida Lei da Oferta e da Procura.

Este comportamento da economia é ainda mais sentido em mercados mais frágeis com é o nosso caso. As margens de produção e comercialização são genericamente mais curtas do que em mercados mais robustos e por isso a atenção a este tema tem que ser ainda maior. Compete, desde logo, o acompanhamento da evolução quer da disponibilidade das matérias-primas quer do seu preço.

A dificuldade de obtenção de matérias-primas e a dificuldade da sua aquisição a preços razoáveis terá nos processos produtivos impactos muito assinaláveis. Desde logo a capacidade financeira para os obter bem como o impacto nas obras plurianuais, como é caso da construção civil, pode vir a representar um fator imprevisível no produto final e no preço final ao mercado.

Esta escassez e o seu ajustamento de preço muito dificilmente não terá impacto no preço ao consumidor e isso poderá determinar o posicionamento de outros players a nível mundial, representando para as empresas nacionais de bens transacionáveis uma barreira acrescida.

Há por isso que antecipar ao máximo este efeito dominó, a ser pago em última instância pelo consumidor final, e assim representar potencialmente um crescimento de preços generalizado no próximo biénio.

Às empresas nacionais impõe-se uma atenção redobrada na valorização do seu processo produtivo, nomeadamente antecipando esta variação dos preços, de modo que o seu nível de rentabilidade não seja drasticamente afetado, colocando em risco a sua continuidade. A estabilidade generalizada dos preços na última década pode ter deixado de ser uma realidade e, por isso, terão as empresas que ajustar os seus mecanismos do processo produtivo e antecipar este eventual efeito que será por certo mundial.

Comentários