14.8 C
Vila Nova de Famalicão
Sábado, 31 Julho 2021
Partilhar
  • 4
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    4
    Shares
Dina Coelho
Residente na freguesia de Bairro, é filha de pais surdos e intérprete de língua gestual portuguesa (LGP). Exerce a profissão de intérprete de LGP desde 2015, em vários contextos, mas essencialmente no âmbito educativo. É coautora do livro Por Amor e está a frequentar um mestrado em gerontologia. Atualmente pertence aos órgãos sociais da Associação de Tradutores e Intérpretes de Língua Gestual Portuguesa (ATILGP).

Filha ou intérprete?

Estava longe de imaginar, que o meu primeiro texto para a crónica mensal Entre Gestos, fosse coincidir com a fase mais difícil da minha vida como filha… uma fase que me fez perceber que me falta a coragem, que tenho medos, que tenho mil preocupações e responsabilidades, que fez com que eu tivesse a certeza de onde é o meu lugar.

5 min de leitura
- Publicidade -
Dina Coelho
Residente na freguesia de Bairro, é filha de pais surdos e intérprete de língua gestual portuguesa (LGP). Exerce a profissão de intérprete de LGP desde 2015, em vários contextos, mas essencialmente no âmbito educativo. É coautora do livro Por Amor e está a frequentar um mestrado em gerontologia. Atualmente pertence aos órgãos sociais da Associação de Tradutores e Intérpretes de Língua Gestual Portuguesa (ATILGP).

Famalicão

Os famalicenses têm o direito à verdade e não à manipulação

Os famalicenses têm o direito de saber o que está a ser feito na cidade, como está a ser feito e porque está a ser feito. Têm direito à verdade dos factos em vez de manipulação cosmética da realidade.

Famalicense Injex entra na Câmara de Comércio Luso-Alemã

A Injex, empresa especializada na produção de componentes técnicos em plástico pelo processo de injeção para todo o tipo de máquinas, aposta na internacionalização.

Está na hora de quebrar o ciclo

Precisamos de quebrar o ciclo de políticas desadequadas aos desafios que vivemos, precisamos de um novo ciclo de políticas públicas assente numa visão ecocêntrica e sustentável – e esse momento é agora!

Continental promove inclusão social com programa de estágio e emprego

A empresa recebeu quatro pessoas com necessidades especiais para realização de um estágio no âmbito do programa de cooperação com a ACIP e o IEFP. Duas destas pessoas são hoje membros efetivos da empresa.
Partilhar
  • 4
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    4
    Shares

Ser filha de surdos. A minha vida foi desenhada ali, naquele momento em que nasci, não tenho dúvidas, e sou tão grata por isso.

Aprendi a língua gestual portuguesa desde sempre e de forma natural, em simultâneo com a língua portuguesa. Por isso, fiz sempre parte de dois mundos, o ouvinte e o surdo, entendendo-os, criando pontes entre eles e por esse motivo me tornei intérprete de língua gestual portuguesa.

Os primeiros intérpretes de língua gestual foram precisamente filhos de pais surdos, amigos ou familiares que sempre fizeram esse papel de intermediar a comunicação entre surdos e ouvintes.

Na comunidade surda, os filhos de surdos são designados por CODA (Children of Deaf Adults). Os CODA podem ser surdos ou ouvintes. Nem todos os CODA têm um percurso profissional relacionado com os surdos ou com a língua gestual, mas todos os CODA adquirem desde cedo a língua gestual, de forma natural, em contexto informal e por isso são bilingues.

Nós, os CODA, temos experiências de vida únicas e mesmo entre nós experiências diferentes, que na minha opinião dependem de vários aspetos como: a nossa idade e idade dos nossos pais, capacidade de oralizar por parte dos pais surdos, tipo de surdez, compreensão do português escrito, se somos filhos únicos, entre outros. O filme La Famille Bélier retrata as vivências de uma CODA, e em muitos aspetos eu revi-me. Vejam, pois vão perceber melhor esta realidade.

Acho que posso dizer que vivi a surdez dos meus pais naturalmente, sempre agi como “tradutora” deles de forma espontânea, porque surgiam recorrentemente dificuldades de comunicação em diferentes contextos.

Já contei algumas vezes que acho que só percebi que o facto de os meus pais serem surdos era algo diferente quando entrei para a escola, e os meus pais não conseguiam sozinhos ter o papel de encarregados de educação, tal como os outros pais. Precisavam sempre da minha avó ou de uma vizinha para estabelecer a comunicação com professores e funcionários.

Felizmente, a sociedade tem-se mostrado cada vez mais sensibilizada para esta temática, para a importância de garantir a acessibilidade às pessoas surdas, o que é ótimo e que também descansa o coração dos filhos de pais surdos. Mas ainda falta tanto… ainda há tanta coisa que não me deixa dormir.

E como tudo na vida, esta experiência de vid