29.6 C
Vila Nova de Famalicão
Sexta-feira, 27 Maio 2022
Mariana Dewasmes
Tem 19 anos, é aluna de Gestão na Universidade do Minho e apaixonada por maquilhagem, música e pela ideia de que este mundo possa vir a ser melhor.

Pensar como um homem caucasiano (heterossexual)

A ele, a justiça assenta-lhe como uma luva. Porque haverá ele de discutir ou lutar contra algo pensado e executado por e para a sua espécie?

2 min de leitura
- Publicidade -
Mariana Dewasmes
Tem 19 anos, é aluna de Gestão na Universidade do Minho e apaixonada por maquilhagem, música e pela ideia de que este mundo possa vir a ser melhor.

Famalicão

LOUROPEL premiada na conferência internacional iTechStyle

A LOUROPEL - Fábrica de Botões, empresa sediada no Louro, em Famalicão, foi premiada na categoria “Acessórios” dos prémios da Conferência Internacional do Têxtil...

Famalicense António Cândido de Oliveira recebe Insígnia de Ouro na Galiza

A distinção da universidade galega reconhece o professor pelo seu trabalho no avanço do Direito Público e Administrativo.

Negócio polémico em Mouquim. Câmara paga 240 mil euros por terreno avaliado em 145 mil

Maioria PSD-CDS na Câmara de Famalicão aprovou pagar 240 mil euros por um terreno avaliado duas vezes e que técnicos municipais tinham avaliado por 145 mil. "Uma história mal contada", acusa o PS.

PSD-Famalicão. Sofia Fernandes lidera candidatos a delegados de Montenegro ao congresso nacional

Sofia Fernandes vai disputar os delegados do PSD famalicense com Jorge Moreira da Silva, que é candidato à liderança nacional do partido.

Eu é que gosto quando um homem caucasiano (não podendo esquecer, heterossexual), que tem o mundo nas mãos, me diz que o funcionamento da (in)justiça perante sujeitos que não ofereçam exatamente as caraterísticas dele é um assunto cansado. A ele, a justiça assenta-lhe como uma luva. Porque haverá ele de discutir ou lutar contra algo pensado e executado por e para a sua espécie?

Realmente não faz sentido. E porque haveriam os indivíduos de estirpe diferente à sua importuná-lo com tão entediante tema? Não é que ele não compreenda o desconforto dos outros: ele até acha que entende, atenção! No entanto, qual será a vantagem de empenhar tantos esforços neste sentido, se nem sequer é possível estabelecer uma verdadeira correlação entre as vezes que a justiça sofre falhas com as vezes em que isto acontece em ordem a beneficiar um homem caucasiano (heterossexual) e/ou tramar sujeitos que ofereçam outras caraterísticas que não estas (raras vezes acontecendo as duas coisas ao mesmo tempo, também não podemos cair no erro de exagerar, senão ainda estamos a adicionar mais coisas ao prato das coisas que vemos mas na verdade não estão lá)?

Os números existem e são de fácil acesso, a interpretação já começa a dar trabalho e a gerar algum incómodo, mas ainda resta uma dúvida, a mais importante delas todas: Quem lhe garante que os números não mentem? Quem lhe garante que isto não é apenas fruto da imaginação dos restantes e que com isto apenas possuem o objetivo maléfico de arrancar de si o seu direito de nascença de passar por cima de tudo e todos sem nunca ser prejudicado? Só de pensar até já sente uma dor no peito…

Não, nunca! Nunca mais pensa nisso, e será melhor os outros também não questionarem! Regras são regras, sejam elas escritas ou incorporadas na sociedade! E se alguém da sua espécie as concebeu é porque devem ser cegamente respeitadas! Assim é mais seguro para o homem caucasiano (heterossexual).

Comentários

Mariana Dewasmes
Tem 19 anos, é aluna de Gestão na Universidade do Minho e apaixonada por maquilhagem, música e pela ideia de que este mundo possa vir a ser melhor.