29.6 C
Vila Nova de Famalicão
Sexta-feira, 27 Maio 2022
Dina Coelho
Residente na freguesia de Bairro, é filha de pais surdos e intérprete de língua gestual portuguesa (LGP). Exerce a profissão de intérprete de LGP desde 2015, em vários contextos, mas essencialmente no âmbito educativo. É coautora do livro Por Amor e mestre em gerontologia. Atualmente pertence aos órgãos sociais da Associação de Tradutores e Intérpretes de Língua Gestual Portuguesa (ATILGP) e da Associação de Surdos de Apoio a Surdos de Matosinhos (ASASM).

Precariedade no Ensino Superior

O estudante surdo tem direito à comunicação na sua língua, tem direito a prosseguir estudos e a participar na vida académica de forma equitativa aos demais estudantes.

3 min de leitura
- Publicidade -
Dina Coelho
Residente na freguesia de Bairro, é filha de pais surdos e intérprete de língua gestual portuguesa (LGP). Exerce a profissão de intérprete de LGP desde 2015, em vários contextos, mas essencialmente no âmbito educativo. É coautora do livro Por Amor e mestre em gerontologia. Atualmente pertence aos órgãos sociais da Associação de Tradutores e Intérpretes de Língua Gestual Portuguesa (ATILGP) e da Associação de Surdos de Apoio a Surdos de Matosinhos (ASASM).

Famalicão

Famalicense António Cândido de Oliveira recebe Insígnia de Ouro na Galiza

A distinção da universidade galega reconhece o professor pelo seu trabalho no avanço do Direito Público e Administrativo.

Negócio polémico em Mouquim. Câmara paga 240 mil euros por terreno avaliado em 145 mil

Maioria PSD-CDS na Câmara de Famalicão aprovou pagar 240 mil euros por um terreno avaliado duas vezes e que técnicos municipais tinham avaliado por 145 mil. "Uma história mal contada", acusa o PS.

PSD-Famalicão. Sofia Fernandes lidera candidatos a delegados de Montenegro ao congresso nacional

Sofia Fernandes vai disputar os delegados do PSD famalicense com Jorge Moreira da Silva, que é candidato à liderança nacional do partido.

Engenho celebra 28º aniversário

Instituição está a desenvolver o projeto "Laços com Engenho/Compromisso com a Comunidade".

Depois de concluírem o ensino obrigatório para onde vão os surdos?

As pessoas surdas em Portugal têm acesso à educação através da Língua Gestual Portuguesa em algumas escolas do país, designadas por EREBAS – Escolas de Referência para a Educação Bilingue de Alunos Surdos, e também noutras escolas, até ao 12º ano de escolaridade.

Após esta fase, não é garantida à pessoa surda a acessibilidade Língua Gestual Portuguesa no ensino superior, caso queira prosseguir estudos. O ensino superior pode, portanto, constituir uma barreira para muitas pessoas surdas e por isso condicionar a vida destes. Quando a acessibilidade está limitada ao ensino obrigatório trata-se de discriminação para quem quer prosseguir estudos.

Existem instituições de ensino superior que garantem e asseguram a interpretação em língua gestual portuguesa aos seus estudantes surdos, outras que não asseguram este serviço e muitas vezes é o estudante surdo quem tem de assumir as despesas relativas ao serviço de interpretação, ou acaba por desistir do curso pelas dificuldades que sente. Existem, por exemplo, estudantes surdos a optar pelas disciplinas que querem ver interpretadas porque a universidade apenas faculta algumas horas de interpretação.

O estudante surdo tem direito à comunicação na sua língua, tem direito a prosseguir estudos e a participar na vida académica de forma equitativa aos demais estudantes.

Posto isto, é importante também conhecer a realidade do profissional intérprete de LGP que trabalha no ensino superior. Este profissional, neste contexto, é recrutado a prestação de serviços, onde não existe segurança laboral, onde nas interrupções letivas ficam sem receber qualquer rendimento, pois vivem nesta situação precária sem condições e garantias.

Os valores praticados para este serviço são diferenciados de instituição de ensino superior para instituição de ensino superior, o que também não é justo. Para além da frustração que é a preparação de matérias, o investimento no trabalho, para depois não conseguir dar continuidade ao serviço porque é precário. E para os alunos surdos não existe uma segurança, pois de um momento para o outro, nestas condições de trabalho, podem ficar sem o serviço de interpretação.

Recentemente, a ATILGP – Associação de Tradutores e Intérpretes de Língua Gestual Portuguesa tem debatido esta temática. Realizou um webinar, em setembro de 2021, sobre a inclusão/interpretação no ensino superior – perspetiva do profissional e em novembro de 2021 realizou outro webinar com perspetiva do estudante surdo. Com este webinar foi possível conhecermos diferentes experiências e realidades e as dificuldades sentidas tanto pelo intérprete de LGP como pelos estudantes surdos.

Posto isto, a ATILGP lançou uma petição onde reivindica a necessidade de contratar Intérpretes de LGP para o Ensino Superior, bem como a contabilização e recuperação de todo o tempo de serviço que cumprem no Ensino Superior para efeito de vagas a concurso de contração de escola; e a eliminação da precariedade, com direito a trabalhar e viver com estabilidade.

Pelo acesso à informação e à comunicação do estudante surdo.
Pela participação plena na vida académica do estudante surdo.
Pelo cumprimento dos direitos e liberdades contemplados na Constituição da República Portuguesa do estudante surdo.

Podem encontrar a petição aqui.

Agradeço a vossa assinatura e partilha, pois incluir é um dever de todos.

Comentários

Dina Coelho
Residente na freguesia de Bairro, é filha de pais surdos e intérprete de língua gestual portuguesa (LGP). Exerce a profissão de intérprete de LGP desde 2015, em vários contextos, mas essencialmente no âmbito educativo. É coautora do livro Por Amor e mestre em gerontologia. Atualmente pertence aos órgãos sociais da Associação de Tradutores e Intérpretes de Língua Gestual Portuguesa (ATILGP) e da Associação de Surdos de Apoio a Surdos de Matosinhos (ASASM).