23.7 C
Vila Nova de Famalicão
Quarta-feira, 5 Outubro 2022
Carlos Jorge Figueiredo
É farmacêutico, nasceu em Anadia e está radicado em Famalicão desde 1993. Fundador do núcleo local da Iniciativa Liberal.

A guerra, a cidadania e os que não se importam com nada!

As relações entre países devem fazer-se com regras éticas e morais, e não numa perspetiva mercantilista.

4 min de leitura
- Publicidade -
Carlos Jorge Figueiredo
É farmacêutico, nasceu em Anadia e está radicado em Famalicão desde 1993. Fundador do núcleo local da Iniciativa Liberal.

Famalicão

Feira Grande de S. Miguel animou o centro da cidade

Certame dedicado às tradições famalicenses aconteceu no último fim de semana.

PAN preocupado com a qualidade das refeições escolares em Famalicão

Alergénios na sopa e a presença de dióxido de enxofre e sulfitos em algumas refeições são algumas das preocupações do PAN com as refeições nas escolas famalicenses.

GRACAFE promove 6ª Corrida Pedome / Oliveira Santa Maria

Evento terá lugar dia 22 de outubro. Além das corridas, será realizada uma caminhada solidária.

CIOR inicia ano letivo com várias dinâmicas no âmbito do programa europeu Erasmus+

Os estágios serão realizados em empresas e instituições parceiras da escola.

Estando nós a viver uma guerra na Europa, que alguns já identificam como sendo o início da terceira Guerra Mundial, criando natural preocupação na maioria dos povos, sobretudo europeus. É triste verificar o alheamento de muitos, e pior, o apoio de uns quantos, ao poder determinado pela força. Há gente que acha normal o mais forte dominar o mais fraco, um pouco como na pré-história, como se vivêssemos numa autêntica selva.

Numa sociedade civilizada e educada, o uso da força e da violência tem de ser erradicado e condenado por todos, não pode ser apenas por uma maioria. Tal como a Liberdade e a Democracia têm de fazer parte dos valores de todos os cidadãos e não apenas de uma maioria.

As ditaduras, sejam elas de que ideologia forem, têm de ser condenadas. Essa deve ser a linha vermelha do mundo civilizado, tal como o uso da força e da violência sobre os demais (por mim, a modalidade do boxe deixava imediatamente de ser considerada desporto. Os mesmos movimentos de braços e pernas, se usados noutras modalidades, dão direito a expulsão da atividade, por vários meses).

O relacionamento do mundo civilizado com ditaduras deve ser repensado, já que mais cedo ou mais tarde, vai virar-se contra aqueles que defendem a liberdade, a democracia e a segurança de cada um de nós. As relações entre Estados devem fazer-se com regras éticas e morais, e não numa perspetiva mercantilista. Isto é, não interessa se os parceiros comerciais respeitam os direitos humanos no mais essencial que é a liberdade – liberdade de expressão, de circulação, de participação política e social. No fundo, o que costumamos designar como viver num estado de direito.

Aqui chegados, perguntarão o que tem a ver a guerra e a cidadania? Eu respondo: tem tudo a ver. A cidadania inclui um conjunto de reflexões e comportamentos que vão influenciar a forma como a sociedade se organiza e age perante os desafios que lhes são colocados. Por exemplo, a utilização da força e da violência são inadmissíveis para alguém que tem uma educação para a cidadania. O não respeito dos direitos humanos, sendo a liberdade a pedra basilar dos mesmos, é também para um cidadão educado e civilizado, qualquer coisa intolerável.

Ao nível dos países ocidentais, considerados de primeiro mundo, deve haver uma inflexão das políticas seguidas nas últimas décadas, cujo objetivo principal foi o crescimento do PIB, tendo como resultado esperado o fortalecimento do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), que foi alcançado pela esmagadora maioria dos países ricos. É inegável que o bem-estar social nunca foi tão elevado nos países ocidentais.

Contudo, com esta ambição, com forte aprovação eleitoral (as pessoas querem, legitimamente, viver cada vez melhor), os ocidentais esqueceram-se de preparar o futuro das próximas gerações, degradando aceleradamente o ambiente, endividaram excessivamente os seus países, não se preocuparam com a sua defesa (exceto os EUA, RU e França), globalizaram a produção e os negócios, esquecendo as consequências da sua dependência.

Pior, venderam os seus valores da exigência do respeito da liberdade e do estado de direito, em troca de bons negócios, sendo, por isso, cúmplices das várias atrocidades ao nível dos direitos humanos cometidas pelos vários ditadores do mundo. Estamos a lembrar-nos da Rússia, mas podemos acrescentar outras ditaduras com as quais o ocidente tem fortes relações económicas, como, por exemplo, China, Angola, Arábia Saudita, Irão, Venezuela, etc.

Apresentadas algumas reflexões sobre desafios que a sociedade enfrenta atualmente, concluo com a necessidade de sermos cidadãos ativos e vigilantes. Só assim poderemos encontrar as melhores soluções para a construção de uma sociedade que nos dê esperança num mundo melhor, sem a insegurança global que a guerra atual nos veio trazer.

PS: Tendo completado na passada quinta-feira, 58 anos de idade, a verdade é que acabei por festejar sobretudo 40 anos de ativismo político e social. Desde os 18 anos que participo ativamente na vida social do país, ora como dirigente de associações de estudantes, ora como membro fundador de várias associações profissionais e científicas, ora como vogal da Ordem dos Farmacêuticos-Norte, ora como delegado de círculo da Associação Nacional das Farmácias, ora como membro de mesas eleitorais, ora como eleito da assembleia de freguesia e municipal, ora como membro de comissões políticas e conselhos nacionais de partidos políticos, ora como membro da mesa das associações de pais, ora como membro e sócio honorário de várias associações culturais e desportivas, ora como candidato a vereador da Câmara Municipal e mandatário de candidatura autárquica, ora como cronista de vários jornais locais e nacionais, tudo isto, e muitas outras coisas que já não nem me lembro,… Ah, e votei em todas as eleições nacionais e locais, às vezes em branco.

Não pretendendo fazer aqui qualquer exercício de autoelogio (até porque considero que não fiz nada de especial, apenas cumpri o meu dever), devo confessar que quando estava a festejar o quinquagésimo oitavo aniversário, me veio à ideia que estava sobretudo a comemorar 40 anos de ativismo político e social.

Comentários

Carlos Jorge Figueiredo
É farmacêutico, nasceu em Anadia e está radicado em Famalicão desde 1993. Fundador do núcleo local da Iniciativa Liberal.