18.8 C
Vila Nova de Famalicão
Terça-feira, 9 Agosto 2022
- Publicidade -

AUTORIA

Carlos Jorge Figueiredo

19 POSTS
É farmacêutico, nasceu em Anadia e está radicado em Famalicão desde 1993. Fundador do núcleo local da Iniciativa Liberal.

A guerra, a cidadania e os que não se importam com nada!

As relações entre países devem fazer-se com regras éticas e morais, e não numa perspetiva mercantilista.

Quando a globalização coloca em causa a paz mundial

Neste momento a Rússia, com a conivência da China, está a desafiar e a pôr em causa a segurança do continente europeu. A China, sendo a segunda maior potência económica mundial desde 2009, será nos próximos anos a maior potência mundial também a nível militar.

Portugal: uma sociedade velha e resignada!

A sociedade portuguesa continua a pensar da mesma maneira que há 20 anos. Não há ideias novas nem comportamentos ajustados ao tempo presente.

Quando a mudança da sociedade depende dos jovens e dos abstencionistas

Em Famalicão, nas últimas autárquicas, o resultado poderia ter sido totalmente diferente se os abstencionistas tivessem ido votar. A abstenção foi maior que o número de votos que elegeu o presidente da Câmara.

O vírus da abstenção

Se tivermos em conta que há muita gente a defender a vacinação obrigatória, não vejo como não colocar ao mesmo nível a obrigatoriedade do voto. No limite, é este que decide se iremos viver com mais ou menos liberdade, com mais ou menos saúde, com mais ou menos segurança.

Leis discriminatórias são inaceitáveis

Leis que discriminem trabalhadores em função do sector em que trabalhem, público ou privado, são inaceitáveis. As sociedades não podem ser divididas em castas ou elites, em que uns são sacrificados, para que outros possam ter uma vida mais confortável e relaxada.

Quando os partidos políticos viram clubes de futebol

Mal vai uma sociedade quando um partido político é vivido como um clube de futebol. A vida política e a governação de um país é muito mais importante que o futebol.

Dez votos que nos fizeram regressar a 1976

Temos governantes que, para sobreviverem enquanto políticos, preferem governar “à portuguesa”. Desejo que Mário Passos seja rigoroso e competente no exercício das suas funções: isto é, gastar apenas o necessário para melhorar as condições de vida de todos os famalicenses e não apenas de alguns!

Bem-vindos a 2025

Passou a existir uma grande transparência da gestão camarária. Nunca mais se falou de cunhas e favores, tendo os próprios funcionários camarários apreciado esta mudança profunda de hábitos de favorecimento e clientelismo, com décadas de existência.

A mesma água nunca passa duas vezes por baixo da mesma ponte

Se fizermos uma análise fria sobre a realidade política portuguesa, teremos de reconhecer que os eleitores têm toda a razão em não acreditar nos políticos, porque salvo raras exceções, estes tem tido um desempenho mais a pensar no seu futuro político, do que a pensar nas pessoas.

Últimas Notícias

Município de Famalicão não respondeu ao Tribunal de Contas

O Tribunal de Contas citou o Município de Famalicão e Paulo Cunha. Apenas o ex-autarca respondeu.

Deputada do PSD com avença na Câmara de Famalicão demite-se e passa ao quadro da autarquia

Ex-deputada municipal, que foi também candidata a vereadora nas últimas eleições, responde por vários crimes e aguarda julgamento.

Câmara de Famalicão cria equipa para acompanhar alterações climáticas

Equipa tem como função o acompanhamento da política climática.

FAMAFOLK foi “um sucesso”

Quase 5000 pessoas passaram pelo festival.

Câmara de Famalicão aprova mais dinheiro para a obra da ciclovia no centro da cidade

A primeira fase da obra foi adjudicada por mais de um milhão de euros.
- Publicidade -