18.4 C
Vila Nova de Famalicão
Segunda-feira, 21 Junho 2021
- Publicidade -

AUTORIA

Carlos Jorge Figueiredo

8 POSTS
É farmacêutico, nasceu em Anadia e está radicado em Famalicão desde 1993. Lidera o núcleo local da Iniciativa Liberal.

Vamos derrubar o muro? O muro do clientelismo, do compadrio e do medo!

Milhões em contratos de avenças, associações que servem interesses de amigos ou sem atividade conhecidas, pressões a autarcas locais e jornais são alguns dos ingredientes do muro da vergonha em Famalicão. A continuidade ou não deste muro da vergonha em Famalicão depende de si e, dos restantes eleitores famalicenses.

A falta de transparência da coisa pública

Sobre as obras que se fazem, há um verdadeiro sentimento de suspeição sobre a adjudicação das mesmas. (...) Já repararam que, nos últimos 10-15 anos, pagaram-se indemnizações a particulares na ordem dos 12 milhões de euros, sem que fosse esclarecido quem cometeu tais deslizes e as consequências para os seus responsáveis?

Subsídios às associações: é preciso exigência e rigor

Há associações no concelho que recebem anualmente dezenas de milhares de euros (dos nossos impostos) sem que se conheça atividade relevante. Claro que não incluo todas as associações no “mesmo saco”. Até posso admitir o reforço de apoio para associações que são essenciais e bem geridas. Mas tal só será possível quando formos exigentes e rigorosos nos restantes apoios concedidos.

A falácia dos orçamentos

Em ano de eleições anuncia-se “o maior orçamento de sempre”. Será que isso é bom? É que para haver despesa, precisa existir receita. Num orçamento como o da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, de mais de 130 milhões de euros, poderíamos falar numa poupança mínima de 5%. A gestão pública responsável é pensar no futuro e não em promessas eleitorais.

Os passeios da cidade estão a encolher

Passeios estreitos, desnivelados, irregulares e esburacados. Esplanadas, rampas e muros que não se percebe como é possível que tenham sido autorizados. Um olhar sobre uma cidade onde é cada vez mais difícil andar a pé, com cadeiras de rodas ou empurrando carrinhos de bebé.

Ano Novo, Políticas Velhas!

Nós, portugueses, temos um défice muito grande de literacia política, económica e financeira. Temos um grande interesse pelo futebol, somos quase todos treinadores de bancada, mas não temos o mesmo interesse pela política, o que torna a mudança mais improvável de acontecer. Gostaria muito que o Ano Novo, não tivesse políticas velhas. A começar pela próxima Presidência da República e a acabar na Presidência da Câmara Municipal de Famalicão. Não há nenhum indício que o ano de 2021 e seguintes, sejam muito diferentes dos anos anteriores. As mesmas políticas com os mesmos protagonistas, não darão resultados diferentes!

Uma gestão autárquica socialista ou social-democrata, tanto faz!

Um autarca liberal tem como missão defender o pagador de impostos, sem pôr em causa nenhum serviço essencial. Distribuir subsídios por toda a gente, não é um serviço público, em termos autárquicos.

Precisamos de uma nova Revolução Liberal?

Precisamos de pessoas que tenham o mínimo de vergonha na cara, para não tratar de forma diferente os cidadãos, as empresas e, também o chamado, quarto poder, a comunicação social. Sem uma imprensa livre, a democracia está doente e condicionada.

Últimas Notícias

Mais enfermeiros no centro de vacinação de Famalicão

24 enfermeiros reforçam equipa no centro de vacinação até ao final de julho.

Paulo Costa é o candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal

Deputado municipal concorre à presidência da Câmara. Catarina Ferraz encabeça a lista à Assembleia Municipal.

Agostinho Fernandes quer Eduardo Oliveira a “virar a página de Famalicão”

“Servir as pessoas é a verdadeira essência da política. Estou aqui para servir os famalicenses”, enfatizou Eduardo Oliveira na apresentação do mandatário e de todos os candidatos a vereadores.

Fernando Cruz lidera candidatura à Junta de Fradelos

Candidato estreia na política para “marcar a diferença” e "lutar para fazer história em Fradelos".