23.5 C
Vila Nova de Famalicão
Quarta-feira, 5 Outubro 2022

D. Jorge Ortiga recebeu carta de mãe desesperada a denunciar abusos sexuais de padre

Mãe de ex-seminarista abusado sexualmente por um padre queixou-se a D. Jorge Ortiga. O arcebispo famalicense era presidente da Conferência Episcopal Portuguesa e alertou o cardeal-patriarca de Lisboa para o caso.

2 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Feira Grande de S. Miguel animou o centro da cidade

Certame dedicado às tradições famalicenses aconteceu no último fim de semana.

PAN preocupado com a qualidade das refeições escolares em Famalicão

Alergénios na sopa e a presença de dióxido de enxofre e sulfitos em algumas refeições são algumas das preocupações do PAN com as refeições nas escolas famalicenses.

GRACAFE promove 6ª Corrida Pedome / Oliveira Santa Maria

Evento terá lugar dia 22 de outubro. Além das corridas, será realizada uma caminhada solidária.

CIOR inicia ano letivo com várias dinâmicas no âmbito do programa europeu Erasmus+

Os estágios serão realizados em empresas e instituições parceiras da escola.

O famalicense D. Jorge Ortiga, arcebispo primaz emérito de Braga, recebeu uma carta de uma paroquiana revelando que o seu filho seminarista tinha sido alvo de abusos sexuais por um padre no ativo e avisou o cardeal-patriarca de Lisboa dessa situação.

A história é relatada na edição impressa do jornal “Expresso” desta semana, que hoje sai para as bancas. Segundo a mãe do ex-seminarista, os abusos sexuais foram perpetrados por um padre que exercia o sacerdócio há 20 anos na zona oriental de Lisboa. A vítima tinha então 17 anos de idade.

Segundo revela o “Expresso”, o nome do sacerdote abusador já chegou há algum tempo ao conhecimento da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra Crianças na Igreja Católica Portuguesa e faz parte da lista de 12 párocos suspeitos de abusos que um padre denunciante revelou há dois meses à equipa liderada por Pedro Strecht.

O então seminarista tinha sido convidado para passar férias numa casa no Algarve. Os pais autorizaram a viagem, nunca imaginando que o padre, em quem tanto confiavam, pudesse entrar durante a noite, despido, na cama onde o filho dormia.

“Só soubemos do episódio alguns meses depois, pois percebemos que o nosso filho não andava bem. Contou-nos que repeliu o pároco, mas foi obrigado a regressar a casa com ele de carro por não ter dinheiro para vir de autocarro”, revelou a mãe do ex-seminarista ao “Expresso”. O rapaz era seminarista nos Olivais, mas viria a desistir do “sonho” de ser padre por ter ficado “traumatizado” com o episódio passado no Algarve.

MÃE DA VÍTIMA ESCREVE A D. JORGE ORTIGA

A mãe da vítima decidiu não ficar calada e queixou-se por escrito a Jorge Ortiga, quando o arcebispo famalicense era presidente da Conferência Episcopal Portuguesa.

Segundo relata o “Expresso”, em abril de 2010, o próprio Ortiga respondeu por carta à paroquiana, garantindo que tinha dirigido “as informações” nela contidas ao então cardeal-patriarca de Lisboa, José Policarpo, já falecido. E concluía na missiva: “Sei que ele dará o seguimento mais oportuno.”

Poucas semanas depois de receber a carta assinada por Jorge Ortiga, a mãe do ex-seminarista foi contactada para ir ao Patriarcado de Lisboa. “Numa reunião de três horas com o cónego Álvaro Bizarro, relatei tudo o que sabia sobre o assunto”, diz a mulher, citada no “Expresso”.

Alguns anos mais tarde, a mãe viria a ser recebida, juntamente com o marido, pelo atual cardeal-patriarca de Lisboa, Manuel Clemente. Na audiência, diz ter voltado a relatar os abusos de que o filho teria sido alvo.

O cardeal mostrou-se “muito preocupado” com o assunto e disse que o padre já tinha sido afastado, não tendo qualquer atividade na Igreja.  Só que a paroquiana esperava que o patriarca de Lisboa chamasse também o filho para perceber, na primeira pessoa, os detalhes dos alegados abusos sexuais. Mas tal nunca veio a acontecer, para seu desgosto.

Comentários

- Publicidade -