9 C
Vila Nova de Famalicão
Domingo, 7 Março 2021
Partilhar
  • 164
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    164
    Shares
Luís Paulo Rodrigues
Luís Paulo Rodrigueshttps://www.luispaulorodrigues.com
É consultor de comunicação e mentor do projeto NOTÍCIAS DE FAMALICÃO.

A “segunda-feira negra” do Hospital de Riba de Ave

Esta situação de crise de comunicação do Hospital de Riba de Ave poderia ter sido evitada? O que poderia ser feito ao nível da comunicação do hospital para controlar os danos na imagem da administração do hospital?

4 min de leitura
- Publicidade -
Luís Paulo Rodrigues
Luís Paulo Rodrigueshttps://www.luispaulorodrigues.com
É consultor de comunicação e mentor do projeto NOTÍCIAS DE FAMALICÃO.

Famalicão

José Santos, o vereador mais antigo da Câmara, está no fim da linha

Já foi vereador do ambiente e do poderoso pelouro das obras municipais. José Santos está na Câmara de Famalicão há 20 anos. É o vereador mais antigo em funções. Depois de Leonel Rocha, é mais um com quem Paulo Cunha não conta na próxima lista da coligação PSD-CDS.

José Silvano anuncia candidatos do PSD a 100 câmaras municipais. Paulo Cunha é um deles

Paulo Cunha foi anunciado num lote de uma centena de candidatos a outras tantas câmaras municipais, sendo 23 novos candidatos autárquicos e 77 presidentes atuais que serão recandidatos.

Iniciativa Liberal promove conferência sobre o estado das finanças públicas

Evento ocorre no próximo dia 5 de março, às 21h30, com a presença de João Cerejeira e Jorge Marrão.

Chega! Famalicão apela à participação dos militantes nas eleições do próximo sábado

Cerca de meia centena de famalicenses formam a lista que concorre à eleição dos delegados à III Convenção Nacional do partido. Um dos objetivos é "marcar uma posição forte relativamente aos interesses, problemas e necessidades de Vila Nova de Famalicão e dar voz aos famalicenses descontentes com as políticas praticadas em Vila Nova de Famalicão pelos partidos do sistema”.
Partilhar
  • 164
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    164
    Shares

O concelho de Vila Nova de Famalicão está de novo sob o furacão das notícias desagradáveis por causa da covid-19. Depois da Residencial Pratinha, de Cavalões, agora, Famalicão torna a ser notícia nacional por causa de um caso grave que envolve o Hospital de Riba de Ave, propriedade da Santa Casa da Misericórdia local.

Basicamente, o administrador do hospital, Salazar Coimbra, é acusado de fintar o plano nacional de vacinação tendo promovido não só a sua própria vacinação, como a vacinação de familiares e amigos.

A lista dos vacinados do Hospital Narciso Ferreira foi enviada ao Ministério da Saúde, para a necessária aprovação. O problema é que, para trás, ficaram médicos e enfermeiros que deveriam ter sido vacinados e não foram.

A notícia foi publicada na edição de hoje do jornal “Correio da Manhã”, foi replicada em todos os meios de comunicação, sendo tema do dia em todas as televisões, que destacaram equipas de reportagem para Riba de Ave.

Abordando a questão sob a ótica de Salazar Coimbra, do Hospital de Riba de Ave e da Santa Casa da Misericórdia de Riba de Ave esta é uma autêntica segunda-feira negra, com uma crise de comunicação grave, nesta era da informação em tempo real, a afetar a credibilidade do administrador hospitalar e da instituição.

É preciso lembrar que está em curso o plano de vacinação contra a covid-19, que contempla grupos de pessoas com prioridade e que este caso de Riba de Ave, a confirmar-se, confere uma situação gravíssima de viciação desse plano.

Nesta altura, tudo o que tenha a ver com a covid-19 está no topo da agenda mediática.

Como consultor de comunicação, entendo perfeitamente a visibilidade mediática que o caso está a atingir, uma vez que têm sido notícia outros casos semelhantes de alterações abusivas ao plano de vacinação determinado pelo Governo.

Em Riba de Ave, parece existir a agravante de os beneficiados na fila da vacinação serem familiares ou amigos do administrador e que, para terem sido vacinados, ter havido necessidade de produzir documentos do hospital com falsas informações, o que, segundo os especialistas em assuntos jurídicos, pode configurar a existência de crimes de burla e de falsificação de documentos. Isto, repito, a avaliar por aquilo que foi noticiado.

O administrador do hospital, Salazar Coimbra, ao ter mandado dizer aos jornalistas que não prestaria “declarações gravadas” e que só prestava esclarecimentos num comunicado previamente corrigido por advogados, transmitiu ao público a sensação de que tem algo a esconder. Isso mina a confiança que deve existir entre o hospital e a população.

Esta situação de crise de comunicação poderia ter sido evitada? O que poderia ser feito ao nível da comunicação do hospital?

Antes de mais, é bom esclarecer que a comunicação não faz milagres. Uma boa comunicação jamais pode evitar uma decisão errada ou uma declaração errada. Mas uma boa comunicação pode prevenir as piores consequências e pode controlar os estragos.

Nos tempos que correm, o que revela grande amadorismo é não dar a cara, enfrentando o boi pelos cornos e permitir que os jornalistas permaneçam horas e horas à porta da instituição acusada, à espera de um comunicado que estará a ser preparado por “assessores e advogados”.

O administrador Salazar Coimbra, ao ter mandado dizer aos jornalistas que não prestaria “declarações gravadas” e que só prestava esclarecimentos n