12.4 C
Vila Nova de Famalicão
Quinta-feira, 25 Abril 2024

Associação promove debate sobre o futuro das linhas de água do concelho de Famalicão

Encontro acontece no próximo sábado, às 15h, em Cabeçudos.

2 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Celebrações dos 50 anos do 25 de Abril em Famalicão

Celebrações de amanhã, quinta-feira, têm início às 10h. Na parte da tarde há um concerto de jazz nos Paços no Concelho.

Polícia Judiciária outra vez na Câmara de Famalicão para investigar viagens pagas a autarcas

O ex-autarca Paulo Cunha é um dos visados num caso de suspeitas de corrupção que envolve viagens à sede da Microsoft nos EUA. Câmara de Famalicão confirma investigações.

Feira apresenta aos alunos oferta formativa do ensino secundário

Evento destinado aos alunos do 9º ano foi realizado no CIIES, em Vale São Cosme.

Caminhos da Liberdade em Vila Nova de Famalicão

Locais onde se fez resistência à Ditadura Salazarista

No próximo sábado, dia 24 de fevereiro, a Associação Famalicão em Transição retoma as Conversas TeT – Território em Transição, que têm como fim último dar um contributo da sociedade civil para a revisão do PDM – Plano Diretor Municipal.

O tema da sessão de sábado é “Que futuro para as nossas linhas de água? – O caso do Eco Parque de Cabeçudos”. A conversa decorrerá no próprio local, sendo o ponto de encontro no alargamento da Rua das Águas – Cabeçudos – Vila Nova de Famalicão, no encontro com o terreno em causa, às 15h. Pode consultar a localização aqui.

“Esta conversa pretende analisar e identificar os valores ambientais perdidos”, refere a Famalicão em Transição em comunicado. “Para além disso, discutiremos a importância dos ribeiros e outras linhas de água, e o valor de uma REN (Reserva Ecológica Nacional) robusta e bem estruturada para um concelho com uma elevada pressão humana. Isso, tendo em conta a grande aceleração verificada nos últimos anos da expansão urbana e proliferação de espaços industriais, comerciais (não tradicionais) e serviços por todo o concelho”, acrescenta a Associação.

Durante a iniciativa, pretende-se tentar “listar os riscos, com os respetivos impactos económicos, do processo de urbanização daquele espaço, avaliando a ocupação das áreas circundantes, tendo em conta o equilíbrio entre os usos industriais, comerciais/serviços e a qualidade de vida de quem vive na zona”, refere a Associação, acrescentando que “será também ponderado o valor do património, da paisagem e do meio ambiente como fatores de atratividade de um território”.

“Famalicão tem uma rede hidrográfica muito extensa e bem distribuída pelo concelho. Para além do rio Ave, temos o rio Este, o Pele, ou o Pelhe, que nasce, tem a sua foz e nunca sai do concelho ao longo do seu percurso”, lembra a Associação, destacando que “apesar deste potencial hidrográfico, tão fundamental para o uso humano como para o equilíbrio natural, as pequenas linhas de água são muitas vezes esquecidas, maltratadas e entubadas”.

“Este é um património que deve ser conhecido e valorizado, porque no processo de adaptação do concelho às alterações climáticas, trata-se de um ativo e não de um entrave ao desenvolvimento”, afirma a Famalicão em Transição.

Comentários