14.8 C
Vila Nova de Famalicão
Sábado, 31 Julho 2021
Partilhar
  • 1
  •  
  • 2
  •  
  •  
  •  
  •  
    3
    Shares
Rui Costa
Rui Miguel Costa é formado em Engenharia e Gestão Industrial pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto. Gestor em áreas de desenvolvimento, é apaixonado por música, engenharia, economia, inovação e empreendedorismo.

Avançar no mundo da inovação….. sem desperdícios

No ano transato foi documentado que só em Portugal foram utilizadas mais de 720 milhões de garrafas de plástico. Isso mesmo, 720 milhões de garrafas, onde nem 50% são passíveis de reciclagem. A matemática é simples, o resultado não é risonho e mais triste seria se extrapolasse estas contas para o mundo todo.

5 min de leitura
- Publicidade -
Rui Costa
Rui Miguel Costa é formado em Engenharia e Gestão Industrial pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto. Gestor em áreas de desenvolvimento, é apaixonado por música, engenharia, economia, inovação e empreendedorismo.

Famalicão

Os famalicenses têm o direito à verdade e não à manipulação

Os famalicenses têm o direito de saber o que está a ser feito na cidade, como está a ser feito e porque está a ser feito. Têm direito à verdade dos factos em vez de manipulação cosmética da realidade.

Famalicense Injex entra na Câmara de Comércio Luso-Alemã

A Injex, empresa especializada na produção de componentes técnicos em plástico pelo processo de injeção para todo o tipo de máquinas, aposta na internacionalização.

Está na hora de quebrar o ciclo

Precisamos de quebrar o ciclo de políticas desadequadas aos desafios que vivemos, precisamos de um novo ciclo de políticas públicas assente numa visão ecocêntrica e sustentável – e esse momento é agora!

Continental promove inclusão social com programa de estágio e emprego

A empresa recebeu quatro pessoas com necessidades especiais para realização de um estágio no âmbito do programa de cooperação com a ACIP e o IEFP. Duas destas pessoas são hoje membros efetivos da empresa.
Partilhar
  • 1
  •  
  • 2
  •  
  •  
  •  
  •  
    3
    Shares

É discutível se peca por tardio, se por obrigação de um mundo com recursos cada vez mais esgotados, se pela perseverança dos ambientalistas, se por auto consciencialização por partes das empresas, no entanto a verdade é que está a acontecer! O mundo empresarial está a ajustar-se, ou pelo menos a reunir todos os esforços para, responder às necessidades do mundo real.

Ainda hoje é correto afirmar que o mundo das embalagens é dominado pelo plástico e que no mundo das bebidas o vidro é dominante, mas por quanto mais tempo? O que está a ser feito para mudar isto? O que falta para seguirmos com uma produção sem desperdícios, onde tudo (ou quase tudo), é reciclável, fomentando assim económica circular nesta área tão especifica?

O cenário acima é tão dominante que no ano transato, foi documentado que só em Portugal foram utilizadas mais de 720 milhões de garrafas de plástico. Isso mesmo, 720 milhões de garrafas, onde nem 50% são passíveis de reciclagem. A matemática é simples, o resultado não é risonho e mais triste seria se extrapolasse estas contas para o mundo todo.

Quando nos