12.4 C
Vila Nova de Famalicão
Quinta-feira, 25 Abril 2024
Armindo Magalhães
É arquiteto com formações complementares nas áreas de segurança contra incêndios, acústica e térmica. Fez mestrado em agricultura biológica e faz voluntariado nesta e outras áreas. Interessa-se por permacultura, cinema, artes plásticas, meio ambiente e agricultura. Como artista plástico, participou de bienais e exposições.

É um escândalo a Câmara de Famalicão beneficiar um privado

Há algumas coisas espantosas nas obras a realizar na zona junto ao Hospital de Famalicão

1 min de leitura
- Publicidade -
Armindo Magalhães
É arquiteto com formações complementares nas áreas de segurança contra incêndios, acústica e térmica. Fez mestrado em agricultura biológica e faz voluntariado nesta e outras áreas. Interessa-se por permacultura, cinema, artes plásticas, meio ambiente e agricultura. Como artista plástico, participou de bienais e exposições.

Famalicão

Celebrações dos 50 anos do 25 de Abril em Famalicão

Celebrações de amanhã, quinta-feira, têm início às 10h. Na parte da tarde há um concerto de jazz nos Paços no Concelho.

Polícia Judiciária outra vez na Câmara de Famalicão para investigar viagens pagas a autarcas

O ex-autarca Paulo Cunha é um dos visados num caso de suspeitas de corrupção que envolve viagens à sede da Microsoft nos EUA. Câmara de Famalicão confirma investigações.

Feira apresenta aos alunos oferta formativa do ensino secundário

Evento destinado aos alunos do 9º ano foi realizado no CIIES, em Vale São Cosme.

Caminhos da Liberdade em Vila Nova de Famalicão

Locais onde se fez resistência à Ditadura Salazarista

Estão previstas diversas alterações para a área norte da cidade de Vila Nova de Famalicão. No início deste mês foi noticiado que um  supermercado é uma das novas construções na zona envolvente ao Hospital.

Ao analisar os documentos da Unidade de Execução 2 da UOPG 1.1 – Área Norte da Cidade (União de Freguesias de Vila Nova de Famalicão e Calendário), que vai estar em discussão na próxima segunda-feira, dia 20, verificamos algumas coisas espantosas.

A primeira refere-se às áreas de cedências.

De acordo com a legislação, as áreas de cedências são porções de território que os proprietários de operações urbanísticas devem ceder gratuitamente ao município. Por norma, as áreas de cedências são para equipamentos e espaços verdes, o que não é o caso no projeto apresentado.

No projeto que irá à discussão pública na segunda-feira os espaços que estão considerados como áreas de cedências são espaços de estacionamento, vias e passeios, uma rotunda e um separador.

A segunda coisa espantosa e, provavelmente, a mais escandalosa, é a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão aceitar executar o estacionamento quando este devia ser feito pelo requerente, assim como sobre o seu terreno (e não como espaço de cedência), segundo o Regulamento do Plano Diretor Municipal de Vila Nova de Famalicão.

Como podemos verificar pela imagem temos uma área de construção 2.200 + 330 metros quadrados de construção, que faz 2530/50×1.3= 66 estacionamentos. Contei 93. Estes 93 menos 66 dá 27 lugares de estacionamento para o público.

Assim dá para perceber que não é vantajoso para a cidade. A Câmara Municipal vai fazer de borla os estacionamentos e os acessos para a superfície comercial e não recebe compensações de cedências. Pergunto: tem interesse para Famalicão?

Podemos concluir que a Câmara Municipal, aparentemente, está a beneficiar um privado. E mais uma vez vai prejudicar o pequeno comercio de rua, já de si frágil.

Esse terreno não seria mais bem aproveitado para construir habitação uma vez que muita falta faz na cidade?

________________________________________________________________________

Os artigos de opinião publicados no Notícias de Famalicão são de exclusiva responsabilidade dos seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Comentários

Armindo Magalhães
É arquiteto com formações complementares nas áreas de segurança contra incêndios, acústica e térmica. Fez mestrado em agricultura biológica e faz voluntariado nesta e outras áreas. Interessa-se por permacultura, cinema, artes plásticas, meio ambiente e agricultura. Como artista plástico, participou de bienais e exposições.