12 C
Vila Nova de Famalicão
Quinta-feira, 25 Abril 2024
Rui Costa
Rui Miguel Costa é formado em Engenharia e Gestão Industrial pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto. Gestor em áreas de desenvolvimento, é apaixonado por música, engenharia, economia, inovação e empreendedorismo.

Energia solar: o que de bom e diferente se faz em Portugal

Uma startup portuguesa que nos quer tornar mais eficientes no âmbito da energia solar.

5 min de leitura
- Publicidade -
Rui Costa
Rui Miguel Costa é formado em Engenharia e Gestão Industrial pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto. Gestor em áreas de desenvolvimento, é apaixonado por música, engenharia, economia, inovação e empreendedorismo.

Famalicão

Celebrações dos 50 anos do 25 de Abril em Famalicão

Celebrações de amanhã, quinta-feira, têm início às 10h. Na parte da tarde há um concerto de jazz nos Paços no Concelho.

Polícia Judiciária outra vez na Câmara de Famalicão para investigar viagens pagas a autarcas

O ex-autarca Paulo Cunha é um dos visados num caso de suspeitas de corrupção que envolve viagens à sede da Microsoft nos EUA. Câmara de Famalicão confirma investigações.

Feira apresenta aos alunos oferta formativa do ensino secundário

Evento destinado aos alunos do 9º ano foi realizado no CIIES, em Vale São Cosme.

Caminhos da Liberdade em Vila Nova de Famalicão

Locais onde se fez resistência à Ditadura Salazarista

Em junho de 2021, escrevia sobre um “Portugal orientado às energias renováveis”, com especial foco no investimento e desenvolvimento das energias hídricas.

Passados sensivelmente dois anos, e com a mesma crença de que temos um país cada vez mais orientado para se reconstruir, investir e tirar proveito de diferentes fontes de energia, venho hoje falar sobre energia solar fotovoltaica e térmica.

Disclaimer feito: a energia solar, enquanto energia renovável, acaba por ser a mais óbvia de todas.

É de alguma forma, a que mais comummente ouvimos falar e a que se assume ser de fácil implementação. Admito que, muito provavelmente, é tida como certa, tanto a nível residencial como em contexto empresarial. Contudo, ainda haverá pouca gente a perceber do tema.

Este texto vem nesse sentido, dar a conhecer mais detalhadamente o que é energia solar, como funciona e o que de tão bem e diferente se faz em Portugal.

Mas afinal o que é energia solar e como funcionam os painéis solares? Trata-se da conversão da energia direta da luz em eletricidade. Claro está, com alguma tecnologia pelo meio.

Esta conversão dá-se através do efeito fotovoltaico e, para que isto aconteça, existe um painel fotovoltaico que é constituído por células sensíveis à luz solar e que têm a função de a converter em eletricidade. Esta célula fotovoltaica que, para além da conversão, faz habitualmente a ligação à rede através de um inversor (ou acumuladores), que permitem alimentar todo o tipo de equipamentos que a rede elétrica usualmente alimenta, desde aplicações domésticas, aparelhos autónomos, moradias, empresas e até redes de distribuição.

Estas células formadas são, genericamente, um dispositivo produzido com material semicondutor, como silício, absorvem uma vasta gama do espectro solar e possibilitam o aumento da condução elétrica com a subida de temperatura.

De uma forma muito clássica, são constituídas por camadas positivas e negativas para que um campo eletromagnético se forme.

A corrente elétrica contínua acontece quando os fotões solares incidem na célula, liberando eletrões que encaminham a corrente para o inversor, tornando-a pronta a utilizar.

Existem vários tipos de painéis e podemos distinguir os mesmos por finalidade ou projeto a projeto. O mercado permite-nos escolher consoante a eficiência e custo de produção pretendidos, porque a matéria-prima que serve como base e o silício pode ser trabalhado de diferentes formas. Genericamente, existem os painéis de amorfo ou filme fino que são mais flexíveis, mas os menos eficientes, e os painéis monocristalino e policristalino que são os mais utilizados e mais eficientes.

No fundo, estas células ou painéis solares, são apenas instrumentos para aproveitamento e geração de energia elétrica através da luz do sol.

Existem listas intermináveis de vantagens, mas, habitualmente, falamos do autoconsumo e da sua poupança, energia renovável sem emissão de gases poluentes e da facilidade de instalação.

A energia solar é hoje uma das energias renováveis com maior investimento. Este “fenómeno” do investimento solar já começou há décadas, contudo, nos últimos 10-15 anos tem tomado proporções hercúleas, devido à sua necessidade, mas também a alguma especulação.

Ainda referente a este ano, a Agência internacional da Energia (AIE) partilhou que “o investimento global em energia deve atingir cerca de US$ 2,8 trilhões em 2023, (….), com mais de US$ 1,7 trilhão desse valor programado para ir em tecnologias de energia limpa, como EVs, energias renováveis e armazenamento”.

Isto é um claro sinal de como a transição energética está a progredir para esferas diferentes das atuais, incluindo a solar, onde é dito que “de acordo com o relatório de investimento, o valor atribuído para energia solar deve atrair mais de US$ 1 bilhão por dia em 2023.”

Em comunicado, Fatih Birol, diretor executivo da AIE, disse que o investimento em energia solar está “prestes a ultrapassar o montante de investimento na produção de petróleo pela primeira vez”.

Estes fortes investimentos levaram os mais críticos, mais inventivos e empreendedores a quererem fazer parte deste movimento. Existem à data de hoje, empresas gigantes na área da energia solar e outras tantas a aparecer diariamente e Portugal não é exceção.

A start-up portuguesa NeuroSolar, spin off da Universidade de Évora, surge no mercado com soluções otimizadas para a rentabilização da energia gerada pelos painéis solares. Atualmente, garante um aumento de 12% de energia produzida logo no primeiro mês, uma solução pioneira nesta área.

A NeuralSolar e o seu produto o NS ONE, são uma evolução do tipo MPPT (maximum power point tracker), que vem resolver a baixa eficiência dos painéis solares, a um preço justo e com recurso a IA. Para contextualizar, um MPPT é um dispositivo que, de forma contínua, monitoriza os inputs de energia elétrica e faz ajustes em tempo real, garantido o máximo de aproveitamento/conversão de energia contínua para corrente alternada. De forma simples, procura a melhor potência de funcionamento do painel.

Esta falta de eficiência dá-se porque a energia é produzida, mas não é gerida de forma controlada, mas sim aleatória, é um consumo arbitrário e não controlado pela necessidade.

A grande vantagem e disrupção da NeuralSolar é a ligação do seu software de falhas com recurso a IA e do seu hardware inteligente. Além de ser um produto plug-in & play, de fácil instalação e com zero manutenção, o seu software patenteado combina 5 variáveis: corrente, tensão, temperatura, radiação e informação do painel mais próximo, que tem uma taxa de cerca de 100% na deteção e avaliação de falhas em tempo real. Permite também a avaliação isolada de cada painel da instalação.

Graças a eles, temos hoje um dos produtos mais disruptivos do mercado da energia solar que antecipa o futuro da NeuralSolar como um dos grandes players mundiais nesta área.

Concluo que existe, cada vez mais, empresas inovadoras na área da energia, e Portugal não fica atrás.  A NeuralSolar é representativa disso mesmo, um enorme potencial humano e técnico que felizmente existe no nosso país.

Comentários

Rui Costa
Rui Miguel Costa é formado em Engenharia e Gestão Industrial pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto. Gestor em áreas de desenvolvimento, é apaixonado por música, engenharia, economia, inovação e empreendedorismo.