12.4 C
Vila Nova de Famalicão
Quinta-feira, 25 Abril 2024
Victor Meira
Licenciado em Gestão de Marketing e Publicidade pelo ISCET e dirigente associativo e treinador de futsal. Nascido em Angola, mas famalicense desde os seus 5 anos. É amante do desporto, apaixonado pela política, mas é na prática da cidadania que mais se revê.

“Eu sei que você sabe, por isso não vale a pena dizer!”

A sua retórica habilidosa é frequentemente acompanhada por uma falta alarmante de soluções para abordar os problemas que criticam.

3 min de leitura
- Publicidade -
Victor Meira
Licenciado em Gestão de Marketing e Publicidade pelo ISCET e dirigente associativo e treinador de futsal. Nascido em Angola, mas famalicense desde os seus 5 anos. É amante do desporto, apaixonado pela política, mas é na prática da cidadania que mais se revê.

Famalicão

Celebrações dos 50 anos do 25 de Abril em Famalicão

Celebrações de amanhã, quinta-feira, têm início às 10h. Na parte da tarde há um concerto de jazz nos Paços no Concelho.

Polícia Judiciária outra vez na Câmara de Famalicão para investigar viagens pagas a autarcas

O ex-autarca Paulo Cunha é um dos visados num caso de suspeitas de corrupção que envolve viagens à sede da Microsoft nos EUA. Câmara de Famalicão confirma investigações.

Feira apresenta aos alunos oferta formativa do ensino secundário

Evento destinado aos alunos do 9º ano foi realizado no CIIES, em Vale São Cosme.

Caminhos da Liberdade em Vila Nova de Famalicão

Locais onde se fez resistência à Ditadura Salazarista

Estando o Parlamento dissolvido e as eleições marcadas para 10 de Março de 2024, foi dado o tiro de partida para a campanha eleitoral que promete ficar na história.

Não passa um dia em que representantes dos mais variados partidos políticos aparecem na televisão a defender as suas cores.

No passado dia 22 de Dezembro, a muito custo, assisti na SIC (Expresso da Meia Noite) a uma novela mexicana, traduzida para português (e mal), em que além dos entrevistadores estavam presentes os representantes do Partido Socialista, Aliança Democrática e do Chega.

Primeiramente fiquei surpreendido por saber que o André Ventura deu autorização para que os seus deputados façam parte deste tipo de painéis. Digo isto porque sei que estavam expressamente proibidos de dar entrevistas ou a fazer parte em debates televisivos.

O escolhido para este “debate” foi o deputado eleito pelo círculo de Braga, Filipe Melo. Sim o deputado ao qual, segundo a Visão, foi penhorado o salário de deputado por dívidas a um colégio católico de Braga, o mesmo deputado que, segundo o Expresso, consta três vezes na lista pública de execuções, etc.

Em relação ao debate, a intervenção do deputado às questões apresentadas resume-se a uma frase: “eu sei que você sabe, por isso não vale a pena dizer!”

São estes os quadros do Chega que se preparam para ir a votos!

Posto isto, e como conhecedor de muito o que se passou e continua a passar neste partido coloco a questão: São um partido credível para poderem almejar a fazer parte de algum governo quando todos os quadros que poderiam fazer alguma relevância já abandonaram por sua iniciativa o partido ou foram “empurrados” para sair?

Em 2019 o Partido Chega surgiu como uma voz ativa na oposição, destacando-se pela sua habilidade inegável de identificar os problemas e lacunas na governação PS. Com um discurso afiado e uma análise perspicaz dos problemas que assolam o país, o partido rapidamente conquistou a atenção e o apoio de uma parcela significativa da população descontente.

No entanto, apesar de sua aptidão para apontar falhas e deficiências, o Partido Chega tem falhado de uma forma gritante quando se trata de oferecer um programa eleitoral concreto e viável aos Portugueses. Para que saibam, o último programa de governo tinha 10 (!) páginas (houve programas eleitorais para Juntas de Freguesia bem mais extensos).

A sua retórica habilidosa é frequentemente acompanhada por uma falta alarmante de soluções tangíveis e planos detalhados para abordar os problemas que tão avidamente criticam.

O líder do partido e os seus deputados tornaram-se mestres na arte da denúncia, destacando questões desde a corrupção sistémica até a estagnação económica, ganhando destaque nos debates e na comunicação social. No entanto, quando confrontados sobre propostas claras para a resolução desses problemas, a sua resposta geralmente se dissolve em generalidades vagas ou apelos à mudança sem estratégias definidas.

A ausência de um programa eleitoral com conteúdo e credível tem levantado dúvidas sobre a capacidade do Partido Chega poder fazer parte de algum governo futuro. Enquanto eles se capitalizam na insatisfação pública, a sua incapacidade de transformar críticas em políticas concretas tem gerado ceticismo e desconfiança entre aqueles que anseiam por uma liderança capaz de não apenas identificar os problemas, mas também de oferecer soluções realizáveis e eficazes.

Assim, embora o partido se tenha estabelecido como uma força a ser reconhecida na oposição, a falta de um programa eleitoral credível e a ausência de quadros com capacidade e conhecimento político levanta inúmeras questões sobre a capacidade de efetivamente ser um partido de governo e ter a capacidade de implementar mudanças significativas, deixando os eleitores num dilema entre críticas contundentes e a incerteza sobre um futuro prático e realizável.

 

________________________________________________________________________

Os artigos de opinião publicados no Notícias de Famalicão são de exclusiva responsabilidade dos seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Comentários

Victor Meira
Licenciado em Gestão de Marketing e Publicidade pelo ISCET e dirigente associativo e treinador de futsal. Nascido em Angola, mas famalicense desde os seus 5 anos. É amante do desporto, apaixonado pela política, mas é na prática da cidadania que mais se revê.