19 C
Vila Nova de Famalicão
Segunda-feira, 21 Junho 2021
Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Termina dia 31 prazo para concorrer ao Prémio Alberto Sampaio no valor de 6 mil euros

Famalicão, Braga e Guimarães se unem para homenagear e manter viva a figura de Alberto Sampaio e a sua obra de vulto para a historiografia portuguesa.

3 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Candidato Mário Passos manipula os milhões de Bruxelas e ilude os famalicenses

A Câmara de Famalicão captou apenas 7,9% dos 354 milhões que Bruxelas aprovou para o território do concelho nos últimos 8 anos. Mas o candidato Mário Passos (PSD-CDS) manipula os números e ilude os famalicenses dizendo que todos os milhões são devidos à ação da autarquia. O NOTÍCIAS DE FAMALICÃO apurou a verdade e revela a lista oficial dos projetos municipais aprovados em Bruxelas.

Mais enfermeiros no centro de vacinação de Famalicão

24 enfermeiros reforçam equipa no centro de vacinação até ao final de julho.

Paulo Costa é o candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal

Deputado municipal concorre à presidência da Câmara. Catarina Ferraz encabeça a lista à Assembleia Municipal.

Agostinho Fernandes quer Eduardo Oliveira a “virar a página de Famalicão”

“Servir as pessoas é a verdadeira essência da política. Estou aqui para servir os famalicenses”, enfatizou Eduardo Oliveira na apresentação do mandatário e de todos os candidatos a vereadores.
Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Termina no dia 31 de maio o prazo para enviar à Academia das Ciências de Lisboa a candidatura ao Prémio de História Alberto Sampaio. Os estudos concorrentes podem resultar ou ter por base trabalhos académicos, nomeadamente dissertações de mestrado ou teses de doutoramento, desde que respeitem o regulamento.

Este prémio tem um valor pecuniário de 6.000 euros – montante que agora passa a ser patrocinado por três municípios em partes iguais –, cabendo a organização à Academia das Ciências de Lisboa, que tem a seu cargo a direção científica e a designação do júri.

O objetivo do prémio é promover o desenvolvimento dos estudos científicos e de investigação nas áreas relacionadas com o legado do historiador minhoto, especialmente nas disciplinas da História Social e Económica.

O Prémio de História Alberto Sampaio data de 1995, quando foi contratualizado um protocolo entre os municípios de Vila Nova de Famalicão e de Guimarães e a Sociedade Martins Sarmento.

A sua última edição foi em 2008. Regressa agora, 12 anos depois, com a participação do município de Braga, cuja inclusão se deve ao trajeto do historiador: Alberto Sampaio nasceu em Guimarães, estudou em Braga e morreu em Vila Nova de Famalicão.

Tendo em vista a revitalização deste prémio, a Câmara Municipal de Famalicão redesenhou o regulamento no ano de 2016, tendo convidado o município de Braga para a organização, dado tratar-se de uma cidade estreitamente ligada à vida de Alberto Sampaio.

A cerimónia de entrega do prémio será rotativa, decorrendo em instituições ligadas ao patrono do galardão: o Museu Alberto Sampaio em Guimarães, o Arquivo Municipal Alberto Sampaio em Vila Nova de Famalicão e a Escola Secundária Alberto Sampaio, em Braga.
Para mais informações, os interessados em concorrer ou saber mais sobre o prémio podem consultar o regulamento do Prémio de História Alberto Sampaio 2021 clicando aqui.

QUEM FOI ALBERTO SAMPAIO

Alberto Sampaio nasceu em Guimarães, em 15 de novembro de 1841, fez os estudos liceais em Braga e veio a falecer na freguesia de Cabeçudos, em Vila Nova de Famalicão, a 1 de dezembro de 1908.

Formou-se em Direito na Universidade de Coimbra, em 1863. Após a conclusão do bacharelato, iniciou uma breve carreira de advogado em Lisboa, interrompida pela difícil adaptação à vida cosmopolita da capital.

De regresso ao Minho, o seu interesse pela vitivinicultura, levou-o a passar longas temporadas na Quinta de Boamense, em Cabeçudos, Vila Nova de Famalicão.

Casa de Boamense, em Cabeçudos, onde Alberto Sampaio produziu um dos melhores vinhos verdes da região. Fotografia DR/CMVNF

A agricultura e a vitivinicultura, em particular, incluíam-se entre as suas paixões, sendo famosos os vinhos que produzia na Quinta de Boamense.

Prestou uma extensa colaboração no Projeto de Lei do Fomento Rural, apresentado por Oliveira Martins na Câmara dos Deputados, em abril de 1887.

Nos seus estudos “As Vilas do Norte de Portugal” e, mais tarde, “As Póvoas Marítimas”, Alberto Sampaio revelou o seu excecional talento para a investigação histórica. Morreu a 1 de dezembro de 1908 na sua Casa de Boamense.

Em 1923, por iniciativa de Luís de Magalhães, a Livraria Chardron Lello & Irmão publicou parte da sua obra sob o título “Estudos Históricos e Económicos”.

Comentários