Free Porn





manotobet

takbet
betcart




betboro

megapari
mahbet
betforward


1xbet
teen sex
porn
djav
best porn 2025
porn 2026
brunette banged
Ankara Escort
1xbet
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
betforward
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
deneme bonusu veren bahis siteleri
deneme bonusu
casino slot siteleri/a>
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Cialis
Cialis Fiyat
18.3 C
Vila Nova de Famalicão
Sexta-feira, 12 Julho 2024
José Carvalho
José Carvalho é famalicense, nasceu em 1972, e exerce a profissão Controller de Gestão. Os seus passatempos preferidos são a jardinagem e caminhadas.

A pedra no meio do caminho do 10 de Março

Em Famalicão, o número de votantes nas legislativas superou em mais 10% o número de votantes nas últimas autárquicas. Estranho fenómeno este em que a eleição dos órgãos políticos que nos são mais próximos motivam menos o nosso voto do que as legislativas.

4 min de leitura
- Publicidade -
José Carvalho
José Carvalho é famalicense, nasceu em 1972, e exerce a profissão Controller de Gestão. Os seus passatempos preferidos são a jardinagem e caminhadas.

Famalicão

Mário Passos inaugura nova obra de arte na Praça D. Maria II

Espelho gigante assinala a nomeação de Famalicão como Região Empreendedora Europeia em 2024. É a terceira nova obra de arte instalada naquele espaço em cerca de um ano.

Presidente da República distingue Carlos Vieira de Castro como Comendador

Empresário agraciado com a Comenda da Ordem de Mérito Empresarial.

Antiga vereadora do Desporto, Juventude e Turismo morre aos 65 anos

Ana Paula Costa foi a única mulher do PS no executivo da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, em 19 anos da presidência de Agostinho Fernandes.

Famalicão celebrou 39 anos de Cidade

Sessão solene contou com uma lista de cerca de 60 homenageados.

“Praticar a arte do governo na pequena esfera [do seu] alcance”
Tocqueville

Depois da vertigem em democracia do dia 10 de Março, regresso às viagens na minha terra.

No dia 10 de Março votaram 73,87% dos inscritos nos cadernos eleitorais do concelho, o equivalente a 89.036 votantes. Nas últimas eleições autárquicas votaram 63,52% dos inscritos nos cadernos eleitorais do concelho, o equivalente a 75.909 votantes. Mais 10 pontos percentuais, mais 13 mil pessoas.

Estranho fenómeno este em que a eleição dos órgãos políticos que nos são mais próximos motivam menos o nosso voto do que as legislativas. Há tanta coisa que passa pelo município, desde a qualidade do nosso espaço público (ruas, passeios, jardins…), ao financiamento das festas e fogo de artifício que brindam, ou infernizam, o nosso Verão, até ao fornecimento de serviços tão essenciais como o abastecimento de água e saneamento, bem como a determinação do seu preço, etc, etc, etc. O poder local pode, também, ajustar a taxa de IMI e IRS. Para além disso, o governo da República delegou um conjunto de competências nas Câmaras que vão da habitação, à saúde e à educação.

O que está na origem de tão estranho fenómeno?

IMPRENSA DEPENDENTE DO ORÇAMENTO DO MUNICÍPIO?

O debate está na ordem do dia, o jornalismo tem o dever de informar e servir os seus leitores e não os seus acionistas, financiadores ou a publicidade. Este é um dos requisitos fundamentais da sociedade democrática: uma imprensa livre. Atualmente os jornais do concelho são largamente financiados pela autarquia, com as exceções do Notícias de Famalicão e do Jornal de Famalicão e isso, provavelmente, nota-se.

SOCIEDADE CIVIL POUCO ENVOLVIDA NOS PROCESSOS DE DECISÃO?

Fora do espectro partidário, temos poucos movimentos e vozes divergentes que participem ativamente, ou discutam em praça pública, o futuro do concelho. As opiniões discordantes são desvalorizadas e exemplo disso é a referência de Mário Passos aos “meia-dúzia” que contestaram a construção do novo armazém do CITEVE.

O movimento associativo limita-se, praticamente, às atividades desportivas e recreativas. Sem desconsideração pelas mesmas, faltam coletivos críticos, falta provocação e a discussão dos assuntos. Riqueza no debate e partilha de opiniões tornam a decisão mais consciente.

Por outro lado, as (poucas) discussões públicas promovidas pelo Município são inconsequentes. Veja-se o último caso do Continente junto ao Palácio de Justiça. Debatido, questionado, contestado e, depois de uma suposta alteração da parcela para o uso habitacional, o município diz o dito pelo não dito, e volta a capitular aos interesses da DST e da Sonae.

Com esta lamentável atitude autocrática e faltando à verdade, o município destrói o embrionário (e valioso) movimento cívico famalicense. Depois queixamo-nos de que somos uma sociedade passiva e deixamos as portas escancaradas aos moralistas de taberna.

POUCA OU NENHUMA ABERTURA PARA OUVIR OS MUNÍCIPES?

A Assembleia Municipal é o espaço onde alguns (poucos) famalicenses vão apresentar as suas questões. A forma como as intervenções são tratadas refletem a sua subalternização. As intervenções só acontecem no final da sessão, por vezes, bem para lá da meia-noite. Os deputados estão cansados, a mesa da Assembleia Municipal sem paciência e o executivo já sem energia para responder.

Mesmo as formas mais robustas de intervenção cívica, como as petições (onde é apresentado um documento, uma proposta, suportada por mais de 700 assinaturas) é tratada com…, no mínimo, pouca consideração. Veja-se o caso da petição para a criação de um parque florestal no Monte da Santa Catarina, quase a fazer um ano e sem qualquer notícia.

E AS NOVAS GERAÇÕES?

As nossas crianças deixaram de brincar na rua. Muitos dos nossos adolescentes são deixados de carro à porta da escola e raramente se deslocam de forma autónoma. A partir do 10.º ano a escola passa a ser um campo de treino para os exames nacionais.

Amputamos a esta geração a possibilidade de viver o espaço público, de criarem os seus “projetos” livres da supervisão de um adulto ou de correrem riscos e serem desafiados à descoberta. Não empoderamos esta geração, talvez com medo de perdemos o nosso poder sobre ela.

Repensar o espaço público, a forma como nos deslocamos e fazer um esforço para criar comunidades nos nossos bairros e progressivamente alargar a nossa esfera colaborativa. Deixar de ter medo do outro e da liberdade. Passar a sentir que o que é meu, também se partilha. Talvez com isso possamos abrir um pouco mais o mundo às nossas crianças e jovens.

A GRANDE FESTA DA DEMOCRACIA

Falta pouco mais de um ano para a próxima eleição autárquica. Com tantos assuntos para debater, a minha expectativa é muito alta.

Para baixar a qualidade do debate já me chega o que se passou a 10 de Março.

 

___________________________________________________________

Os artigos de opinião publicados no NOTÍCIAS DE FAMALICÃO são de exclusiva responsabilidade dos seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Comentários

José Carvalho
José Carvalho é famalicense, nasceu em 1972, e exerce a profissão Controller de Gestão. Os seus passatempos preferidos são a jardinagem e caminhadas.