14.4 C
Vila Nova de Famalicão
Domingo, 9 Maio 2021
Partilhar
  • 14
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    14
    Shares

Avepark recebe o supercomputador que mudará as empresas portuguesas

Desde 2019, Famalicão já tinha o "Bob". Agora Guimarães vai receber o "Deucalion", muito mais potente. Eis Portugal a dar passos mais rápidos na computação de alto desempenho, com competências para as empresas tirarem partido da supercomputação.

3 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Tabu desfeito. Paulo Cunha não é candidato e deixa Famalicão em Outubro

A decisão do autarca foi oficializada esta semana numa reunião com os vereadores da coligação PSD-CDS.

Famalicão. Grupo Eco-Trocas dá vida nova a artigos excedentes e em desuso

O grupo tem como missão incentivar o aproveitamento de recursos e contribuir para a diminuição de desperdícios.

Eduardo Oliveira e as Antoninas: “Manda a prudência que se fale claro aos famalicenses”

A Câmara de Famalicão anunciou o regresso das Antoninas. Mas estamos em estado de calamidade que impõe muitas restrições. A polémica está instalada. O líder do PS lança várias questões à Câmara Municipal. Paulo Cunha acusa-o de ser eleitoralista.

Deputada do PCP no Parlamento Europeu visita a Associação de Moradores das Lameiras

Sandra Pereira elogiou o trabalho da instituição que considera "ser uma referência nacional".
Partilhar
  • 14
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    14
    Shares

Um consórcio liderado pela Fujitsu e a Atos ganhou um concurso da União Europeia para a instalação do novo supercomputador português Deucalion no AvePark – Parque de Ciência e Tecnologia, em Guimarães.

Com o Deucalion, Portugal dá início a uma nova fase na computação de alto desempenho, com um centro de competências para as empresas tirarem partido da supercomputação.

O agregado computacional pesa 26 toneladas e consome cerca de 1,7 MegaWatts, mas tem na capacidade de processamento a principal característica: 10 PetaFlops. O que significa que terá a capacidade para executar 10 mil biliões de instruções por segundo. A supermáquina implica um investimento de 20 milhões de euros.

O novo supercomputador tem uma capacidade de processamento 10 vezes maior que aquela que tem o Bob, o supercomputador cedido a Portugal pela Universidade do Texas, e que se encontra a operar em Oliveira Santa Maria, concelho de Famalicão, desde 2019, no Centro de Computação Avançada do Minho (MACC), fisicamente instalado no centro de dados da REN (Rede Eléctrica Nacional).

Supercomputador da Universidade do Texas instalado no centro de dados da REN, em Oliveira Santa Maria. Fotografia DR

Já o novo supercomputador Deucalion que a União Europeia instalará no Avepark, em Guimarães, vai dotar Portugal de capacidade computacional para o desenvolvimento de simulações em todas as áreas da ciência e investigação.

Neste processo, tem existido uma estreita colaboração da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) com a Câmara Municipal de Guimarães e a Universidade do Minho.

GUIMARÃES DÁ INSTALAÇÕES

A autarquia vimaranense já estabeleceu um memorando de entendimento com a Fundação para a Ciência e Tecnologia e a Universidade do Minho com vista à instalação do Centro de Computação Avançada do Minho no Avepark, que vai gerir o novo supercomputador, tendo já adquirido as instalações necessárias num espaço de cinco mil metros quadrados.

O supercomputador Deucalion chegará a Guimarães ao abrigo da Empresa Comum para a Computação Europeia de Alto Desempenho (EUROHPC), uma iniciativa da União Europeia criada em 2018 que visa tornar a Europa líder mundial no domínio da supercomputação.

O presidente da Câmara Municipal de Guimarães, Domingos Bragança, destaca a afirmação de Guimarães na captação de investimento na área da ciência e investigação, com o objetivo de também apoiar as empresas na sua inovação.

“Este supercomputador insere-se no envolvimento de Portugal na estratégia europeia de computação avançada e permitirá apoiar empresas de diferentes dimensões a tirarem partido das simulações computacionais para experiências morosas, dispendiosas, devido aos limites físicos da realidade. Além disso, deverá ainda pautar-se pelo uso de unidades de produção de energia renovável, o que é de enorme relevância para o país e para Guimarães”, afirmou o autarca, em nota de imprensa divulgada este domingo, 14 de fevereiro.

Comentários