12.4 C
Vila Nova de Famalicão
Quinta-feira, 25 Abril 2024

Cerca de uma dezena de IPSS famalicenses com Marcelo Rebelo de Sousa em Lisboa

União Distrital das IPSS de Braga levou ao Presidente da República preocupações com a "sustentabilidade financeira" das instituições.

1 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Celebrações dos 50 anos do 25 de Abril em Famalicão

Celebrações de amanhã, quinta-feira, têm início às 10h. Na parte da tarde há um concerto de jazz nos Paços no Concelho.

Polícia Judiciária outra vez na Câmara de Famalicão para investigar viagens pagas a autarcas

O ex-autarca Paulo Cunha é um dos visados num caso de suspeitas de corrupção que envolve viagens à sede da Microsoft nos EUA. Câmara de Famalicão confirma investigações.

Feira apresenta aos alunos oferta formativa do ensino secundário

Evento destinado aos alunos do 9º ano foi realizado no CIIES, em Vale São Cosme.

Caminhos da Liberdade em Vila Nova de Famalicão

Locais onde se fez resistência à Ditadura Salazarista

Cerca de uma dezenas de Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) de Vila Nova de Famalicão fizeram-se representar numa reunião com o Presidente da República realizada no passado dia 24 de janeiro, em Lisboa.

Jorge Faria, presidente da direção da Associação de Moradores das Lameiras, e Manuel Luís Oliveira, secretário da direção, são alguns dos dos dirigentes associativos famalicenses que participaram na visita ao Palácio de Belém, conduzida por Marcelo Rebelo de Sousa, e também ao Museu Nacional dos Coches.

A reunião com o Presidente da República foi realizada por solicitação da União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social (UDIPSS) de Braga, que apresentou ao presidente da República as preocupações das IPPS da região com a sustentabilidade financeira por causa do aumento generalizado dos custos e, em especial, a subida do salário mínimo nacional.

“Não estamos contra o aumento do salário mínimo, mas representa mais 11% na despesa face a 2023”, explica o padre José Antunes, presidente da UDIPSS, salientando que essa subida “não é compensada pelo aumento das comparticipações sociais que vão entre os 6 e os 9%”.

Comentários