12.5 C
Vila Nova de Famalicão
Quinta-feira, 25 Fevereiro 2021
Partilhar
  • 81
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    81
    Shares

Escola Cior desmantela salas de informática e leva computadores a casa dos alunos

“Ninguém pode ficar para trás”, explica José Paiva, diretor pedagógico da Cior, justificando a iniciativa como uma “questão de consciência educativa, cívica e de responsabilidade social”.

2 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Famalicão. Obras limitam o trânsito na zona da Estação a partir de segunda-feira

Trânsito condicionado na área envolvente à Rua da Estação durante cerca de três semanas.

Ex-líder do PSD Cristina Santos é candidata independente à Junta de Ribeirão

Cristina Santos, ex-líder do PSD de Ribeirão, revela ao NOTÍCIAS DE FAMALICÃO que será candidata independente à presidência da Junta. Uma candidatura contra "os interesses instalados" e "para todos os ribeirenses". É uma cisão no maior núcleo laranja do concelho de Famalicão.

Executivo municipal renova apoio anual aos Bombeiros, Cruz Vermelha e Sapadores Florestais

Primeira tranche aprovada na última reunião da Câmara Municipal. Apoio anual ronda os 500 mil euros.

Associação de Moradores das Lameiras promove ação de formação gratuita na área de emergências médicas

Estão abertas as inscrições para a ação de formação em Sistema Integrado de Emergências Médica.
Partilhar
  • 81
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    81
    Shares

Com o arranque da modalidade de ensino à distância a partir desta segunda-feira, 8 de fevereiro, como alternativa de recurso ao ensino presencial, a Escola Profissional Cior, de Vila Nova de Famalicão, procedeu ao desmantelamento de algumas salas de informática para distribuir os respetivos equipamentos informáticos pelos seus alunos mais carenciados.

A escola repete, assim, a iniciativa que realizou no passado ano letivo, durante o primeiro confinamento, quando também foi implementado o ensino à distância como medida de contenção da pandemia da covid-19.

“Ninguém pode ficar para trás”, explica José Paiva, diretor pedagógico da Escola, justificando a iniciativa da escola como uma “questão de consciência educativa, cívica e de responsabilidade social”.

“Nada pode substituir o ensino presencial, ato maior da dinâmica educativa e do processo de ensino e aprendizagem em termos vivências, metodologias, estratégias, avaliação e resultados”, salienta o diretor pedagógico da escola, acrescentando que “é necessário reforçar práticas de inclusão e de solidariedade através de todos os meios ao nosso alcance”.

A maior preocupação são os alunos mais desamparados, em situação de maior vulnerabilidade. E os tipos de vulnerabilidade são os mais diversos.

Neste contexto de ensino à distância, a Cior elaborou um manual de apoio aos alunos e encarregados de educação contendo boas práticas, conselhos, normas e recomendações no sentido de aproveitar e potenciar este momento de ensino alternativo, centrado maioritariamente nas aulas teóricas.

Em todo este “complexo e desafiante processo logístico” a Cior agradece o apoio da Câmara Municipal de Famalicão que disponibilizou ligações à Internet para os alunos carenciados indicados pela escola.

Comentários