14.4 C
Vila Nova de Famalicão
Segunda-feira, 1 Março 2021
Partilhar
  • 187
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    187
    Shares

Covid-19 mata sacerdote que lutou contra o trabalho infantil no Vale do Ave

Em Joane, muitos conheceram-no nos tempos em que dava aulas de Religião e Moral na Escola Benjamim Salgado. O padre Avelino Vieira Cardoso foi "um grande espírito humanista e de ajuda aos mais vulneráveis”, como destaca o presidente da Câmara de Guimarães, Domingos Bragança.

3 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

ACIF promove formação para desempregados

Estão abertas as inscrições abertas para o curso de Operador de Distribuição. As aulas serão realizadas em horários laboral.

Júlio Brandão, a livraria de Famalicão que o Estado Novo impediu que fosse editora

A vida da livraria Júlio Brandão foi breve e atribulada, mas intensa. Abalou o mercado livreiro português, pelo arrojo em editar livros políticos de autores marxistas e maoristas, considerados malditos pelo regime do Estado Novo. E abriu portas a jovens investigadores portugueses. Como José Pacheco Pereira.

Doze alunos de Famalicão seguem em frente no Concurso Nacional de Leitura

No total, foram apurados 12 vencedores, quatro por cada nível de ensino, que seguirão para a próxima fase do concurso.

NOTÍCIAS DE FAMALICÃO lança “Diálogos Autárquicos” em cartoon

O NOTÍCIAS DE FAMALICÃO dá mais um pequeno passo na diversificação dos seus conteúdos.
Partilhar
  • 187
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    187
    Shares

O padre Avelino Vieira Cardoso, natural do concelho de Guimarães e figura conhecida da Liga Operária Católica (LOC) na região do Vale do Ave, morreu esta segunda-feira, aos 89 anos, devido a complicações causadas pela covid-19.

O sacerdote sofria de doença prolongada e não resistiu à infeção pelo coronavírus, durante um internamento hospitalar.

Numa nota publicada na sua página oficial, a Arquidiocese de Braga informa que a missa exequial será celebrada quarta-feira, pelas 11h00, em Ronfe, freguesia de onde era natural. As cerimónias decorrerão com todas as restrições impostas pela Direção-Geral da Saúde

“O padre Avelino deixou uma marca profunda na sua freguesia natal, expressando um grande espírito humanista e de ajuda aos mais vulneráveis”, afirma o presidente da Câmara Municipal de Guimarães, Domingos Bragança, numa nota de imprensa em que apresentou “as mais sentidas condolências à família” do sacerdote.

O padre Avelino Cardoso teve um papel preponderante na criação da CNASTI. Fotografia DR

Na sua atividade cívica, o padre Avelino Cardoso revelou um papel muito especial de denúncia do trabalho infantil, nomeadamente nas mensagens que a LOC diocesana de Braga divulgou e que, em 1994, levaram à formação da Confederação Nacional para a Ação sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), que continua em atividade.

Nascido em Ronfe a 16 de setembro de 1931, Avelino Cardoso foi ordenado sacerdote a 14 de julho de 1957 e nesse mesmo ano foi nomeado prefeito do Colégio D. Diogo de Sousa, em Braga.

De 1966 a 1969 foi assistente da Ação Católica Portuguesa em França, onde, segundo observa uma nota de imprensa da Arquidiocese de Braga, “viveu importantes acontecimentos sociais que marcaram a sua personalidade de homem livre e interventor”.

Em setembro de 1970 passou a viver em Ronfe, no concelho de Guimarães, mantendo sempre uma estreita ligação com as instituições locais e da região.

No ano de 1980 fica ao serviço da Emigração em Londres e é nomeado Assistente Eclesiástico dos Organismos Operários Católicos.

Participou ainda em vários outros movimentos: MAAC – Movimento de Apostolado de Adolescentes e Crianças, PEMO – Padres em Mundo Operário e REMO – Religiosas em Mundo Operário.

Colaborou com as suas memórias no livro “25 de Abril – Guimarães Daqui Houve Resistência”, editado em 2014 com o apoio da Câmara Municipal de Guimarães.

O sacerdote Avelino Cardoso também se destacou na formação cristã e de cidadania de muitos jovens, nomeadamente como professor de Educação Moral e Religiosa, em Guimarães e, depois, em Joane, na Escola Benjamim Salgado.

“Nos últimos anos de vida, já um pouco debilitado na sua saúde, regressou à sua residência, em Ronfe, onde recebia e assistia muitos trabalhadores e suas famílias, que o procuravam constantemente”, relata uma nota de imprensa da coordenação diocesana da LOC/MTC.

Comentários