test
18 C
Vila Nova de Famalicão
Segunda-feira, 17 Junho 2024
José Carvalho
José Carvalho é famalicense, nasceu em 1972, e exerce a profissão Controller de Gestão. Os seus passatempos preferidos são a jardinagem e caminhadas.

Este mundo que pula, mas pouco avança, nas mãos destas crianças

Foi construída uma fábrica de produtos químicos junto a um conjunto de casas, a 500m de um Mosteiro classificado como Imóvel de Interesse Público e sem acessos adequados. Nessa terra não havia parques industriais?

1 min de leitura
- Publicidade -
José Carvalho
José Carvalho é famalicense, nasceu em 1972, e exerce a profissão Controller de Gestão. Os seus passatempos preferidos são a jardinagem e caminhadas.

Famalicão

Desporto ao ar livre em Famalicão em parceria com mais de 70 coletividades locais

Iniciativa decorre de 17 de junho a 12 de julho.

Tony 1 – IMI 0

O orçamento das Antoninas foi de quase um milhão de euros. Bem acima da média do que gastam os concelhos vizinhos.

Iniciativa Liberal cresce e passa a terceira força política de Famalicão

Nas eleições europeias, a Iniciativa Liberal cresceu em Famalicão, mas coordenadora local apresentou a demissão.

“Aguantamos al culpable cuando se hace el inocente
Aguantamos cada año a nuestro p— presidente”
El Aguante – Calle 13

Por cá aguentamos muita coisa.

Aguentamos a arrogância, a miopia, a vaidade e a pequenez.

Aguentamos os semáforos, que nascem como cogumelos, e que acendem o vermelho porque há sempre alguém que vai em velocidade excessiva e que, de tão rápido que vai, nem chega a ver o amarelo.

Aguentamos a poluição dos rios, os cortes rasos das nossas florestas e o barulho das motas (não há limite ao ruído para os veículos de duas rodas?).

Aguentamos o novo-rico e o velho rico. Aqueles que fazem a prosperidade desta terra distribuindo “generosos” salários mínimos e que reservam a palavra dignidade para os seus automóveis de alta cilindrada.

Por cá está tudo bem. Aguentamos e há sempre quem esteja pior do que nós.

Por exemplo, ouvi falar que num país muito distante, uma empresa de produtos químicos pretendia construir novas instalações. Uma coisa grande, alta e vistosa. Depois de muitos estudos, pareceres e análises concluiu que a melhor localização possível era junto a um conjunto de casas, daquelas com pessoas dentro, a 500m de um Mosteiro classificado como Imóvel de Interesse Público e sem acessos adequados.

E perguntei: nessa terra não havia parques industriais?

Havia sim. Mal-amanhados, é certo. Mas tinham nome e tudo. Havia o da Negra Terra, o do ehleP, Leital Pedra, Los Curre, entre outros. O Município dessa terra longínqua tinha um sítio na Internet muito bem organizado. Via-se que era gente que percebia da poda, gente moderna de visões largas e desafogadas.

E isso foi noutros tempos? Naqueles tempos em que faziam as coisas e logo se via como remediar?

Não! Isto é coisa para ter uma meia-dúzia de anos.

Pois então, a fábrica foi construída naquele sítio tão jeitoso. Vejam só, até lá passava um pequeno rio, o eleP. Que conveniente, até dava para fazer umas pequenas descargas. Mas sempre como último recurso.

Claro está, passados uns tempos chegaram à conclusão que dava jeito construir uma nova estrada. Uma coisa bem feita. Com alcatrão e pontuada com umas rotundas, coisa fina. O Presidente da Junta desse remoto território ficou todo contente, pois nada qualifica mais uma terra que estas belas obras de engenharia civil. Campos agrícolas e paisagem é coisa a que se dá pouco valor por aquelas paragens tão distantes.

 

E quem paga?

O povo, pá! Se não paga diretamente, há de pagar por troca de umas licenças de construção em terrenos rústicos. Como dizia a minha mãe: tudo se paga neste mundo.

Nota: qualquer semelhança com a nossa realidade só pode ser um delírio do redator desta crónica.

Um dia havemos de fazer contas a esta desordem. Havemos de apurar o preço à quantidade de estradas, condutas de água e saneamento, eletricidade, gás… tudo infraestruturas caríssimas e todas elas bem espalhadas pelo concelho. Toda esta malha industrial espalhada pelo território é um quebra-cabeças, sempre que temos uma descarga num dos nossos rios, nunca se sabe de onde veio. Se houvesse um pouco de ordem, tudo era mais fácil de gerir e controlar.

Citando um velho conhecido: se o podes complicar, para quê torná-lo simples.

 

___________________________________________________________

Os artigos de opinião publicados no NOTÍCIAS DE FAMALICÃO são de exclusiva responsabilidade dos seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Comentários

José Carvalho
José Carvalho é famalicense, nasceu em 1972, e exerce a profissão Controller de Gestão. Os seus passatempos preferidos são a jardinagem e caminhadas.