6.3 C
Vila Nova de Famalicão
Terça-feira, 27 Fevereiro 2024

Fértil Cultural apresentou “Herói é o Meu Nome” na Fundação Cupertino de Miranda

Programa das comemorações do centenário de nascimento de Mário Cesariny

2 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Rotary Club de Famalicão comemora o seu aniversário com a visita do governador

Clube famalicense comemora o 54 anos de existência.

MEDIUM comercializa 38 apartamentos junto ao Parque da Cidade da Póvoa de Varzim

Apartamentos deverão estar concluídos no final de 2025.

Agrupamento Terras do Ave reforça aposta na programação e robótica

Agrupamento tem escolas em 10 freguesias do concelho.

Foi com um auditório da Fundação Cupertino de Miranda muito composto que o projeto “Herói é o Meu Nome”, uma incursão pelo universo surrealista de Mário Cesariny protagonizada pela Fértil Cultural, companhia teatral sediada em Gondifelos, conheceu finalmente o palco.

No estrado e a irromper de uma obscuridade assumida, só entrecortada pela luz ténue de um candeeiro, Neusa Fangueiro (canto/declamação/manipulação de objetos) faz a génese da epifania com a recitação de “À Justa”, o primeiro dos poemas a desfilar. Atrás, num panorama visual que guia o espetador da esquerda para a direita, está situada a restante trupe: Paulo Capela (bateria), César Cardoso (baixo) e Rui Leitão (guitarra/direção musical). Todos eles, importa dizê-lo, também iluminados cada um pelo respetivo candeeiro.

Há elementos cenográficos e adereços múltiplos a povoar o espaço. Falamos de  quadros, molduras, bonecos, candeeiros e abajures, manequins desmembrados, gavetas soltas, chapéus e/ou chaleiras numa combinação bizarra a fazer jus, a compor uma  atmosfera que ajude, sem qualquer pretensiosismo, o espetador a entrar num universo surrealista através desta decoração de interiores.

Enquanto lá fora, na cidade, se inauguram as luzes natalícias e uma roda gigante, num frenesim de animação que é mobilizador das gentes do concelho e de outras paragens, lá dentro, no auditório, ouve-se a fusão instrumental da poesia de Cesariny com a música de caráter experimental, polvilhada aqui e ali com uma toada rock e até com laivos marcantes de um sonoridade a namorar o ‘jazz(y)’, bem como um pedaço de Bossa Nova.

Entre a música, o canto, a declamação, a performance, o teatro de sombras e a manipulação de objetos vão emergindo os poemas “You Are Welcome to Elsinore”, “O Poeta Chorava” e “Em Todas as Ruas te Encontro” e Cesariny, via áudio e excertos de documentários em vídeo dá também uma ajuda:  “A Antonin Artaud”, “Autografia I”, “Voz Numa Pedra” e finalmente “Navio de Espelhos”, poema simbólico com o qual termina o espetáculo-tributo, que resulta da parceria entre a Fértil Cultural e a Fundação Cupertino de Miranda.

A interpretação expressiva do elenco é também ela impressiva, pois, como se constatou, deixa uma positiva pegada no palco. A (a)testar a validade desta versão artística múltipla de linguagens, que é uma homenagem ao poeta e artista plástico, estão já na calha duas récitas programadas para o Auditório Municipal de Gaia, nos dias 9 de dezembro, sábado, às 21h30, e no dia seguinte, domingo, dia 10, também no mesmo local, às 16h30.

Comentários