Free Porn





manotobet

takbet
betcart




betboro

megapari
mahbet
betforward


1xbet
teen sex
porn
djav
best porn 2025
porn 2026
brunette banged
Ankara Escort
1xbet
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
betforward
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
deneme bonusu veren bahis siteleri
deneme bonusu
casino slot siteleri/a>
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Cialis
Cialis Fiyat
27.8 C
Vila Nova de Famalicão
Sexta-feira, 12 Julho 2024

Nesta cidade é tão difícil andar a pé

Conheça os 7 pecados capitais que infernizam a vida de um peão em Famalicão.

3 min de leitura
- Publicidade -
José Carvalho
José Carvalho é famalicense, nasceu em 1972, e exerce a profissão Controller de Gestão. Os seus passatempos preferidos são a jardinagem e caminhadas.

Famalicão

Mário Passos inaugura nova obra de arte na Praça D. Maria II

Espelho gigante assinala a nomeação de Famalicão como Região Empreendedora Europeia em 2024. É a terceira nova obra de arte instalada naquele espaço em cerca de um ano.

Presidente da República distingue Carlos Vieira de Castro como Comendador

Empresário agraciado com a Comenda da Ordem de Mérito Empresarial.

Antiga vereadora do Desporto, Juventude e Turismo morre aos 65 anos

Ana Paula Costa foi a única mulher do PS no executivo da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, em 19 anos da presidência de Agostinho Fernandes.

Famalicão celebrou 39 anos de Cidade

Sessão solene contou com uma lista de cerca de 60 homenageados.

“… necessidades básicas de um peão:
Ter acesso a uma rede pedonal, conectada e conveniente.
Uma rede que ofereça segurança…, conforto… ”
Filipe Moura Professor no Inst. Sup. Técnico e investigador e coordenador U-Shift
Em Conversas Urbanas – jornal Público

Quem vive, trabalha ou visita Famalicão percebe que a cidade está cada vez mais congestionada de automóveis. A mobilidade suave ou o transporte público estão muito longe de ser uma realidade dominante.

Andar a pé é uma opção barata e saudável. A cidade não tem grandes desníveis e é relativamente pequena, os seus limites não distam mais do que 2km. Infelizmente, para quem quer andar a pé na cidade, a vida não é fácil.

Os 7 pecados capitais que infernizam a vida de um peão:

  1. Estacionamentos no passeio;

2. Automóveis em excesso de velocidade;

3. A utilização indevida dos passeios para a circulação de trotinetes e bicicletas;

4. O estacionamento indevido junto, ou em cima, das passadeiras – a menos de 5 metros antes da passadeira é proibido estacionar, segundo o artigo 49º do Código da Estrada. É importante fazer aqui uma nota, uma criança que atravessa uma passadeira com um automóvel estacionado junto da mesma não é visível para o condutor que se aproxima.

Agora vejam a quantidade de vezes que nas zonas escolares esta situação acontece.

  1. As barreiras arquitetónicas e outros obstáculos nos passeios – para os invisuais e pessoas com mobilidade reduzida a cidade está cheia de ratoeiras e barreiras. Provavelmente, esse será “o motivo” pelo qual vemos muito poucas pessoas com essas limitações na via pública.

6. Erro ou mau planeamento das vias – por exemplo, a via partilhada por velocípedes e peões no viaduto sobre a linha do Minho. Será impossível o cruzamento simultâneo de duas bicicletas e um peão naquela via: é demasiado estreita.

7. O pecado original – uma cidade que nasceu no cruzamento de várias estradas nacionais e que a liga a 7 cidades vizinhas. No entanto, para um peão essas estradas funcionam como barreiras de muito difícil atravessamento.

Ao longo dos anos muito pouco, ou nada, foi feito para corrigir a situação.

O que temos visto é a conversão desses (antigos) troços de estradas nacionais em avenidas. Com as suas linhas retas, são um convite à velocidade excessiva incompatível com o convívio saudável entre peões e automóveis. Por outro lado, quanto mais largas são as vias, mais carros circulam. Resultado, o seu atravessamento é um “desporto radical”.

Para remediar a situação colocam-se semáforos. Por sua vez, esses semáforos não são respeitados por alguns automobilistas. Ou, quando estes são dotados de sensores de velocidade, a solução para alguns automobilistas é acelerar. O que vier atrás é que terá de parar no vermelho – veja-se o caso da Av. do Brasil (Jumbo).

Outro exemplo é a Av. 9 de Julho (estrada da Póvoa) que, para quem pretende atravessar a pé, não deixou de ser muito difícil e extremamente perigoso depois das últimas obras.

É urgente proceder a uma avaliação da obra feita e analisar as motivações que levam a maioria dos famalicenses a optar pelo automóvel nas suas deslocações diárias. É possível inverter o atual estado das coisas. Será necessária vontade, conhecimento, envolvimento da população, uma atuação efetiva das autoridades policiais e persistência para conseguir resultados.

O executivo municipal terá coragem e vontade para assumir esse compromisso?

 

________________________________________________________________________

Os artigos de opinião publicados no Notícias de Famalicão são de exclusiva responsabilidade dos seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Comentários

José Carvalho
José Carvalho é famalicense, nasceu em 1972, e exerce a profissão Controller de Gestão. Os seus passatempos preferidos são a jardinagem e caminhadas.