23.7 C
Vila Nova de Famalicão
Quarta-feira, 5 Outubro 2022
Sandra Pimenta
Residente em Ruivães, é uma defensora dos direitos humanos e ativista pelos animais e ambiente. Tornou-se vegetariana em 2005 e vegana em 2010. É porta-voz da comissão política concelhia de Famalicão do partido Pessoas Animais Natureza (PAN) e membro da comissão política distrital e nacional.

A democracia faz-se diariamente

É necessário transparência nos processos e nos projetos para que não fiquem dúvidas sobre quais os objetivos para o nosso concelho.   

3 min de leitura
- Publicidade -
Sandra Pimenta
Residente em Ruivães, é uma defensora dos direitos humanos e ativista pelos animais e ambiente. Tornou-se vegetariana em 2005 e vegana em 2010. É porta-voz da comissão política concelhia de Famalicão do partido Pessoas Animais Natureza (PAN) e membro da comissão política distrital e nacional.

Famalicão

Feira Grande de S. Miguel animou o centro da cidade

Certame dedicado às tradições famalicenses aconteceu no último fim de semana.

PAN preocupado com a qualidade das refeições escolares em Famalicão

Alergénios na sopa e a presença de dióxido de enxofre e sulfitos em algumas refeições são algumas das preocupações do PAN com as refeições nas escolas famalicenses.

GRACAFE promove 6ª Corrida Pedome / Oliveira Santa Maria

Evento terá lugar dia 22 de outubro. Além das corridas, será realizada uma caminhada solidária.

CIOR inicia ano letivo com várias dinâmicas no âmbito do programa europeu Erasmus+

Os estágios serão realizados em empresas e instituições parceiras da escola.

No início deste ano assistimos a umas eleições legislativas que deram uma maioria absoluta ao PS e temos no concelho uma maioria PSD/CDS desde há 20 anos.

Tanto no contexto nacional como no local tal resultado não pode significar livre arbítrio, a discricionariedade não pode ser entendida como um poder absoluto qualquer, que ignore os contributos dos restantes partidos políticos, associações ou dos cidadãos e cidadãs em geral.

A maioria num órgão não dá legitimidade para que os seus representantes se tornem senhores absolutos da verdade e que as suas ações não possam ser escrutinadas, questionadas, pois faz parte da democracia o direito de perguntar e o direito de obter respostas.

Neste contexto importa salientar a importância de tornar os assuntos públicos, de dar a oportunidade às pessoas de se manifestarem e ter em conta os seus contributos, mesmo quando os mesmos são contrários ao principal objetivo da ideologia do partido em funções, pois é através da discussão – saudável – e de contributos diversos, de diferentes visões, perspetivas e análises que o melhor resultado poderá ser alcançado. Pois ninguém sabe tudo!

E aqui entra o conflito! Muitos autarcas e governantes confundem a maioria com poder absoluto. O facto de um governo, executivo ou Assembleia Municipal ser maioritariamente constituída por um só partido, isso só e apenas significa que este tem a responsabilidade acrescida de responder perante os cidadãos e cidadãs, pois depende daqueles, exclusivamente, a gestão e execução das políticas que definem para o concelho ou país.

Contudo, infelizmente, o que se assiste, quase diariamente, é a uma atividade administrativa que tende a ocultar, o que parece ser deliberadamente,  decisões e projetos que terão impacto,  grave, na nossa vida. Se não, vejamos, o processo do Parque da Devesa e do CITEVE não foi a consulta pública. O projeto é desconhecido e o alegado interesse público (leia-se económico e privado) sobrepôs-se ao verdadeiro interesse público, neste caso ambiental, paisagístico, urbanístico e até à preservação de espaços verdes, estes que são tão mas tão necessários. Recentemente, foi noticiado a intenção da instalação de centrais fotovoltaicas. Será que esta questão vai a consulta pública? Ou iremos ser confrontados, uma vez mais, com um alegado interesse público? E em relação ao projeto “Unidade de execução para o Pelhe”, será que a lunática ideia de construir um campo de golfe vai avançar? E porquê só 20 dias para consulta pública? Para retirar tempo de análise do mesmo? Estas situações são pequenos exemplos daquilo que, diariamente, não se sabe.

Uma autarquia quer-se próxima dos cidadãos e cidadãs, o que se alcança com a implementação de políticas que vão muito mais além que uma simples gestão, exige-se a prestação de um serviço público diferenciado, assente numa cultura que salvaguarde, efetivamente, a boa gestão dos recursos públicos e principalmente importa, igualmente, exigir a quem nos governa, transparência. Transparência nos processos, nos projetos e que não fiquem dúvidas sobre quais os objetivos para o nosso concelho.

Recentemente ouvi uma análise muito séria e verdadeira sobre a atuação dos órgãos executivos e irei reter para sempre uma frase: “Democracia não é votar de 4 em 4 anos, a democracia faz-se diariamente.” Tão simples e tão verdadeiro!

Por isso torna-se fundamental usar todos os mecanismos e instrumentos disponíveis para a participação cívica. Desde a participação em consultas públicas, aos pedidos de esclarecimentos sobre a atuação executiva, envio de sugestões e opiniões, participação em assembleias, inquéritos ou outros, tudo é fundamental para que as maiorias não esqueçam o que é a democracia.

Mais, cabe a qualquer Governo, Câmara Municipal ou Junta de Freguesia e demais entidades públicas a responsabilidade da gestão do nosso futuro, e por isso, a nossa participação cívica, política, se reveste de importância. Agora mais que nunca com tantos desafios sociais, ambientais em mãos, cabe-nos, como membros de uma sociedade, agir já!

Comentários

Sandra Pimenta
Residente em Ruivães, é uma defensora dos direitos humanos e ativista pelos animais e ambiente. Tornou-se vegetariana em 2005 e vegana em 2010. É porta-voz da comissão política concelhia de Famalicão do partido Pessoas Animais Natureza (PAN) e membro da comissão política distrital e nacional.