12 C
Vila Nova de Famalicão
Quinta-feira, 25 Abril 2024
Sandra Pimenta
Residente em Ruivães, é uma defensora dos direitos humanos e ativista pelos animais e ambiente. Tornou-se vegetariana em 2005 e vegana em 2010. É porta-voz da comissão política concelhia de Famalicão do partido Pessoas Animais Natureza (PAN) e membro da comissão política distrital e nacional.

A ditadura aqui tão perto

Falar de liberdade é falar de acordar a consciência cívica para o facto que o nosso concelho precisa urgentemente de uma mudança.

2 min de leitura
- Publicidade -
Sandra Pimenta
Residente em Ruivães, é uma defensora dos direitos humanos e ativista pelos animais e ambiente. Tornou-se vegetariana em 2005 e vegana em 2010. É porta-voz da comissão política concelhia de Famalicão do partido Pessoas Animais Natureza (PAN) e membro da comissão política distrital e nacional.

Famalicão

Celebrações dos 50 anos do 25 de Abril em Famalicão

Celebrações de amanhã, quinta-feira, têm início às 10h. Na parte da tarde há um concerto de jazz nos Paços no Concelho.

Polícia Judiciária outra vez na Câmara de Famalicão para investigar viagens pagas a autarcas

O ex-autarca Paulo Cunha é um dos visados num caso de suspeitas de corrupção que envolve viagens à sede da Microsoft nos EUA. Câmara de Famalicão confirma investigações.

Feira apresenta aos alunos oferta formativa do ensino secundário

Evento destinado aos alunos do 9º ano foi realizado no CIIES, em Vale São Cosme.

Caminhos da Liberdade em Vila Nova de Famalicão

Locais onde se fez resistência à Ditadura Salazarista

Na semana em que se comemoraram os 49 anos sobre o dia 25 de abril de 1974, importa garantir que esta data, fundadora da nossa democracia e referencial dos valores da justiça e solidariedade, da tolerância e paz, não ficará perdida na memória de alguém.

Lembrar esta data é lembrar todos e todas que deram a vida, a sua liberdade, para que pudéssemos finalmente viver numa sociedade com liberdade. É lembrar a luta por uma sociedade plural e desenvolvida, mais justa e inclusiva, com respeito por valores fundamentais como liberdade e igualdade.

Contudo, a sociedade de hoje está, ainda, a largos passos daquilo que se almeja ser uma sociedade equitativa. Vivemos situações inaceitáveis de pobreza extrema, desigualdade e exclusão, salários baixos. Mas não só!

Falar de liberdade é falar de acordar a consciência cívica para o facto que o nosso concelho precisa urgentemente de uma mudança. Mudança essa, assente numa visão holística e transversal, eticamente referenciada e ambientalmente subordinada. Mas também urge fazer uma mudança na forma como as nossas instituições locais se relacionam com a comunidade.

Não podemos continuar a tolerar a contínua opacidade com que o executivo PSD/CDS trabalha em matérias de obras, projetos, decisões sobre destinos do nosso concelho, dificultando o acesso a informação que deveria ser pública e não obstante os inúmeros pedidos de esclarecimentos o mesmo insiste em não responder.

Veja-se o caso de Outiz em que só após queixa à Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos e esta instar a Câmara de Famalicão a ceder, é que os documentos do projeto da central fotovoltaica foram facultados ao PAN. Isto não é cumprir abril. De cada vez que se lança uma unidade de execução e apenas se permite que a consulta pública cumpra os mínimos exigidos por lei, não estamos a cumprir abril.

Quando se condiciona o acesso a uma Assembleia Municipal relegando para o fim da sessão a intervenção do público, mesmo que isso signifique ficar até às 4h da manhã ou não permitir sequer a oportunidade de intervir por força de suspensão da mesma, isto não é cumprir abril.

De cada vez que se deturpam as questões para dar as respostas politicamente corretas, e se usam malabarismos de linguagem para entreter os ouvintes, e deliberadamente não cumprir com a obrigação de resposta e transparência, não se está a cumprir abril.

A nível concelhio muito ainda há para fazer. E é nesse sentido que diariamente, e apesar da sua não representação em órgãos executivos ou deliberativos, que a Comissão Política Concelhia do PAN Famalicão tem desenvolvido o seu trabalho, na promoção e defesa das pessoas, dos animais e da natureza.

A democracia não é uma realidade garantida. A luta pela democracia faz-se todos os dias.

 

________________________________________________________________________

Os artigos de opinião publicados no Notícias de Famalicão são de exclusiva responsabilidade dos seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Comentários

Sandra Pimenta
Residente em Ruivães, é uma defensora dos direitos humanos e ativista pelos animais e ambiente. Tornou-se vegetariana em 2005 e vegana em 2010. É porta-voz da comissão política concelhia de Famalicão do partido Pessoas Animais Natureza (PAN) e membro da comissão política distrital e nacional.