14.8 C
Vila Nova de Famalicão
Sábado, 31 Julho 2021
Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

“A política do betão e do tijolo tem de ter limites”

Candidatos afirmam que ação do partido não se esgota no ambiente e nos animais e defendem também políticas de habitação, mobilidade, saúde e inclusão. Entre as propostas, a criação de um portal da transparência pública do município.

5 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Os famalicenses têm o direito à verdade e não à manipulação

Os famalicenses têm o direito de saber o que está a ser feito na cidade, como está a ser feito e porque está a ser feito. Têm direito à verdade dos factos em vez de manipulação cosmética da realidade.

Famalicense Injex entra na Câmara de Comércio Luso-Alemã

A Injex, empresa especializada na produção de componentes técnicos em plástico pelo processo de injeção para todo o tipo de máquinas, aposta na internacionalização.

Está na hora de quebrar o ciclo

Precisamos de quebrar o ciclo de políticas desadequadas aos desafios que vivemos, precisamos de um novo ciclo de políticas públicas assente numa visão ecocêntrica e sustentável – e esse momento é agora!

Continental promove inclusão social com programa de estágio e emprego

A empresa recebeu quatro pessoas com necessidades especiais para realização de um estágio no âmbito do programa de cooperação com a ACIP e o IEFP. Duas destas pessoas são hoje membros efetivos da empresa.
Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

“Não podemos continuar a aceitar os constantes atropelos ambientais de cada vez que se licencia uma obra ou não se estudam soluções que permitam a coexistência de usos entre o nosso património ambiental e a ação humana”, referiu Sandra Pimenta, líder concelhia do PAN, na apresentação da sua candidatura à presidência da Câmara Municipal de Famalicão neste domingo.

“A política do betão e do tijolo tem de ter limites”, disse a candidata, referindo-se ao abate de árvores para criar as necessárias ciclovias, quando podem perfeitamente coexistir, para reabilitar praças ou para dar lugar a estacionamento são decisões que denunciam a falta de políticas integradas e indiferentes à proteção de um bem maior: a natureza”.

Neste sentido, o partido considera fundamental a criação de um regulamento para o arvoredo urbano e para o património florestal municipal por forma a estabelecer as regras e normas relativas ao planeamento, implantação, gestão, conservação e manutenção de espécies autóctones e inverter a tendência do abate indiscriminado de árvores.

RECUPERAÇÃO DE RIOS, RIBEIRAS E RIACHOS
Uma das bandeiras anunciadas por Sandra Pimenta reside na criação de um programa de recuperação do rio Pelhe, mas também das ribeiras e riachos famalicenses, aliado à criação da figura municipal de protetores dos meios hídricos, reforçando assim a monitorização e fiscalização de descargas ilegais ou focos de poluição.

Paralelamente, o PAN Famalicão defende a implementação de uma estratégia intermunicipal para a reabilitação e recuperação do Rio Ave, através da realização de um protocolo entre os municípios que direta ou indiretamente têm competências na zona hidrográfica do Ave e dos seus afluentes.

PROVEDOR MUNICIPAL DOS ANIMAIS
Sandra Pimenta não tem dúvidas da falta de políticas e planos estruturados em matéria de bem-estar e proteção animal que tem resultado num canil sobrelotado, num crescente número de animais abandonados e condenado centenas de animais a uma vida enclausurada, defendendo que “não é construindo um canil maior que se resolve o problema.”

Para dar respostas a esta problemática, o PAN defende a criação de um pelouro denominado “Proteção, saúde e bem-estar animal” e a criação da figura do Provedor Municipal dos Animais, assim como a realização de campanhas de esterilização, a implementação efetiva dos programas CED Capturar-Esterilizar-Devolver para gatos e garantir nos Planos Municipais de Emergência de Proteção Civil equipas multidisciplinares de salvamento e resgate animal, dotando, paralelamente, as diferentes forças policiais de atuação municipal e associações zoófilas de leitores de microchip.

SAÚDE E INCLUSÃO
A ação do partido não se esgota no ambiente e nos animais, no que diz respeito às refeições e gestão das cantinas escolares, a posição do PAN é clara: a saúde começa no prato. Assim, pretende assegurar um nutricionista por agrupamento de escolas e promover sessões mensais no âmbito da educação alimentar, junto das comunidades escolares e em conjunto com as famílias, onde se incluem estratégias locais para promoção de hábitos alimentares saudáveis.

Por último, a candidata anunciou a criação de um gabinete municipal exclusivamente dedicado à inclusão e à não discriminação, garantindo respostas de tradução e interpretação em Língua Gestual Portuguesa (LGP) em todos os serviços e respostas públicas, inclusive nos serviços de saúde e nas escolas e a adesão do município à Rede de Cidades Arco-Íris, assumindo a responsabilidade no combate à discriminação das pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo (LGBTI).

PORTAL DA TRANSPARÊNCIA PÚBLICA MUNICIPAL
Emanuel Figueiredo, candidato à Assembleia Municipal, criticou a política de “ciclovias de fim de semana”, salientando que a necessidade de “ciclovias e de vias descarbonizadas que nos permitam aceder aos nossos locais de trabalho”.

Emanuel Figueiredo é o candidato do PAN à Assembleia Municipal de Famalicão. Fotografia DR/PAN

O candidato considera que “foi perdida uma excelente oportunidade de instalar no nosso troço da N14 uma ciclovia de acesso ao centro de Famalicão, onde também seria uma excelente oportunidade para arborizar o nosso concelho”. E acrescenta que é ambição do partido “a criação de ciclovias que permitam circular livremente por todo o concelho com acesso a todas as freguesias, e garantir acesso pedonal em todo o nosso concelho”.

Na sua intervenção, Emanuel Figueiredo, destacou também “a falta de transparência e auscultação da população por pa