23.5 C
Vila Nova de Famalicão
Quarta-feira, 5 Outubro 2022

“Com André Ventura na liderança, o Chega não tem o meu apoio”

Chega quer expulsar o fundador do partido em Famalicão, ex-líder da concelhia e candidato à presidência da Câmara Municipal.

3 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Feira Grande de S. Miguel animou o centro da cidade

Certame dedicado às tradições famalicenses aconteceu no último fim de semana.

PAN preocupado com a qualidade das refeições escolares em Famalicão

Alergénios na sopa e a presença de dióxido de enxofre e sulfitos em algumas refeições são algumas das preocupações do PAN com as refeições nas escolas famalicenses.

GRACAFE promove 6ª Corrida Pedome / Oliveira Santa Maria

Evento terá lugar dia 22 de outubro. Além das corridas, será realizada uma caminhada solidária.

CIOR inicia ano letivo com várias dinâmicas no âmbito do programa europeu Erasmus+

Os estágios serão realizados em empresas e instituições parceiras da escola.

Pode vir a ser expulso do Chega o fundador do núcleo do partido em Famalicão e ex-líder da concelhia. Victor Sousa, que foi candidato à presidência da Câmara de Famalicão no ano passado, é um dos três militantes “castigados” pelo partido no dia 11 de julho.

Dos três militantes suspensos no dia 11, a punição mais severa é a de Victor Sousa, que está a ser suspenso pela segunda vez. Ao ex-líder do partido em Famalicão foi atribuído o maior período de suspensão (180 dias) e é o nome que será proposto ser expulso do partido. Os outros suspensos são Vítor Lopes e Miguel Pita, ex-candidato do Chega a presidente de uma junta de freguesia no Funchal, pelo período de 30 e 90 dias respetivamente.

Três dias antes, a 8 de julho, foi suspenso Fernando Silva, o único vereador que o Chega elegeu na região Norte e que, segundo apurou o NOTÍCIAS DE FAMALICÃO, está em vias de se tornar vereador independente na Câmara Municipal de Vila Verde.

O “SISTEMA” DE ANDRÉ VENTURA

Contactado pelo NOTÍCIAS DE FAMALICÃO, Victor Sousa afirma que “suspensão nao é nada mais nada do que uma forma que o partido encontrou para afastar militantes e dirigentes que tenham algum discurso ou pensamento que não vá de acordo com o que o André Ventura e a direção nacional pensam”.

Victor Sousa diz que a sua primeira suspensão aconteceu após ter, juntamente com outros dirigentes do distrito de Braga, procurado André Ventura para “apresentar documentos e outras provas de que Filipe Melo, líder da distrital e candidato à deputado na Assembleia da República, não tinha condições de ir a eleições em nome do Chega”.

“André Ventura disse que estava orgulhoso de nós por tratarmos do assunto internamente e pediu para guardarmos segredo e não divulgar nada para a comunicação social para não prejudicar o nome do partido”, relata Victor Sousa, acrescenta que o presidente do partido disse que trataria do assunto após as eleições legislativas, “o que não aconteceu”.

O ex-líder da concelhia de Famalicão revela que não demorou a descobrir que o objetivo do Chega “é esconder a porcaria embaixo do tapete”. “Dizem que é um partido que luta contra a corrupção, mas o sistema instaurado por André Ventura é muito pior do que aquele que diz combater”.

Quanto ao novo castigo, Victor Meira refere: “Já respondi a dizer que metam um processo no conselho de jurisdição e me expulsem do partido. A comissão de ética do Chega é ilegal. Não sou eu quem diz, é o Tribunal Constitucional, que já encontrou uma imensidão de erros e ilegalidades”.

“Não sou contra o partido, pelo menos não aquele que cujos princípios me identifiquei em 2019; sou contra o que o Chega é hoje”, acrescenta o antigo líder concelhio.

DESENTENDIMENTOS E CASTIGOS NO CONCELHO, NO DISTRITO E NO PAÍS

Esses quatro nomes fazem parte de uma grande lista de militantes e dirigentes que têm sido alvo de diversas punições no partido por todo o país.

No caso de Victor Sousa, trata-se da segunda suspensão. Antes da atual suspensão por 180 dias, o ex-candidato do Chega à Câmara Municipal de Famalicão recebeu uma outra suspensão, em abril, desta vez de 90 anos. Na altura, Victor Sousa partilhou nas redes sociais a resposta à “nota de culpa coletiva” que enviou ao Presidente da Comissão de Ética sobre o castigo.

Entre outras situações apontadas por Victor Sousa, questionamento ao mandatário financeiro sobre o porquê de ainda não terem sido liquidadas faturas referentes as eleições autárquicas: “Tenham vergonha e paguem o que devem”.

Recorde-se que em fevereiro, na sequência da eleição de Filipe Melo, líder da distrital de Braga, como deputado da Assembleia da República, ocorreram demissões em bloco em diversas concelhias e na distrital, deixando o líder do partido em Braga cada vez mais isolado. [ver aqui Demissões em bloco nas concelhias e distrital do Chega em Braga].

A demissão em bloco aconteceu porque se sentiram “enganados e desiludidos” com Filipe Melo. [ver aqui Dirigentes do Chega sentem-se enganados e desiludidos com deputado eleito por Braga].

Comentários