12.4 C
Vila Nova de Famalicão
Quinta-feira, 25 Abril 2024

Polícia Judiciária investiga desvio de mais de 15 mil euros na Junta de Ruivães e Novais

Presidente da junta admite que valor poderá ser “muito mais elevado”.

2 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Celebrações dos 50 anos do 25 de Abril em Famalicão

Celebrações de amanhã, quinta-feira, têm início às 10h. Na parte da tarde há um concerto de jazz nos Paços no Concelho.

Polícia Judiciária outra vez na Câmara de Famalicão para investigar viagens pagas a autarcas

O ex-autarca Paulo Cunha é um dos visados num caso de suspeitas de corrupção que envolve viagens à sede da Microsoft nos EUA. Câmara de Famalicão confirma investigações.

Feira apresenta aos alunos oferta formativa do ensino secundário

Evento destinado aos alunos do 9º ano foi realizado no CIIES, em Vale São Cosme.

Caminhos da Liberdade em Vila Nova de Famalicão

Locais onde se fez resistência à Ditadura Salazarista

O Partido Socialista de Vila Nova de Famalicão veio a público questionar o presidente da Junta da União de Freguesias de Ruivães e Novais sobre desvio de dinheiro na junta que preside.

“Após vários meses sobre o sucedido é público que foi aplicada medida de coação à funcionária da Junta de freguesia da União de freguesias de Ruivães e Novais”, destacam os socialistas, acrescentando que “entendendo-se a gravidade da situação, aguardou-se por novos desenvolvimentos e sobretudo pelos esclarecimentos que são devidos à população, não apenas a uma pequena informação dada na última assembleia de freguesia como se não tivesse nada a ver com o assunto”.

“O silêncio político não apaga os prejuízos que possam ter ocorrido para a comunidade”, refere o PS em comunicado, destacando que “a situação é grave e exige-se o esclarecimento a todos os famalicenses e em especial à comunidade de Ruivães e Novais”.

Os socialistas consideram que Duarte Veiga, presidente da junta independente, mas eleito com o apoio da coligação PSD-CDS, “demonstra falta de humildade ao não esclarecer o que se passou de facto na Junta de Freguesia evitando assim assumir as suas responsabilidades políticas neste caso”.

“Um presidente de junta não tem conhecimento do dinheiro que entra e sai da Junta de Freguesia?”, questiona o PS, em comunicado divulgado esta segunda-feira, 29 de janeiro.

POLÍCIA JUDICIÁRIA INVESTIGA

Na sequência do comunicado divulgado pelo PS, o presidente da junta de Ruivães e Novais, em declarações à Lusa, revelou que o caso está a ser investigado pela Polícia Judiciária, como avança o jornal O Minho.

Admitindo que o valor poderá ser “muito mais elevado”, Duarte Veiga refere que está a ser feito um “levantamento exaustivo”, tendo já sido determinado o levantamento do sigilo bancário.

O autarca recusa a existência de silêncio ou cumplicidade, destacando a “total colaboração” com a investigação em curso.

Refira-se que a funcionária foi despedida em inícios de 2023, após o desvio financeiro ter sido descoberto. O caso foi reportado ao Ministério Público pela Junta de Freguesia em dezembro de 2022.

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

No comunicado enviado às redações o Partido Socialista denuncia ainda uma outra situação. De acordo com os socialistas, na Assembleia de Freguesia em que ficou decidida a desagregação entre Ruivães e Novais, o presidente da junta terá tentado “impor votos de abstenção como votos a favor da coligação que representa”.

“Em plena democracia e na defesa de toda a comunidade, aguardamos que estas dúvidas sejam esclarecidas” referem os socialistas, lançando “um repto para que estes factos sejam todos cabal e publicamente esclarecidos”.

Comentários