9 C
Vila Nova de Famalicão
Sábado, 4 Fevereiro 2023

PS diz que coligação PSD-CDS de Ribeirão “vitimiza-se com os seus próprios erros”

Socialistas criticam renúncia de Leonel Rocha, que consideram "capricho eleitoralista".

2 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Mário Passos e Eduardo Oliveira têm uma história da vida pessoal em comum

Saiba o que liga os dois políticos famalicenses.

Trabalhadores da Transdev em greve na segunda-feira

Usa transporte público rodoviário em Famalicão? Há greve marcada na Transdev

Moradores de Gondifelos protestam e lagoa de “lixo” é chumbada

Moradores entregaram à Câmara Municipal um abaixo-assinado contra a construção de uma lagoa chorume, líquido que resulta da decomposição do lixo.

Noite de Carnaval terá 12 linhas de autocarros gratuitos para o centro de Famalicão

Três horários disponíveis para ir e regressar.

“A renúncia da coligação PSD-CDS não passa de uma artimanha com objetivos meramente eleitoralistas e significa uma traição grave à confiança da população de Ribeirão”. Quem o diz é o Partido Socialista que, em comunicado, refere que “é importante que os ribeirenses tenham acesso à informação sobre o que está em causa com esta demissão”.

“O Presidente da Junta demissionário e os eleitos da velha coligação PSD-CDS querem vitimizar-se, tentando atribuir a outros a culpa dos próprios erros”, refere Eduardo Oliveira, líder da concelhia socialista.

“É papel da oposição estar atenta e vigilante. Aprovar um elevador cujo orçamento começou nos 10 mil euros, que foi alterado para 27.500 euros (quase o triplo) e que apareceu no Orçamento que a Junta apresentou na Assembleia de Freguesia com um valor duplicado para 55 mil euros seria desonrar o voto de confiança que recebemos da população de Ribeirão”, referem os socialistas em comunicado, acrescentando que “a gestão de dinheiros públicos é um assunto sério e não podemos compactuar com trapaças”.

ORÇAMENTO CHUMBADO

Recorde-se que o executivo liderado pelo ex-vereador Leonel Rocha renunciou na passada segunda-feira, dia 2 de janeiro. [ver aqui] A decisão foi tomada na sequência do chumbo da proposta de plano e orçamento para 2023 na reunião da assembleia de freguesia realizada na quinta-feira, 29 de dezembro. [ver aqui]

“Os elementos da velha coligação PSD-CDS na Junta de Freguesia de Ribeirão apresentaram à Assembleia de Freguesia o orçamento para 2023, mas enganaram-se nas contas”, explica o PS, salientando que “as forças políticas da oposição, com atitude democrática e sentido de responsabilidade, alertaram para um erro grosseiro nas despesas orçamentadas e ofereceram a possibilidade de ser convocada uma nova reunião da Assembleia de Freguesia para votação de um orçamento devidamente retificado”.

Os socialistas referem que, no entanto, “face às dúvidas, mais do que legítimas, levantadas pelas forças da oposição, os membros da coligação PSD-CDS fizeram cair a Junta, provocando a realização de eleições intercalares”.

O PS repudia a atitude do executivo e considera a renúncia um “capricho eleitoralista da velha coligação PSD-CDS escolheu vitimizar-se”.

ATRASO E AUMENTO DA DESPESA PÚBLICA

“Em vez de assumir e corrigir os próprios erros, o Presidente da Junta provocou a realização de novas eleições, criando mais instabilidade política e social na vila”, refere Eduardo Oliveira, acrescentando que “a coligação PSD-CDS que não tem consciência do aumento da despesa pública e do atraso no desenvolvimento de Ribeirão”.

Os socialistas apontam ainda outras críticas, referindo que “o presidente da Junta demissionário não respeita o Estatuto da Oposição e tem uma postura antidemocrática, querendo fazer da Junta de Freguesia de Ribeirão um trono onde quer, pode e manda sem ser questionado”.

O Partido Socialista destaca também que “está empenhado em contribuir para uma alternativa política que garanta a governabilidade da Junta de Freguesia de Ribeirão, com espírito de serviço público e transparência, tendo sempre os ribeirenses em primeiro lugar num espírito de verdadeira democracia participativa que respeite e defenda os interesses da população”.

 

Comentários