12 C
Vila Nova de Famalicão
Quinta-feira, 25 Abril 2024

Que concelho queremos? Este é o desafio!

A motivação das alterações na zona norte da cidade não é melhorar a acessibilidade ao hospital, é dar carta branca à construção desenfreada sem qualquer plano a médio prazo.

2 min de leitura
- Publicidade -
Sandra Pimenta
Residente em Ruivães, é uma defensora dos direitos humanos e ativista pelos animais e ambiente. Tornou-se vegetariana em 2005 e vegana em 2010. É porta-voz da comissão política concelhia de Famalicão do partido Pessoas Animais Natureza (PAN) e membro da comissão política distrital e nacional.

Famalicão

Celebrações dos 50 anos do 25 de Abril em Famalicão

Celebrações de amanhã, quinta-feira, têm início às 10h. Na parte da tarde há um concerto de jazz nos Paços no Concelho.

Polícia Judiciária outra vez na Câmara de Famalicão para investigar viagens pagas a autarcas

O ex-autarca Paulo Cunha é um dos visados num caso de suspeitas de corrupção que envolve viagens à sede da Microsoft nos EUA. Câmara de Famalicão confirma investigações.

Feira apresenta aos alunos oferta formativa do ensino secundário

Evento destinado aos alunos do 9º ano foi realizado no CIIES, em Vale São Cosme.

Caminhos da Liberdade em Vila Nova de Famalicão

Locais onde se fez resistência à Ditadura Salazarista

Unidade de Execução 2 da UOPG 1.1 – Área Norte da Cidade (União de Freguesias de Vila Nova de Famalicão e Calendário), um nome pomposo para dizer: a Câmara Municipal vai licenciar a construção de um hipermercado, um restaurante de fast food, e habitação.

Sob o artifício do “vamos criar estacionamento para o hospital”, sai da cartola – qual mágico de circo – uma daquelas promoções 3 em 1. A arte do marketing é muito interessante, existem técnicas que nem imaginamos, e quando percebemos já não há volta a dar – afinal aquele 3 em 1 saiu muito mais caro que o previsto.

No último mês lançou-se uma discussão pública, promoveu-se uma sessão de esclarecimentos e realizou-se uma visita ao local para se perceber o impacto de tal projeto. Que o ambiente não interessa a este executivo, já sabemos. Mas então e as pessoas? Onde está o interesse das pessoas salvaguardado?

Na opinião de muitos, na qual me incluo, esta unidade de execução não apresenta qualquer benefício significativo para o concelho de Famalicão, e muito menos para quem habita naquela zona, basta pensarmos que irão passar de um ambiente minimamente calmo para cenários de filas intermináveis, ruído, poluição, com o aumento do congestionamento automóvel, a pressão urbanística, a redução de espaços verdes, passíveis de serem aproveitados para zonas de lazer.

Alguém referiu, e bem, a possível criação de habitação para os profissionais de saúde deslocados, ou até para os estudantes de medicina. Ao que acrescento, e porque não a criação de habitação pública? Considerando as metas a cumprir no âmbito de oferta de habitação pública e/ou a preços controlados, seria fundamental esta questão presente nas decisões do executivo, aquando do deferimento de tais projetos, evitando termos famalicenses de primeira e famalicenses de segunda, que pela sua condição económica são remetidos para a periferia da cidade. O perpetuar da criação de bairros exclusivos e delimitados pela condição financeira ou status social contraria os mais básicos princípios da nossa Constituição.

A motivação desta unidade de execução não é melhorar a acessibilidade ao hospital, é dar carta branca à construção desenfreada sem qualquer plano a médio prazo. Uma vez mais, estamos perante um grave erro de decisão política, assente numa ideologia fechada e ultrapassada que não responde aos desafios climáticos, que penhora a sustentabilidade e equilíbrio que se exige a um concelho do século XXI, e que deixa de fora as respostas sociais em matéria de habitação.

 

________________________________________________________________________

Os artigos de opinião publicados no Notícias de Famalicão são de exclusiva responsabilidade dos seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Comentários

Sandra Pimenta
Residente em Ruivães, é uma defensora dos direitos humanos e ativista pelos animais e ambiente. Tornou-se vegetariana em 2005 e vegana em 2010. É porta-voz da comissão política concelhia de Famalicão do partido Pessoas Animais Natureza (PAN) e membro da comissão política distrital e nacional.