6.3 C
Vila Nova de Famalicão
Terça-feira, 27 Fevereiro 2024
Carlos Folhadela Simões
Formado em Ciências Farmacêuticas, é professor do Ensino Secundário. Cidadão atento e dirigente associativo.

Só não adiam o futuro porque é impossível!

Adiamos o aeroporto, adiamos o TGV, adiamos a ferrovia, adiamos a construção de centrais de dessalinização. Em suma, adiamos o País!

4 min de leitura
- Publicidade -
Carlos Folhadela Simões
Formado em Ciências Farmacêuticas, é professor do Ensino Secundário. Cidadão atento e dirigente associativo.

Famalicão

Rotary Club de Famalicão comemora o seu aniversário com a visita do governador

Clube famalicense comemora o 54 anos de existência.

MEDIUM comercializa 38 apartamentos junto ao Parque da Cidade da Póvoa de Varzim

Apartamentos deverão estar concluídos no final de 2025.

Agrupamento Terras do Ave reforça aposta na programação e robótica

Agrupamento tem escolas em 10 freguesias do concelho.

Fosse este um ano bissexto e estaríamos a 29 de fevereiro de 2023. A um escasso mês dos vinte cinco anos da inauguração da Ponte Vasco da Gama. À data, a maior ponte da Europa tinha, sete dias antes, recebido a megafeijoada que conquistou o prémio de maior Mesa do Mundo com 15.000 pessoas e 5.050 metros de comprimento.

Ultrapassada em cerca de 1 Km pela Ponte da Crimeia, entretanto semidestruída na guerra da Ucrânia, a Vasco da Gama, tornou-se uma infraestrutura importante na travessia do Tejo e na ligação das suas margens. Esta obra emblemática do cavaquismo, proporcionou uma maior facilidade do acesso à capital, incrementou o crescimento demográfico na margem Sul e felizmente não teve o impacto ambiental que muitos temiam.

A referência à ponte deve-se ao facto de podermos hoje, quase um quarto de século depois, podermos estar às portas da inauguração do novo aeroporto. Março de 2023 era o prazo previsto quando em 2015, o governo de Pedro Passos Coelho apontava a opção “Portela+1” como a que serviria de forma adequada o país e se vislumbrava como a solução mais realista face à situação de Portugal e dos portugueses. Nada foi feito!

Não sei, nem para tal tenho conhecimentos, para opinar sobre qual seria a melhor opção. Sei, exclusivamente, o que como utilizador me agrada quando tenho a necessidade de passar por um aeroporto: estacionamento, segurança, conforto e sobretudo boas e rápidas acessibilidades. A localização deverá ficar para os especialistas e decisores políticos. O tempo esbanjado e o dinheiro derretido nos inúmeros estudos efetuados, confirmam a indecisão e o contínuo adiar do País.

Adiamos o aeroporto, adiamos o TGV, adiamos a ferrovia, adiamos a construção de centrais de dessalinização. Em suma, adiamos o País!

Roald Dahl. Sabem quem é? Conhecem-no? É um escritor britânico, já falecido, aclamado pela crítica e com uma obra virada sobretudo para um público infantil. A editora da sua obra lançou numa nova coleção após ter revisto os seus textos. Segundo a mesma, procurou editar, cortar, alterar e acrescentar de acordo com as “sensibilidades contemporâneas”. Face às críticas e celeuma provocadas, irá também editar os originais, deixando a opção de compra ao livre-arbítrio do público.

No seguimento desta demanda, Casino Royale de Ian Fleming, autor de 007 já está na fila. E tem a provecta idade de 70 anos!

Discordo de todo, desta censura. Os autores escreveram o que escreveram. Utilizaram as palavras que bem entenderam. Contaram a história que idealizaram. Respeitemos a originalidade. Respeitemos a genialidade. Deixemo-nos do politicamente correto balofo e da pseudohigienização intelectual.

Há 100 anos e um mês, estreou-se em Lisboa, no Eden-Teatro da Praça dos Restauradores, o mais antigo filme de desenho animado sobre papel.

Um século depois, João Gonzalez poderá, com Ice Merchants, tornar a madrugada de 13 de março inesquecível para a cultura nacional. É candidato ao Óscar de Melhor Curta-Metragem de Animação. Independentemente do resultado ficará sempre como um marco da cinematografia portuguesa. Poderá o Urso de Prata, conquistado por João Canijo no Festival de Berlim, ser um bom augúrio?

No início deste ano, João Afonso Machado e David Vieira de Castro deram à estampa o livro “Famalicão através da sua Toponímia”. Livro interessante que nos permite efetuar alguns percursos citadinos e arrabaldes. Foi o que fiz percorrendo um desses percursos sugeridos. Vieram-me à memória alguns estabelecimentos e outros tempos. O antigo BPA, o Marajá, o Grilo, o Café Mário, o Cardoso da Saudade, o Stand Matos, as filhas do Tanoeiro e o velho Tanoeiro. Mas afinal ainda faltava um…o Zé das Fontes também já fechou!

Ainda em relação a 2023, gostaria de deixar aqui dois apontamentos que acredito deverão ser temas este ano.

Eva Sousa e Sofia Delgado, duas jovens engenheiras que poderão ter encontrado solução para o que de indesejável se obtém após a dessalinização da água – a salmoura.

Esta, com uma percentagem de 7% de sal, não deve ser lançada no oceano devido a essa alta concentração, a que acresce o facto de poder conter resíduos tóxicos provenientes do próprio processo de dessalinização. Para ficarem com uma ordem de grandeza, estima-se que sejam 42 milhões de metros cúbicos de salmoura todos os dias, para produzir 95 milhões de metros cúbicos de água doce. O descarte e deposição destes resíduos onera de forma significativa toda a operação.

Ora, estas jovens propõem-se conseguir obter água limpa e minerais com interesse económico a partir desse subproduto indesejável. O processo pode aumentar em 1,5 vezes a capacidade de produção de água numa central e conseguir compatibilizar com a produção de hidrogénio, poderá ser a cereja no topo do bolo.

Vetting. Não será por certo escolhida para palavra do ano. Mas deverá estar presente no léxico político do país, após as recentes e consecutivas trapalhadas.

O escrutínio atempado de todos quantos são indicados para cargos políticos, será uma lufada de ar fresco no ar bafiento que se vai respirando.

 

________________________________________________________________________

Os artigos de opinião publicados no Notícias de Famalicão são de exclusiva responsabilidade dos seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Comentários