11.2 C
Vila Nova de Famalicão
Quarta-feira, 26 Janeiro 2022

Agora vale a pena chorar: morreu Tibi, antigo guarda-redes do FC Famalicão

Vítima de doença degenerativa, Tibi, antigo guarda-redes do FC Famalicão, morreu aos 70 anos. O guardião ficou conhecido dos portugueses no FC Porto.

2 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

CDS-PP defende isenção de IRC sobre lucros reinvestidos nas empresas

Areia de Carvalho visita empresa Vieira de Castro, em Vila Nova de Famalicão.

HumanitAVE está a desenvolver projetos na Guiné-Bissau

Instituição enviou um contentor repleto de materiais angariados em diversas campanhas.

PAN aponta problemas na reabilitação do mercado municipal

Durante ação de campanha em Famalicão, partido detetou "oportunidade perdida".

Legislativas. Candidatos do PAN visitaram a escola de Gondifelos

Uma das propostas do partido é redução de alunos por turma para “melhorar as aprendizagens”.

Faleceu Tibi, antigo guarda-redes do FC Famalicão, na sua segunda passagem pelo Campeonato Nacional da I Divisão, em 1978-1979.

“O Futebol Clube de Famalicão “manifesta o mais profundo pesar pelo falecimento de Tibi, que defendeu a baliza da nossa equipa na temporada 1978/79, que marcou o regresso do clube à I Divisão”, afirma o clube famalicense numa nota de pesar publicada no site do clube, sem fotografia do atleta.

Emprestado pelo FC Porto para jogar uma temporada, o antigo guarda-redes internacional português cumpriu mais de 30 jogos com a camisola do Futebol Clube de Famalicão. No final da época a equipa famalicense voltou a cair à II Divisão (Zona Norte).

Nessa temporada de 1978-1979, o FC Famalicão fez furor na Taça de Portugal, tendo tombado somente em Alvalade, frente ao Sporting Clube de Portugal, nos quartos-de-final, perdendo por 2-0.

No FC Famalicão, Tibi teve como companheiros, entre outros, o médio Vítor Oliveira e o avançado Jacques Pereira, igualmente já falecidos.

“NÃO VALE A PENA CHORAR…”

“Está lá dentro, Tibi, não vale a pena chorar.” Quem ainda se lembra dos relatos de futebol dos anos setenta e oitenta do século passado recorda-se bem desta frase, sempre que o guarda-redes Tibi sofria um golo em jogos relatados por Gomes Amaro, um narrador português, de Celorico da Beira, que tinha sotaque brasileiro por ter ido viver para o Brasil com apenas 3 anos de idade.

Hoje, quatro décadas depois, quem conheceu Tibi, nomeadamente nas balizas do FC Famalicão e do FC Porto, chora a sua morte, aos 70 anos de idade.

Tibi, que chegou a vestir a camisola das seleções de Portugal, foi vítima de doença prolongada de natureza degenerativa, segundo informou o FC Porto.

“Faleceu, durante a manhã desta terça-feira, Tibi. O antigo guardião internacional português, que defendeu as redes portistas em mais de uma centena de ocasiões, sucumbiu a doença degenerativa aos 70 anos”, anunciaram os ‘dragões’.

Tibi, o segundo a contar da esquerda, em pé, nesta fotografia di plantel famalicense da temporada 1978-1979.

Por sua vez, o Leixões, onde Tibi fez a sua formação, assumiu estar “de luto” pelo falecimento do seu antigo guarda-redes, “vítima de doença prolongada”.

O FC Porto refere que Tibi “passou de imprescindível para Béla Guttmann a cedido por José Maria Pedroto, o treinador que promoveu a sua estreia na seleção nacional em Berna, frente à Suíça”.

Tibi, o guarda-redes do FC Famalicão na temporada primodivisionária de 1978-1979. Fotografia ARQUIVO

Tibi começou a carreira no Leixões e passou pelo FC Porto, onde fez a maior parte da sua carreira, intercalada pelos empréstimos a Varzim e Famalicão, representando ainda Águeda, Mangualde, Sporting de Espinho, Maia e Vila Nova de Foz Coa.

O guarda-redes foi duas vezes internacional por Portugal, uma pela seleção B e seis pelos sub-21.

Comentários