12.5 C
Vila Nova de Famalicão
Quinta-feira, 25 Fevereiro 2021
Partilhar
  • 70
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    70
    Shares

Biblioteca, Casa de Camilo e Teatro de Riba de Ave. São 5,5 milhões em obras na cultura

A Câmara de Famalicão regressa às grandes obras na área da Cultura. Investe 5,5 milhões na ampliação da biblioteca, no restauro da envolvente à Casa de Camilo e na recuperação do Teatro de Riba de Ave.

min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Ex-líder do PSD Cristina Santos é candidata independente à Junta de Ribeirão

Cristina Santos, ex-líder do PSD de Ribeirão, revela ao NOTÍCIAS DE FAMALICÃO que será candidata independente à presidência da Junta. Uma candidatura contra "os interesses instalados" e "para todos os ribeirenses". É uma cisão no maior núcleo laranja do concelho de Famalicão.

Executivo municipal renova apoio anual aos Bombeiros, Cruz Vermelha e Sapadores Florestais

Primeira tranche aprovada na última reunião da Câmara Municipal. Apoio anual ronda os 500 mil euros.

Associação de Moradores das Lameiras promove ação de formação gratuita na área de emergências médicas

Estão abertas as inscrições para a ação de formação em Sistema Integrado de Emergências Médica.

Famalicão vai criar Rede Municipal de Trilhos da Natureza

O projeto foi aprovado no âmbito da operação do Provere Minho Inovação, do Programa Operacional Norte 2020, e é cofinanciado em 85 por cento.
Partilhar
  • 70
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    70
    Shares

A ampliação da Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco, a renovação e restauro da envolvente à Casa-Museu de Camilo Castelo Branco e a reconstrução do Teatro Narciso Ferreira, em Riba de Ave são três obras de infraestruturas da cultura que a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão tem em curso.

As três empreitadas significam um investimento total na ordem dos 5,5 milhões de euros, sem contar com os equipamentos.

É o regresso da Câmara Municipal de Famalicão às grandes obras na área da cultura, depois de vários anos de inação. E estas três empreitadas, curiosamente, estão com anos de atraso.

NOVAS VALÊNCIAS NA BIBLIOTECA

As obras de ampliação da Biblioteca Municipal de Vila Nova de Famalicão, que deverão começar em maio deste ano, têm um prazo de execução de um ano e custam à autarquia 1,6 milhões de euros. A empreitada foi adjudicada à Costeira – Engenharia e Construção.

A biblioteca vai ganhar novos espaços, com a criação de uma sala para audiovisuais, uma sala de leitura informal para estudo de grupos, uma nova área para albergar o espólio de Eduardo Prado Coelho e a ampliação da sala de leitura e outros serviços.

As obras de ampliação serão realizadas através da construção de um prolongamento do edifício em pleno Parque de Sinçães, com ligações para circulação em vidro tratado do ponto de vista acústico e térmico.

Para além das obras de ampliação, todo o edifício, que conta 30 anos de existência, será remodelado, modernizado e adaptado às novas exigências tecnológicas.

O presidente da Câmara, Paulo Cunha, lembra que a necessidade mais urgente da obra tem a ver “com o estado de degradação do edifício que apresenta infiltrações e fissuras em diversos locais”.

Procurando adaptar o edifício às atuais necessidades do público, nesta intervenção será valorizada a receção no primeiro piso, será revista a localização do fundo local e aumentada a sala de leitura de adultos.

Além de falta de espaço, a biblioteca municipal apresenta infiltrações e fissuras em diversos locais. Fotografia DR/CMVNF

Também serão criados novos espaços de leitura de audiovisuais, de depósitos de livros, de cafetaria e de garagem, nomeadamente para o bibliomóvel, entre outros melhoramentos.

A autoria do projeto de remodelação pertence ao arquiteto João Eduardo Marta, o mesmo que projetou o edifício, no início da década de 1990. Há cerca de 10 anos, a Câmara Municipal encomendou a esse arquiteto um outro projeto de ampliação da biblioteca, que contemplava a recuparação de uma casa abandonada nas proximidades, onde na década de 1990 funcionou o gabinete municipal de arqueologia, mas a obra ficou adiada e como a autarquia não comprou a referida casa o projeto foi abandonado.

A empreitada foi adjudicada à Costeira – Engenharia e Construção, por 1,6 milhões de euros e um prazo de execução de um ano.

TEATRO REGRESSA A RIBA DE AVE

Com sede em Braga, a Costeira – Engenharia e Construção é também a empresa que está a reconstruir e reabilitar o Teatro Narciso Ferreira, em Riba de Ave, por 3,5 milhões de euros.

A recuperação do Teatro Narciso Ferreira – um espaço cultural icónico em Riba de Ave – era um projeto que também marcava passo na Câmara Municipal há mais de 10 anos.

Em setembro de 2019, Paulo Cunha entregou a obra à construtora, mas a promessa de a obra ficar concluída “no final de 2020”, como o autarca apontou, não será cumprida.

Com verbas aprovadas no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU), assinado entre a autarquia e o Programa Operacional Norte 2020, o município tem garantido um cofinanciamento europeu, no valor de 2,9 milhões de euros, comparticipando o restante.

O Teatro Narciso Ferreira é um espaço cultural icónico na vila de Riba de Ave. Fotografia DR/CMVNF

Para a presidente da Junta de Freguesia de Riba de Ave, Susana Pereira, a recuperação do teatro “é um momento simbólico que traz uma nova esperança à freguesia”.

O Teatro Narciso Ferreira foi inaugurado em 1944 e batizado em honra do empresário têxtil responsável pela construção das fábricas mais importantes de Riba de Ave no século XX.

A requalificação, projetada pelo arquiteto famalicense Noé Dinis, vai preservar os traços exteriores, desenhados pelo arquiteto portuense Manuel Amoroso Lopes, mas remodelar todo o interior.

“Trata-se de um belo exemplar da arquitetura modernista que importa manter”, referiu Noé Dinis, salientando que “a obra deverá homenagear a inovação e caráter empreendedor de Narciso Ferreira e levar a bom porto o desígnio de desenvolvimento que Riba de Ave merece”.

O Teatro Narciso Ferreira vai-se tornar num espaço multifacetado, preparado para espetáculos de teatro, de dança ou de música e para sessões de cinema e capaz de responder às necessidades da própria comunidade, mas também de albergar alguns espetáculos de âmbito mais profissional.

A sala de espetáculos apresentará uma tipologia contemporânea multifuncional, de cota única, contemplando uma bancada telescópica motorizada e um teto técnico integral praticável, características que lhe permitirão configurações cénicas variáveis, capazes de responder tanto a desafios criativos específicos quer a montagens mais tradicionais, e ainda a utilizações de carácter lúdico e de atividades do âmbito da formação e da vida comunitária.

O futuro Teatro Narciso Ferreira também terá todas as condições