11.2 C
Vila Nova de Famalicão
Quarta-feira, 26 Janeiro 2022

Empresa famalicense apresenta soluções de robótica e engenharia na maior feira industrial ibérica

Sediada na freguesia de Esmeriz, a empresa faturou seis milhões de euros no ano passado e emprega atualmente quase três dezenas de pessoas. É um dos 360 expositores presentes na 18ª Feira Internacional de Máquinas, Equipamentos e Serviços para a Indústria, que está a decorrer na Exponor.

4 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

CDS-PP defende isenção de IRC sobre lucros reinvestidos nas empresas

Areia de Carvalho visita empresa Vieira de Castro, em Vila Nova de Famalicão.

HumanitAVE está a desenvolver projetos na Guiné-Bissau

Instituição enviou um contentor repleto de materiais angariados em diversas campanhas.

PAN aponta problemas na reabilitação do mercado municipal

Durante ação de campanha em Famalicão, partido detetou "oportunidade perdida".

Legislativas. Candidatos do PAN visitaram a escola de Gondifelos

Uma das propostas do partido é redução de alunos por turma para “melhorar as aprendizagens”.

A famalicense ESI, empresa de base tecnológica especialista em soluções de engenharia para a Indústria 4.0, está a participar na 18.ª edição da EMAF – Feira Internacional de Máquinas, Equipamentos e Serviços para a Indústria. A EMAF é a maior feira industrial ibérica e decorre entre os dias 1 e 4 de dezembro, na Exponor, em Matosinhos.

A ESI surpreendeu os visitantes do primeiro dia com um robô programado para desenhar os retratos de João Vasconcelos, antigo secretário de Estado da Indústria, e do professor universitário e especialista em robótica Norberto Pires, ambos falecidos precocemente, já depois da última edição do certame, em 2018.

No próximo sábado, último dia da feira, a ESI lançará dois NFT (“token” não fungível) que reproduzirão o retrato das duas personalidades que os responsáveis da empresa famalicense entenderam homenagear no regresso do certame (que não se realizou no ano passado por causa da pandemia de Covid-19).

No stand que tem na feira, a empresa dá destaque a um sistema robótico de soldadura controlado por um software que permite que um robô seja programado offline. Trata-se de um produto da multinacional alemã Fastsuite, representada no mercado nacional pela ESI. Com recurso à panóplia alargada de soluções de gestão de que a marca dispõe, na EMAF os visitantes podem apreciar, pela primeira vez entre nós, uma situação vivida em contexto de chão de fábrica segundo o conceito virtual de “Digital Twin” (gémeo digital). Em Portugal, a empresa instalou, com assinalável êxito, uma solução destas num dos maiores fabricantes europeus de quadros de bicicletas.

Com sede e instalações na freguesia de Esmeriz, a ESI – Engenharia, Soluções e Inovação vai para o seu 15.º ano de vida. Resultou de um projeto de empreendedorismo de três engenheiros mecânicos formados na Universidade do Minho – entre os quais o Gil Sousa, administrador da empresa –, que transformaram um trabalho académico numa ‘spin-off’. No ano passado, faturou seis milhões de euros e emprega atualmente quase três dezenas de pessoas.

AUTOMAÇÃO E LOGÍSTICA

No espaço que ocupa no pavilhão 5 da Exponor, a ESI demonstra também as potencialidades da função “teaching” (ensinar), facilitadora da programação de um robô na definição de trajetórias, em ambiente de fábrica. Uma vez familiarizado com ela, o operador pode, literalmente, agarrar o robô e levá-lo a fazer a trajetória pretendida, de um ponto para outro, sem quaisquer constrangimentos. “É uma forma de programar mais rápida e intuitiva, o que torna mais fácil a formação de operadores com menos conhecimentos de programação e rentabiliza o tempo de trabalho”, salienta Gil Sousa, administrador da empresa.

Ainda na área do software, os profissionais que se deslocarem ao stand da ESI ficarão a conhecer a função “safe operation”, com a qual a velocidade de um robô reduz gradualmente à medida que o operador se aproxima da máquina. Resultado: passa a ser possível instalar robôs industriais sem proteções físicas, a trabalhar em campo aberto com pessoas, proporcionando às empresas ganhos de produtividade e velocidades de trabalho mais altas que as proporcionadas pelos robôs colaborativos.

Na área logística, a ESI mostra igualmente um AGV (acrónimo da designação inglesa de veículo guiado automaticamente) versátil e produtivo, capaz de oferecer soluções completamente customizadas ao longo do processo. Ao alcance dos visitantes está um AGV com um transportador de rolos incorporado que consegue deslocar a carga de um lado para o outro de forma automática. Uma vez no destino, a entrega da carga é também automática, assegurando todo o processo logístico sem qualquer intervenção humana.

No certame, reservado a profissionais, a ESI apresenta ao mercado português pela primeira vez a oferta da empresa norte-americana Vention, que, segundo Gil Sousa, vem “facilitar bastante” a fase de projeto e de procura de soluções estruturais, assim como de automação online.

Despercebido no espaço da empresa na maior feira industrial portuguesa não passa também o “Titan”, o maior robô dos alemães da Kuka, capaz de manipular mais de uma tonelada.

Comentários