23.5 C
Vila Nova de Famalicão
Quarta-feira, 5 Outubro 2022

Esmeriz. Imigrantes a viver num armazém industrial na freguesia

O PAN questiona Câmara de Famalicão sobre "esta e outras situações semelhantes no concelho".

2 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Feira Grande de S. Miguel animou o centro da cidade

Certame dedicado às tradições famalicenses aconteceu no último fim de semana.

PAN preocupado com a qualidade das refeições escolares em Famalicão

Alergénios na sopa e a presença de dióxido de enxofre e sulfitos em algumas refeições são algumas das preocupações do PAN com as refeições nas escolas famalicenses.

GRACAFE promove 6ª Corrida Pedome / Oliveira Santa Maria

Evento terá lugar dia 22 de outubro. Além das corridas, será realizada uma caminhada solidária.

CIOR inicia ano letivo com várias dinâmicas no âmbito do programa europeu Erasmus+

Os estágios serão realizados em empresas e instituições parceiras da escola.

A utilização de um armazém industrial como habitação para imigrantes na freguesia de Esmeriz tem sido alvo de alertas que a população tem enviado ao PAN em Famalicão. Neste sentido, o partido endereçou à Câmara Municipal um conjunto de questões referentes à legalidade da utilização deste tipo de edifícios como habitação e se o mesmo responde a condições básicas de habitabilidade.

Entre as informações solicitadas à autarquia, o PAN quer saber quantas pessoas, alegadamente, residem no edifício em questão e quantas mais situações semelhantes existem no concelho.

“A confirmar-se, este poderá ser mais um caso de ‘armazenamento’ de pessoas no concelho de Famalicão. O edifício em questão não apresenta, aparentemente, as condições mínimas para ser utilizado como habitação, sendo que já não é a primeira vez que alertamos para este tipo de situação”, refere Sandra Pimenta, porta-voz da concelhia, acrescentando que “é notório o aumento da população imigrante no concelho, pelo que consideramos fundamental que a Câmara Municipal acompanhe de perto estas realidades, que podem potenciar a ocorrência de casos de exploração laboral e desrespeito pelos mais elementares Direitos Humanos.”

O partido também questionou a Câmara Municipal sobre o valor mensal cobrado a estas pessoas, qual a sua situação no mercado de trabalho e que diligências têm sido providenciadas pelo executivo em relação a esta situação, considerando a pertinência da criação de uma resposta social direta e eficaz.

Comentários

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -