23.5 C
Vila Nova de Famalicão
Quarta-feira, 5 Outubro 2022

População idosa é a única a aumentar em Famalicão

Em 10 anos a quantidade de pessoas com 65 ou mais anos a viver em Famalicão cresceu 42,5%. A pensar no envelhecimento da população do concelho, a Casa da Memória Viva desenvolveu um “Plano Local Integrado para as Demências”.

3 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Feira Grande de S. Miguel animou o centro da cidade

Certame dedicado às tradições famalicenses aconteceu no último fim de semana.

PAN preocupado com a qualidade das refeições escolares em Famalicão

Alergénios na sopa e a presença de dióxido de enxofre e sulfitos em algumas refeições são algumas das preocupações do PAN com as refeições nas escolas famalicenses.

GRACAFE promove 6ª Corrida Pedome / Oliveira Santa Maria

Evento terá lugar dia 22 de outubro. Além das corridas, será realizada uma caminhada solidária.

CIOR inicia ano letivo com várias dinâmicas no âmbito do programa europeu Erasmus+

Os estágios serão realizados em empresas e instituições parceiras da escola.

O concelho de Vila Nova de Famalicão inverteu a pirâmide demográfica. Os resultados do último Censos realizado pelo Instituto Nacional de Estatística, revelam que do total de 133.574 pessoas a viver no concelho em 2021, 26.293 cidadãos tem idade igual ou superior a 65 anos. Aliás, esta foi a única faixa etária em que ganhou população na última década, o que significa um aumento de 42,5%.

“Aquele que era, há 20 anos, um dos concelhos mais jovens do país inverteu a pirâmide demográfica e está confrontado, hoje, com o envelhecimento da sua população”, destaca a Casa da Memória Viva.

Imagem INE

O número de famalicenses com demência é desconhecido. A Casa da Memória indagou “por várias vezes e junto de diferentes fontes” e nunca obteve resposta.

“Saber quantos e quem são, onde, como e com quem vivem e, sobretudo, do que precisam os famalicenses com demência” é um levantamento “absolutamente imprescindível”, destaca a Associação, salientando que “só através desse estudo se poderá articular uma resposta integrada a um problema com múltiplas dimensões”.

Enquanto esses dados não existem, a Associação faz uma extrapolação através dos dados da Organização Mundial de Saúde, que estima que mais de 55 milhões de pessoas (8,1% das mulheres e 5,4% dos homens com mais de 65 anos) vivem com demência atualmente.

“Adaptando à realidade famalicense, somos levados a considerar, pois, que cerca de 935 concidadãos nossos padecem de uma doença do foro cognitivo, que lhes condiciona fortemente a vida”, refere Carlos de Sousa, presidente da Casa da Memória Viva.

CASA DA MEMÓRIA VIVA DESENVOLVEU UM PLANO LOCAL PARA DEMÊNCIAS

Com o intuito de ajudar as pessoas levam a vida fortemente condicionada pela demência, a Casa da Memória Viva desenvolveu um “Plano Local Integrado para as Demências” e solicitou uma audiência com o presidente da Câmara Municipal.

A proposta foi apresentada a Mário Passos no passado dia 1 de junho, no âmbito da auscultação da comunidade à elaboração do Plano Estratégico do Município 2022-2030.

A Casa da Memória Viva entende que, à escala do concelho de Vila Nova de Famalicão, e apesar dos “sinais muitos positivos e incentivadores” que chegam de Riba de Ave, com o Centro de Investigação, Diagnóstico, Formação e Acompanhamento de Demências da Santa Casa da Misericórdia, “é altura de os autarcas, as instituições do terceiro sector, as empresas e a rede de respostas sociais implantada no território priorizarem os nossos concidadãos com demência e os seus cuidadores e familiares”.

Além do diagnóstico e acompanhamento em unidades de saúde, entre as principais linhas de ação propostas no “Plano Local Integrado para as Demências” estão a formação e capacitação de cuidadores informais de pessoas com demência, envolver as farmácias e os farmacêuticos “que são aqueles quem reconhecem mais facilmente as pessoas com demência e melhor conhecem os respetivos cuidadores e familiares”, e a criação de uma bolsa gratuita de cuidadores. Proporcionar espaço público e interação social é outro dos pontos em destaque, uma vez que o isolamento e a solidão são dois dos maiores inimigos da pessoa com demência.

Refira-se que em setembro assinala-se o Mês e o Dia (21) Mundial da Pessoa com Doença de Alzheimer. A data é dedicada à consciencialização para a situação e os impactos do tipo mais frequente de demência: a doença de Alzheimer, que afeta 55 milhões de pessoas em todo o mundo.

No próximo sábado, dia 24, a Casa da Memória Viva promove caminhada para lembrar a pessoa com Doença de Alzheimer. Além da dignificação e bem-estar das pessoas com perdas cognitivas, a Casa da Memória Viva visa também a salvaguarda, preservação, divulgação e engrandecimento do património cultural imaterial de Vila Nova de Famalicão.

Comentários

- Publicidade -