11.2 C
Vila Nova de Famalicão
Quarta-feira, 26 Janeiro 2022
Sandra Pimenta
Residente em Ruivães, é uma defensora dos direitos humanos e ativista pelos animais e ambiente. Tornou-se vegetariana em 2005 e vegana em 2010. É porta-voz da comissão política concelhia de Famalicão do partido Pessoas Animais Natureza (PAN) e tesoureira da comissão política distrital de Braga.

As escolhas que nos definem

Há muitos anos que a comunidade científica alerta para aquilo que ninguém quer ouvir. Enquanto continuarmos a interferir com os habitats de outros seres vivos, novas pandemias irão surgir, novas doenças, mais ou menos fáceis de controlar, irão colocar-se como desafios à sociedade. 

2 min de leitura
- Publicidade -
Sandra Pimenta
Residente em Ruivães, é uma defensora dos direitos humanos e ativista pelos animais e ambiente. Tornou-se vegetariana em 2005 e vegana em 2010. É porta-voz da comissão política concelhia de Famalicão do partido Pessoas Animais Natureza (PAN) e tesoureira da comissão política distrital de Braga.

Famalicão

CDS-PP defende isenção de IRC sobre lucros reinvestidos nas empresas

Areia de Carvalho visita empresa Vieira de Castro, em Vila Nova de Famalicão.

HumanitAVE está a desenvolver projetos na Guiné-Bissau

Instituição enviou um contentor repleto de materiais angariados em diversas campanhas.

PAN aponta problemas na reabilitação do mercado municipal

Durante ação de campanha em Famalicão, partido detetou "oportunidade perdida".

Legislativas. Candidatos do PAN visitaram a escola de Gondifelos

Uma das propostas do partido é redução de alunos por turma para “melhorar as aprendizagens”.

Aproxima-se o fim de um ano e o início de outro e, apesar de alguma evolução positiva, fica uma sensação de déjà-vu em relação a 2020. Afinal o que (não) aprendemos com a Covid-19?

Durante praticamente 2 anos saltitamos entre põe a máscara, tira a máscara, desinfeta tudo, desinfeta nada. De 2 metros de distância passamos a estar ombro com ombro. Afinal, não aprendemos ainda que a máscara é para manter e que desinfetar espaços é essencial para diminuir o risco de transmissão deste vírus que teima em não nos abandonar.

São universidades que insistem em manter aulas 100% presenciais, negando a possibilidade de quem não quer estar exposto ao risco de contaminação de assistir online, ao invés de manter o regime híbrido na lecionação. Salas não arejadas, não desinfetadas, com mais de 100 alunos e alunas a partilharem o espaço.

Enquanto se emanam orientações para todos e mais alguns, a autonomia do ensino superior parece passar entre os pingos da necessidade de se adaptar à nova realidade. E esta é a nossa realidade. Temos novos cenários de vida e enquanto nos negarmos a aceitar isso, continuaremos a ter confinamentos atrás de confinamentos.

O choque “ocidental” perante novas variantes, não fosse a gravidade da situação, daria para soltar rasgados risos. Continuamos a assistir indiferentes perante as graves carências em países como o Sudão e a Etiópia e, enquanto isso, debatemo-nos com o ranking da “Liga dos Vacinados”, como se o primeiro lugar tivesse algum valor perante a calamidade nos países mais pobres. E de que adianta vacinar 100% um país, se em tantos outros não existem os cuidados mais básicos de saúde? Iremos fechar fronteiras e viver isolados do mundo? 

Há 2 anos que falamos da Covid-19. Há muitos mais que a comunidade científica alerta para aquilo que ninguém quer ouvir. Enquanto continuarmos a interferir com os habitats de todos os outros seres vivos, de todos os ecossistemas, novas pandemias irão surgir, novas doenças, mais ou menos fáceis de controlar, irão colocar-se como desafios à sociedade. 

Se é certo que são as nossas escolhas que nos definem, é igualmente certo que não existem motivos de orgulho na escolha de deixar para trás quem mais precisa. 

Comentários

Sandra Pimenta
Residente em Ruivães, é uma defensora dos direitos humanos e ativista pelos animais e ambiente. Tornou-se vegetariana em 2005 e vegana em 2010. É porta-voz da comissão política concelhia de Famalicão do partido Pessoas Animais Natureza (PAN) e tesoureira da comissão política distrital de Braga.