12.4 C
Vila Nova de Famalicão
Quinta-feira, 25 Abril 2024
Vera Carvalho
Estudou Línguas e Literaturas Europeias. Mestre em Espanhol como Língua Segunda e Língua Estrangeira pela Universidade do Minho. Tem dois livros publicados: Eterno Inferno (2019) e Nostalgia Inquietante (2021). Também participou em antologias poéticas: Sentidos Despertos (2020) e A poesia dos dois lados do Atlântico (2021). Atualmente está a trabalhar como professora de inglês e espanhol.

O motor da vida

O amor é o motor da vida. A alavanca do coração. E a revolução que precisamos para nos encontrarmos onde nos perdemos.

3 min de leitura
- Publicidade -
Vera Carvalho
Estudou Línguas e Literaturas Europeias. Mestre em Espanhol como Língua Segunda e Língua Estrangeira pela Universidade do Minho. Tem dois livros publicados: Eterno Inferno (2019) e Nostalgia Inquietante (2021). Também participou em antologias poéticas: Sentidos Despertos (2020) e A poesia dos dois lados do Atlântico (2021). Atualmente está a trabalhar como professora de inglês e espanhol.

Famalicão

Celebrações dos 50 anos do 25 de Abril em Famalicão

Celebrações de amanhã, quinta-feira, têm início às 10h. Na parte da tarde há um concerto de jazz nos Paços no Concelho.

Polícia Judiciária outra vez na Câmara de Famalicão para investigar viagens pagas a autarcas

O ex-autarca Paulo Cunha é um dos visados num caso de suspeitas de corrupção que envolve viagens à sede da Microsoft nos EUA. Câmara de Famalicão confirma investigações.

Feira apresenta aos alunos oferta formativa do ensino secundário

Evento destinado aos alunos do 9º ano foi realizado no CIIES, em Vale São Cosme.

Caminhos da Liberdade em Vila Nova de Famalicão

Locais onde se fez resistência à Ditadura Salazarista

Para mim sempre foi uma enorme dificuldade saber comunicar ou expressar-me de uma forma coerente. Desde pequenina que vivo no meu particular mundo caótico. Já desde essa altura que era adepta do silêncio e da paz que advinha daí. Era aquela menina que ia à biblioteca alugar livros de 2 em 2 semanas, mas que, às vezes, em menos de uma semana conseguia terminar a leitura do livro.

Talvez o meu problema tenha sido esse mesmo: devorar a vida ao invés de apenas saborear cada um dos seus momentos. Mas mesmo assim, fui me perdendo durante horas e horas nas leituras porque esse universo literário sempre me fascinou e de algum modo, fazia-me escapar da realidade à minha volta e, às vezes, até dos meus próprios pensamentos desorganizados.

Hoje em dia, acredito que o amor cai assim na nossa vida e que por isso não o sabemos explicar, porque se trata de uma mistura louca de tanta coisa que no final, faz-nos entrar numa viagem alucinante onde só queremos descobrir mais e mais, assim como me acontecia nas minhas leituras.

Queremos devorar imediatamente o livro todo e ficamos sempre naquela ânsia de querer mais, tanto que, passa a ser pontual as idas constantes à biblioteca à busca da parte que ainda nos falta.

E foi aí que comecei a entender o que realmente amava, mesmo.

Muitas pessoas dizem que o amor é um lugar tranquilo, que dá calma e paz e onde há carinho, afeto e respeito mútuo.

Eu até concordo, em parte. O Amor é tudo isso e mais alguma coisa. É sempre difícil escrever sobre ele porque é algo relativo e dependendo de pessoa para pessoa, o que o move pode ser a coisa mais absurda ou a coisa mais bonita. Por isso talvez seja difícil o definir ou falar sobre ele em concreto, porque não se trata de uma verdade absoluta.

Acredito que se trata de se deixar levar pela sua influência, porque assim como a Poesia o Amor também está em cada canto da nossa vida.

Comecei a perceber que o Amor trata-se de um caos, mas de um caos bonito que nos acrescenta e ilumina. Que começa pela simples busca de algum livro nas prateleiras da biblioteca e que depois, levando e cuidando em nossa casa, quando damos por ela estamos a devorar cada página desse livro, porque é algo que nos emociona, cativa e que assim como um bom livro, temos essa ânsia de saber mais e de querer chegar ao fim da história para saber o que acontece. Por isso, talvez também nos cause frustração, medo e ansiedade, porque o amor não é todas essas cenas romantizadas que estamos acostumados a ler ou a ver em determinadas obras de arte.

Às vezes, a simples volta à biblioteca, com o tempo, começa a pesar, a ser rotineira e monótona, porque também nos podemos perder pelo caminho. Faz falta colocar o marcador de leitura na página que se está a ler e parar. Ficar a meio do caminho não é uma derrota e não é mau…

A vida obriga-nos, muitas das vezes, a parar para olhar para dentro de nós (e ao nosso redor) com mais clareza. O Amor não cansa. Ele só nos obriga a entender que, como tudo nesta vida, ele não é perfeito e nem sempre está tudo bem, e está tudo bem isso acontecer.

De alguma forma, quando voltamos à biblioteca iremos encontrar o que tanto queremos. Pois o Amor não bate à nossa porta e quando vem derruba paredes e muros, deixa confusão e caos, mas no meio da sua leitura faz-nos sentir confortáveis e fascinados.

O Amor é o motor da vida. A alavanca do coração. E a revolução que precisamos para nos encontrarmos onde nos perdemos.

E por vezes, é necessário parar a leitura e arejar a casa, abrir as janelas, cozinhar algo que gostamos ou até dançar e cantar bem alto ao som de qualquer música idiota. Porque o Amor esconde-se sempre no pó das prateleiras, e voltar a escolher um livro é o primeiro passo que precisamos para o encontrar.

Tenho aprendido com os anos que devemos aproveitar a inquietude das nossas constantes perguntas, uma vez que só surgirá a respetiva resposta quando estivermos preparados para a entender. Até lá temos que viver, errar e aprender. Com o tempo madurar e colher os frutos (não só os maduros, mas os podres, pois o seu sabor azedo também nos mostra como é de facto a vida).

E simplesmente não tentar entender à força toda o que existe para ser uma incógnita. Disso se trata o Amor: ter todas as perguntas e só ter uma resposta: o Amor.

Isto tudo para dizer que, hoje em dia já não alugo livros, mas continuo a voltar à biblioteca

Comentários

Vera Carvalho
Estudou Línguas e Literaturas Europeias. Mestre em Espanhol como Língua Segunda e Língua Estrangeira pela Universidade do Minho. Tem dois livros publicados: Eterno Inferno (2019) e Nostalgia Inquietante (2021). Também participou em antologias poéticas: Sentidos Despertos (2020) e A poesia dos dois lados do Atlântico (2021). Atualmente está a trabalhar como professora de inglês e espanhol.