13.6 C
Vila Nova de Famalicão
Quinta-feira, 23 Março 2023
Vera Carvalho
Estudou Línguas e Literaturas Europeias. Mestre em Espanhol como Língua Segunda e Língua Estrangeira pela Universidade do Minho. Tem dois livros publicados: Eterno Inferno (2019) e Nostalgia Inquietante (2021). Também participou em antologias poéticas: Sentidos Despertos (2020) e A poesia dos dois lados do Atlântico (2021). Atualmente está a trabalhar como professora de inglês e espanhol.

O motor da vida

O amor é o motor da vida. A alavanca do coração. E a revolução que precisamos para nos encontrarmos onde nos perdemos.

3 min de leitura
- Publicidade -
Vera Carvalho
Estudou Línguas e Literaturas Europeias. Mestre em Espanhol como Língua Segunda e Língua Estrangeira pela Universidade do Minho. Tem dois livros publicados: Eterno Inferno (2019) e Nostalgia Inquietante (2021). Também participou em antologias poéticas: Sentidos Despertos (2020) e A poesia dos dois lados do Atlântico (2021). Atualmente está a trabalhar como professora de inglês e espanhol.

Famalicão

Deputado do PSD Jorge Paulo Oliveira questiona ministro sobre a estrada Famalicão-Guimarães

O deputado destaca que trata-se de “uma via que carece de urgentes melhorias nas suas condições de circulação e de segurança”.

Orfeão Famalicense elegeu novos órgãos sociais

O Orfeão Famalicense elegeu no dia 13 de março os seus órgãos sociais para o triénio 2023/2025. Tratou-se da única lista apresentada a sufrágio,...

CDU apresenta Sara Silva como candidata à Junta de Freguesia de Ribeirão

Sara Silva apresenta-se com "disponibilidade e vontade para enfrentar e vencer o marasmo em que encontra a vila de Ribeirão".

Famalicão. PSD promove segunda edição das jornadas autárquicas

Evento será realizado no sábado à tarde, no Museu do Automóvel.

Para mim sempre foi uma enorme dificuldade saber comunicar ou expressar-me de uma forma coerente. Desde pequenina que vivo no meu particular mundo caótico. Já desde essa altura que era adepta do silêncio e da paz que advinha daí. Era aquela menina que ia à biblioteca alugar livros de 2 em 2 semanas, mas que, às vezes, em menos de uma semana conseguia terminar a leitura do livro.

Talvez o meu problema tenha sido esse mesmo: devorar a vida ao invés de apenas saborear cada um dos seus momentos. Mas mesmo assim, fui me perdendo durante horas e horas nas leituras porque esse universo literário sempre me fascinou e de algum modo, fazia-me escapar da realidade à minha volta e, às vezes, até dos meus próprios pensamentos desorganizados.

Hoje em dia, acredito que o amor cai assim na nossa vida e que por isso não o sabemos explicar, porque se trata de uma mistura louca de tanta coisa que no final, faz-nos entrar numa viagem alucinante onde só queremos descobrir mais e mais, assim como me acontecia nas minhas leituras.

Queremos devorar imediatamente o livro todo e ficamos sempre naquela ânsia de querer mais, tanto que, passa a ser pontual as idas constantes à biblioteca à busca da parte que ainda nos falta.

E foi aí que comecei a entender o que realmente amava, mesmo.

Muitas pessoas dizem que o amor é um lugar tranquilo, que dá calma e paz e onde há carinho, afeto e respeito mútuo.

Eu até concordo, em parte. O Amor é tudo isso e mais alguma coisa. É sempre difícil escrever sobre ele porque é algo relativo e dependendo de pessoa para pessoa, o que o move pode ser a coisa mais absurda ou a coisa mais bonita. Por isso talvez seja difícil o definir ou falar sobre ele em concreto, porque não se trata de uma verdade absoluta.

Acredito que se trata de se deixar levar pela sua influência, porque assim como a Poesia o Amor também está em cada canto da nossa vida.

Comecei a perceber que o Amor trata-se de um caos, mas de um caos bonito que nos acrescenta e ilumina. Que começa pela simples busca de algum livro nas prateleiras da biblioteca e que depois, levando e cuidando em nossa casa, quando damos por ela estamos a devorar cada página desse livro, porque é algo que nos emociona, cativa e que assim como um bom livro, temos essa ânsia de saber mais e de querer chegar ao fim da história para saber o que acontece. Por isso, talvez também nos cause frustração, medo e ansiedade, porque o amor não é todas essas cenas romantizadas que estamos acostumados a ler ou a ver em determinadas obras de arte.

Às vezes, a simples volta à biblioteca, com o tempo, começa a pesar, a ser rotineira e monótona, porque também nos podemos perder pelo caminho. Faz falta colocar o marcador de leitura na página que se está a ler e parar. Ficar a meio do caminho não é uma derrota e não é mau…

A vida obriga-nos, muitas das vezes, a parar para olhar para dentro de nós (e ao nosso redor) com mais clareza. O Amor não cansa. Ele só nos obriga a entender que, como tudo nesta vida, ele não é perfeito e nem sempre está tudo bem, e está tudo bem isso acontecer.

De alguma forma, quando voltamos à biblioteca iremos encontrar o que tanto queremos. Pois o Amor não bate à nossa porta e quando vem derruba paredes e muros, deixa confusão e caos, mas no meio da sua leitura faz-nos sentir confortáveis e fascinados.

O Amor é o motor da vida. A alavanca do coração. E a revolução que precisamos para nos encontrarmos onde nos perdemos.

E por vezes, é necessário parar a leitura e arejar a casa, abrir as janelas, cozinhar algo que gostamos ou até dançar e cantar bem alto ao som de qualquer música idiota. Porque o Amor esconde-se sempre no pó das prateleiras, e voltar a escolher um livro é o primeiro passo que precisamos para o encontrar.

Tenho aprendido com os anos que devemos aproveitar a inquietude das nossas constantes perguntas, uma vez que só surgirá a respetiva resposta quando estivermos preparados para a entender. Até lá temos que viver, errar e aprender. Com o tempo madurar e colher os frutos (não só os maduros, mas os podres, pois o seu sabor azedo também nos mostra como é de facto a vida).

E simplesmente não tentar entender à força toda o que existe para ser uma incógnita. Disso se trata o Amor: ter todas as perguntas e só ter uma resposta: o Amor.

Isto tudo para dizer que, hoje em dia já não alugo livros, mas continuo a voltar à biblioteca

Comentários

Vera Carvalho
Estudou Línguas e Literaturas Europeias. Mestre em Espanhol como Língua Segunda e Língua Estrangeira pela Universidade do Minho. Tem dois livros publicados: Eterno Inferno (2019) e Nostalgia Inquietante (2021). Também participou em antologias poéticas: Sentidos Despertos (2020) e A poesia dos dois lados do Atlântico (2021). Atualmente está a trabalhar como professora de inglês e espanhol.