14.4 C
Vila Nova de Famalicão
Domingo, 9 Maio 2021
Partilhar
  • 12
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    12
    Shares

Caso AstraZeneca abala confiança, mas maioria dos portugueses quer ser vacinada contra a covid-19

O caso AstraZeneca trouxe dúvidas sobre a segurança das vacinas contra a covid-19, mas apenas 5% dos inquiridos recusam serem inoculados e 10% dizem que talvez não o sejam. Num estudo com quatro países europeus, portugueses são os mais confiantes.

3 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Tabu desfeito. Paulo Cunha não é candidato e deixa Famalicão em Outubro

A decisão do autarca foi oficializada esta semana numa reunião com os vereadores da coligação PSD-CDS.

Famalicão. Grupo Eco-Trocas dá vida nova a artigos excedentes e em desuso

O grupo tem como missão incentivar o aproveitamento de recursos e contribuir para a diminuição de desperdícios.

Eduardo Oliveira e as Antoninas: “Manda a prudência que se fale claro aos famalicenses”

A Câmara de Famalicão anunciou o regresso das Antoninas. Mas estamos em estado de calamidade que impõe muitas restrições. A polémica está instalada. O líder do PS lança várias questões à Câmara Municipal. Paulo Cunha acusa-o de ser eleitoralista.

Deputada do PCP no Parlamento Europeu visita a Associação de Moradores das Lameiras

Sandra Pereira elogiou o trabalho da instituição que considera "ser uma referência nacional".
Partilhar
  • 12
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    12
    Shares

Em meados de março, foram levantadas suspeitas sobre a segurança da vacina da AstraZeneca contra a covid-19. A Agência Europeia de Medicamentos foi informada sobre 30 episódios tromboembólicos, isto é, sobre a formação de coágulos sanguíneos, em cerca de cinco milhões de indivíduos vacinados. Raros, mas potencialmente graves, estes casos levaram à suspensão temporária da vacina em vários países, entre os quais Portugal, seguindo o princípio de precaução até que fosse estabelecida, ou não, uma relação de causa-efeito.

A Agência Europeia de Medicamentos concluiu na altura que os benefícios na prevenção da hospitalização e da morte por covid-19 eram superiores aos riscos, além de não ter sido provada nenhuma relação entre tais episódios e a toma da vacina. Mas, para muitos europeus, sujeitos às declarações de alguns responsáveis políticos e a uma sobre-exploração dos casos na comunicação social, o mal estava feito, e a desconfiança alastrou-se a todas as vacinas.

Para apurar a dimensão deste mal-estar, entre 26 e 30 de março, a DECO Proteste realizou um inquérito online em Portugal, em Espanha, em Itália e na Bélgica junto da população entre os 18 e os 74 anos, sendo que, dos quatro países, o último foi o único que não suspendeu a administração da vacina da AstraZeneca. Foram obtidas 4005 respostas válidas, 1001 das quais com origem em Portugal. Os resultados espelham as opiniões e as experiências dos participantes no estudo.

A confiança na vacina da AstraZeneca ficou abalada para 63% dos portugueses. Mas não foi a única a sofrer o embate. Entre os portugueses, 41% também reportaram um impacto negativo sobre as restantes. Não significa, porém, que os portugueses recusem a vacinação. Apenas 5% estão certos da decisão e 10% hesitam, com mais probabilidade para o “não”.

Neste estudo a quatro, a total confiança nas vacinas em geral, e nas que pretendem prevenir a covid-19 em particular, é superior nos portugueses. Mesmo 55% dos que reportaram efeitos negativos em relação à confiança na vacina da AstraZeneca estão dispostos a avançar para a inoculação sem pensar duas vezes.

Já em abril, depois da recolha dos dados para o nosso estudo, a Agência Europeia de Medicamentos admitiu uma possível ligação entre a vacina da AstraZeneca e casos raros de formação de coágulos, mas sublinhou que os benefícios continuam a superar os riscos.

 

PORTUGUESES MAIS INFORMADOS ESTÃO MAIS CONFIANTES

O caso AstraZeneca tem abalado a confiança na segurança de todas as vacinas, contra a covid-19 ou não. Mas também a organização do plano de vacinação, a prestação da Agência Europeia de Medicamentos e a defesa da saúde dos cidadãos pelo Governo e pela Direção-Geral da Saúde estão debaixo de escrutínio. Cerca de três em dez inquiridos confessam que o caso AstraZeneca teve um impacto negativo na forma como avaliam cada um destes aspetos.

 

MAIORIA DOS PORTUGUESES À ESPERA DA VACINA

Apesar da comoção social, se fossem convocados para serem inoculados na próxima semana, 59% dos portugueses que ainda não a tomaram aceitariam a proposta sem reservas e mais 26%, apesar das dúvidas, provavelmente seguir-lhes-iam o exemplo. Aliás, face ao inquérito de janeiro deste ano, são agora mais 9% os que dizem querer vacinar-se. Quanto mais bem informados se afirmam os inquiridos, maior é a predisposição para receber a vacina. Por outro lado, esta vontade é também superior na faixa etária acima dos 64 anos.

Pode consultar o resultado completo do estudo aqui.

Comentários