7.9 C
Vila Nova de Famalicão
Terça-feira, 27 Fevereiro 2024
Elvira Maria Costa
Estudou Ciências Sociais, adora psicologia e escreveu um livro de poesia. Ainda não desistiu da ciência da felicidade e procura palavras ainda por inventar.

Mãe, a palavra que mais oiço e talvez a que mais pronuncio…

O amor por um filho é mais do que Camões seria capaz de relatar como fogo que arde sem se ver pois é vida para além da própria vida.

3 min de leitura
- Publicidade -
Elvira Maria Costa
Estudou Ciências Sociais, adora psicologia e escreveu um livro de poesia. Ainda não desistiu da ciência da felicidade e procura palavras ainda por inventar.

Famalicão

Rotary Club de Famalicão comemora o seu aniversário com a visita do governador

Clube famalicense comemora o 54 anos de existência.

MEDIUM comercializa 38 apartamentos junto ao Parque da Cidade da Póvoa de Varzim

Apartamentos deverão estar concluídos no final de 2025.

Agrupamento Terras do Ave reforça aposta na programação e robótica

Agrupamento tem escolas em 10 freguesias do concelho.

Mãe é quem fica.
Mãe é ser mar e abraçar a areia a cada minuto.
Mar que cria, embala, protege.
Mãe é saber ser mãe!
Não podemos medir a intensidade do coração que pulsa fora do nosso peito, da parte que hoje não está em casa mas que leva a mãe como um manto que protege do frio, pois depois de se ser mãe nunca mais estamos sós sem que algo nos falte ou acrescente.
Nada volta a ser igual.
Mãe é crescimento transformador.
É magia sem varinha de condão.
Mãe é sombra nos dias de calor e sol quando está frio.
Mãe fica apertada no escorrega quando a cria quer descer com ela,
baloiça até enjoar.
Dorme sentada com os braços carregados para que a tosse passe, para que o cheiro e o calor acalme a dor, mãe embala já com os braços adormecidos, cantarola, afaga os cabelos, come o resto dos filhos para ganhar tempo para brincar, dorme bem abraçadinha para que se aprenda a não ter medo dos trovões, do vento, da tempestade dos pequenos monstros que parecem gigantes assustadores…
Mãe fica quando o filho vai.
Mãe é teimosia que teima em ocupar todos os cantos todos os espaços vazios para que possa sempre permanecer.
Mãe é chata, persistente, insistente…
Mãe é amor, é dor, compaixão que só se conhece quando verdadeiramente se é mãe.
Falo por mim e por outras mães que descobri que o amor por um filho é mais do que Camões seria capaz de relatar como fogo que arde sem se ver pois é vida para além da própria vida.
Mãe é o papel mais difícil de desempenhar, sem livros, resumos ou enciclopédias com bonitas imagens.
Mãe está além da forma de olhar, extravasa a forma de ver, quando muitas vezes acumulamos ambos os papéis o de mãe e o papel de pai.
E dói tanto ver um filho que não tem um pai presente a cada dia da sua vida.
Dói o vazio que ele carrega e que nunca será ocupado.
Nada é mais transformador do que amar um filho e mais fortalecedor do que ser amado por uma mãe.
E porque um dia a mãe fica e o filho vai mas sempre leva tanto da sua mãe; a forma de ensinar a amar, a compaixão pelos outros, a forma de dobrar a roupa, de organizar a casa, as expressões que repete e que sente ser muito parecido com a mãe, o calor dos abraços, o brilho no olhar, a força para enfrentar cada tempestade…
Certo é que cada mãe ou pai recebe na medida do que dá e hoje dão-se tantas coisas materiais mas permitem-se filhos isolados num mundo só deles sem saberem dialogar, olhar nos olhos, abraçar, desfrutar de um belo passeio ou de risadas deitados à sombra de uma árvore enquanto são abraçados pela leve brisa que beija as suas faces.
Falta o colo, hoje falta o colo e como ele grita silenciosamente …
E sim, mãe fica mesmo depois de todos os outros já terem ido.
Mãe é um dom …
Uma dádiva…
Agradecimento…
Crescimento…
Uma prova diária de perdão e amor.
Mas afinal o que é ser mãe?

Comentários