18.4 C
Vila Nova de Famalicão
Segunda-feira, 21 Junho 2021
Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Paulo Cunha manda retirar pedras soltas da nova rotunda do estádio

Paulo Cunha mandou retirar as pedras soltas de uma obra feita no espaço público sem fiscalização camarária. Preocupado com a segurança pública, o PS diz que as obras municipais são tratadas “de forma assustadora e incompreensível".

3 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Candidato Mário Passos manipula os milhões de Bruxelas e ilude os famalicenses

A Câmara de Famalicão captou apenas 7,9% dos 354 milhões que Bruxelas aprovou para o território do concelho nos últimos 8 anos. Mas o candidato Mário Passos (PSD-CDS) manipula os números e ilude os famalicenses dizendo que todos os milhões são devidos à ação da autarquia. O NOTÍCIAS DE FAMALICÃO apurou a verdade e revela a lista oficial dos projetos municipais aprovados em Bruxelas.

Mais enfermeiros no centro de vacinação de Famalicão

24 enfermeiros reforçam equipa no centro de vacinação até ao final de julho.

Paulo Costa é o candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal

Deputado municipal concorre à presidência da Câmara. Catarina Ferraz encabeça a lista à Assembleia Municipal.

Agostinho Fernandes quer Eduardo Oliveira a “virar a página de Famalicão”

“Servir as pessoas é a verdadeira essência da política. Estou aqui para servir os famalicenses”, enfatizou Eduardo Oliveira na apresentação do mandatário e de todos os candidatos a vereadores.
Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

As pedras soltas de granito que tinham sido colocadas nas obras de reabilitação urbana na Rua de São Julião, em Calendário, junto ao Estádio Municipal de Vila Nova de Famalicão, foram retiradas por determinação da Câmara Municipal.

A obra chegou a ficar concluída, mas não tinha sido fiscalizada e só depois de o caso ter sido notícia é que a autarquia decidiu agir.

As pedras geraram polémica, sobretudo depois de o Partido Socialista de Vila Nova de Famalicão e Calendário ter vindo a público alertar para “o risco latente para a segurança pública”, dada a proximidade do estádio de futebol.

As obras em causa realizaram-se na sequência da construção de uma rotunda como elemento regulador do trânsito entre a Rua de São Julião e um novo arruamento, a poente do Estádio Municipal, que vai dar acesso ao futuro supermercado Mercadona e ligar à Avenida de França.

Entre a Casa do FC Porto e as entradas sul do Estádio Municipal de Famalicão foram criados espaços ajardinados, alternados com canteiros preenchidos com pedras de granito.

Em cima a obra feita, em 2 de abril. Em baixo a obra desfeita, em 17 de abril. Fotografias NOTÍCIAS DE FAMALICÃO

Só depois de os vereadores do PS terem levado o caso à reunião da Câmara Municipal é que o presidente da Câmara, Paulo Cunha, reagiu para revelar que se tratava de “uma obra ilegal” feita pelo “promotor imobiliário”, alegadamente à revelia da autarquia. E, na sequência, mandou retirar as pedras.

A nova rotunda já sem as pedras perigosas em 17 de abril de 2021. Fotografia NOTÍCIAS DE FAMALICÃO

Paulo Cunha, que tutela diretamente o pelouro das Obras Municipais, não tinha tomado qualquer posição até o assunto ter vindo a público no jornal NOTÍCIAS DE FAMALICÃO. Isto não obstante a obra ter demorado várias semanas a ser feita.

Aos vereadores, Paulo Cunha explicou que “a responsabilidade é da empresa titular da operação de loteamento, cujos contornos o município desconhecia por não lhe ter sido submetido o respetivo projeto”.

“LAXISMO” E “SILÊNCIO”

O Partido Socialista de Vila Nova de Famalicão e Calendário, em comunicado enviado aos jornais, lamentou a explicação do presidente da autarquia, por considerar que resume, “de forma assustadora e incompreensível, como uma obra com este relevo tendo vindo a ser tratada, descartando as suas próprias responsabilidades” e assumindo “não ter conhecimento de nada”.

As pedras foram retiradas só depois de o caso ter vindo a público. Fotografia NOTÍCIAS DE FAMALICÃO

Para o PS, há duas explicações para o sucedido: ou Paulo Cunha “está mesmo convicto do que afirma, o que revela, mais uma vez, a sua faceta de mero agente burocrático de processos que lhe são endereçados (a exemplo do sucedido com a antena na Escola D. Maria II) ou o laxismo político é de tal ordem que o atual presidente da Câmara Municipal entende não ter o dever político de ser o garante da causa pública em Vila Nova de Famalicão”.

O PS de Famalicão e Calendário destaca ainda o “silêncio” da presidente da Junta da União de Freguesias, Estela Veloso: “Devemos questionar se ainda existe motivação política para lideraram os destinos da freguesia.”

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Pedras soltas polémicas em obras da via pública à porta do Estádio de Famalicão