19.5 C
Vila Nova de Famalicão
Segunda-feira, 4 Julho 2022
- Publicidade -

AUTORIA

Dina Coelho

10 POSTS
Residente na freguesia de Bairro, é filha de pais surdos e intérprete de língua gestual portuguesa (LGP). Exerce a profissão de intérprete de LGP desde 2015, em vários contextos, mas essencialmente no âmbito educativo. É coautora do livro Por Amor e mestre em gerontologia. Atualmente pertence aos órgãos sociais da Associação de Tradutores e Intérpretes de Língua Gestual Portuguesa (ATILGP) e da Associação de Surdos de Apoio a Surdos de Matosinhos (ASASM).

Em tempos de guerra

A exposição a atos de violência, a incerteza e a falta de controlo relativa ao futuro, o desrespeito pela dignidade humana traduzem-se em possíveis ameaças à nossa saúde psicológica.

“Estamos livres das máscaras, mas continuamos a ser invisíveis”

Entrevista com Sara Serafim, 27 anos, natural de Vila Nova de Gaia e surda profunda bilateral desde o nascimento. É designer de joalharia e fundadora da sua própria marca de joalharia, a Hoyara Jewellery.

Língua gestual na música

Eles estão na televisão, na internet e nos espetáculos e trazem as canções a quem não consegue ouvir.

Celebrações eucarísticas com interpretação em Língua Gestual Portuguesa

Interpreto a eucaristia dominical desde 2016, uma vez por mês, na RTP1, e sei da importância da acessibilidade para a pessoa surda em contexto religioso. Por isso decidi dar a conhecer projetos de interpretação em Língua Gestual Portuguesa de celebrações eucarísticas. São muito interessantes e deveriam ser replicados por todo o país.

Precariedade no Ensino Superior

O estudante surdo tem direito à comunicação na sua língua, tem direito a prosseguir estudos e a participar na vida académica de forma equitativa aos demais estudantes.

15 de novembro: Dia Nacional da Língua Gestual Portuguesa

Que esta língua, a minha e para mim a mais bonita do mundo, seja efetivamente promovida e acessível a todas as pessoas surdas.

“A falta de audição não impede nada. Com esforço, tudo se faz”

Hoje quis dar-vos a conhecer um exemplo de dedicação, superação e uma inspiração para todos. Entrevista com Mariana Couto, a primeira médica surda em Portugal.

Mobilidade dos Técnicos Superiores do Ministério da Educação, um direito para todos?

Não conseguem enxergar que a vida que temos não é vida. A muitos quilómetros de casa, exaustos, com descendentes e ascendentes que precisam dos nossos cuidados.

Acessibilidade na saúde para a comunidade surda

Não podem existir barreiras linguísticas numa área tão importante como a saúde. A explicação dos sintomas, do seu historial clínico e familiar, de questões que antecedem uma cirurgia, etc., sem o acompanhamento de um intérprete fará com que existam dificuldades na expressão e na compreensão de todos estes aspetos o que poderá levar a complicações no diagnóstico, a diagnósticos errados, à administração errada de fármacos, entre outros problemas.

Filha ou intérprete?

Estava longe de imaginar, que o meu primeiro texto para a crónica mensal Entre Gestos, fosse coincidir com a fase mais difícil da minha vida como filha… uma fase que me fez perceber que me falta a coragem, que tenho medos, que tenho mil preocupações e responsabilidades, que fez com que eu tivesse a certeza de onde é o meu lugar.

Últimas Notícias

Altos voos partidários. Paulo Cunha será vice-presidente da comisão política nacional do PSD

O ex-presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, será vice-presidente de Luís Montenegro na nova comissão política nacional do PSD,...

PAN faz críticas ao regulamento do canil de Famalicão e propõe alterações

Partido enviou propostas de alteração ao projeto de regulamento do Centro de Recolha Oficial Animal de Famalicão.

Riopele lança hoje a sua primeira coleção no metaverso

Empresa reforça aposta no digital e apresenta meta-coleção no QSP Summit, na Exponor, esta quarta-feira, 29 de junho.

CDU questiona Câmara de Famalicão sobre atraso e qualidade das obras no centro da cidade

Partido quer saber quando começam as “necessárias e urgentes reparações das obras ainda em curso" e cita como exemplos pedras soltas e partidas, bem como outras situações que potenciam acidentes aos cidadãos. CDU critica ainda "desleixo" do executivo que está a ignorar “as necessidades de investimento nas freguesias”.

Trabalhadores têxteis realizaram manifestação em Famalicão

CDU apresentou na Assembleia Municipal uma moção sobre a luta dos trabalhadores do setor.
- Publicidade -