18.8 C
Vila Nova de Famalicão
Terça-feira, 9 Agosto 2022
José Carlos Fernandes Pereira
É formado em Direito, administrador hospitalar e fundador da Associação de Antigos Alunos do Externato Delfim Ferreira, de Riba de Ave. Escreve a coluna “Causas e Efeitos” no dia 6 de cada mês.

A saúde como alavanca para o desenvolvimento económico

Portugal é hoje um destino atrativo com excelentes condições para a realização de investigação clínica e de translação ou de ensaios clínicos, com elevada qualidade e grau de especialização do tecido científico.

4 min de leitura
- Publicidade -
José Carlos Fernandes Pereira
É formado em Direito, administrador hospitalar e fundador da Associação de Antigos Alunos do Externato Delfim Ferreira, de Riba de Ave. Escreve a coluna “Causas e Efeitos” no dia 6 de cada mês.

Famalicão

Município de Famalicão não respondeu ao Tribunal de Contas

O Tribunal de Contas citou o Município de Famalicão e Paulo Cunha. Apenas o ex-autarca respondeu.

Deputada do PSD com avença na Câmara de Famalicão demite-se e passa ao quadro da autarquia

Ex-deputada municipal, que foi também candidata a vereadora nas últimas eleições, responde por vários crimes e aguarda julgamento.

Câmara de Famalicão cria equipa para acompanhar alterações climáticas

Equipa tem como função o acompanhamento da política climática.

FAMAFOLK foi “um sucesso”

Quase 5000 pessoas passaram pelo festival.

Quando falamos em saúde habitualmente pensamos no bem-estar físico, psíquico e social ou ainda, quando necessário, se temos maior ou menor acesso com qualidade a um serviço nacional de saúde geral, universal e tendencialmente gratuito.

A saúde representa também um setor inovador e internacionalmente reconhecido, gerador de valor acrescentado para a economia portuguesa, com notório crescimento ao nível do número de empresas/instituições, de trabalhadores diferenciados, de volume de investimento em I&D ou de publicações.

De acordo com a AICEP, a fileira da saúde representa um volume de negócios de 30 mil milhões de euros e um valor acrescentado bruto de 9 mil milhões, envolvendo cerca de 90 mil empresas e 300 mil trabalhadores.

Esta fileira compreende uma rede de hospitais e clínicas, universidades, instituições de I&D, parques tecnológicos e incubadoras, empresas farmacêuticas e de biotecnologia, tecnologias médicas e tecnologias de informação e ainda distribuição e serviços, entre os quais o turismo médico.

Possuímos em Portugal dos melhores e mais bem formados profissionais de saúde do mundo e recursos humanos altamente qualificados

Todos os anos os nossos investigadores são reconhecidos e premiados em áreas como a neurologia, a oncologia ou as doenças degenerativas.

Portugal é hoje um destino atrativo com excelentes condições para a realização de investigação clínica e de translação ou de ensaios clínicos, com elevada qualidade e grau de especialização do tecido científico.

Tendo em vista a contribuição para a otimização do potencial clínico, científico e tecnológico de Portugal, de salientar, nesta área, a criação em 2018 da Agência de Investigação Clínica e Inovação Biomédica (AICIB), com sede no Porto e a missão de promover, coordenar e apoiar atividades nas áreas da investigação clínica e de translação (IC&T) e inovação biomédica.

O nosso país detém vários institutos de investigação e desenvolvimento como a Fundação Champalimaud (neurociências, cancro), o INL – Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (nanociência, nanomedicina e nanotecnologia), o i3S – Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (cancro, neurobiologia e doenças neurológicas), o iMM – Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes (investigação biomédica básica e investigação clínica e de translação).

A nossa indústria farmacêutica tem dado um contributo excecional para a criação de valor em Portugal. Nas últimas duas décadas tornou-se num setor estratégico e altamente competitivo, com recursos humanos qualificados e tecnologias da generalidade das formas farmacêuticas.

Na área farmacêutica, desenvolvemos medicamentos inovadores para a epilepsia e para a doença de Parkinson. Desenvolvemos ainda testes genéticos para diagnóstico de doenças raras e criámos softwares que permitem tratar melhor os doentes.

Em vista à promoção da internacionalização e da exportação, objetivada na competitividade da indústria farmacêutica de base produtiva nacional, o INFARMED, a AICEP e a APIFARMA associaram-se no projeto PharmaPortugal, uma parceria que tem como principais objetivos dar a conhecer a capacidade de inovação e investigação das farmacêuticas portuguesas.

O setor farmacêutico representa a maior fatia do volume de negócios da fileira da saúde, sendo altamente competitivo. Integrado no sistema europeu do medicamento, reconhecido pela EMA – Agência Europeia de Medicamentos e pelo FDA – Food and Drug Administration, encontra-se no 31º lugar no ranking global das empresas exportadoras a nível mundial.

Este setor assume-se como uma excelente porta de entrada na Europa para clientes estrangeiros, tendo uma elevada capacidade competitiva, em termos de qualidade, produtividade, qualificação dos recursos humanos e I&D. Utiliza também tecnologia inovadora para a generalidade das formas farmacêuticas, tem flexibilidade, uma capacidade de adaptação única para as diferentes necessidades dos parceiros mundiais e cumpre as boas práticas de fabrico de medicamento exigidas mundialmente.

A indústria farmacêutica e a comercialização de equipamentos médico-cirúrgicos exportam para 158 mercados altamente competitivos, sendo os seus principais clientes a Irlanda, Alemanha, Estados Unidos e Reino Unido. Estas exportações ascenderam em 2019 a 1.478 milhões de euros, registando entre 2015 e 2019 uma taxa média de crescimento anual de 5,4%.

 

Comentários

José Carlos Fernandes Pereira
É formado em Direito, administrador hospitalar e fundador da Associação de Antigos Alunos do Externato Delfim Ferreira, de Riba de Ave. Escreve a coluna “Causas e Efeitos” no dia 6 de cada mês.