9.8 C
Vila Nova de Famalicão
Quarta-feira, 26 Janeiro 2022
José Carlos Fernandes Pereira
É formado em Direito, administrador hospitalar e fundador da Associação de Antigos Alunos do Externato Delfim Ferreira, de Riba de Ave. Escreve a coluna “Causas e Efeitos” no dia 6 de cada mês.

A saúde como alavanca para o desenvolvimento económico

Portugal é hoje um destino atrativo com excelentes condições para a realização de investigação clínica e de translação ou de ensaios clínicos, com elevada qualidade e grau de especialização do tecido científico.

4 min de leitura
- Publicidade -
José Carlos Fernandes Pereira
É formado em Direito, administrador hospitalar e fundador da Associação de Antigos Alunos do Externato Delfim Ferreira, de Riba de Ave. Escreve a coluna “Causas e Efeitos” no dia 6 de cada mês.

Famalicão

CDS-PP defende isenção de IRC sobre lucros reinvestidos nas empresas

Areia de Carvalho visita empresa Vieira de Castro, em Vila Nova de Famalicão.

HumanitAVE está a desenvolver projetos na Guiné-Bissau

Instituição enviou um contentor repleto de materiais angariados em diversas campanhas.

PAN aponta problemas na reabilitação do mercado municipal

Durante ação de campanha em Famalicão, partido detetou "oportunidade perdida".

Legislativas. Candidatos do PAN visitaram a escola de Gondifelos

Uma das propostas do partido é redução de alunos por turma para “melhorar as aprendizagens”.

Quando falamos em saúde habitualmente pensamos no bem-estar físico, psíquico e social ou ainda, quando necessário, se temos maior ou menor acesso com qualidade a um serviço nacional de saúde geral, universal e tendencialmente gratuito.

A saúde representa também um setor inovador e internacionalmente reconhecido, gerador de valor acrescentado para a economia portuguesa, com notório crescimento ao nível do número de empresas/instituições, de trabalhadores diferenciados, de volume de investimento em I&D ou de publicações.

De acordo com a AICEP, a fileira da saúde representa um volume de negócios de 30 mil milhões de euros e um valor acrescentado bruto de 9 mil milhões, envolvendo cerca de 90 mil empresas e 300 mil trabalhadores.

Esta fileira compreende uma rede de hospitais e clínicas, universidades, instituições de I&D, parques tecnológicos e incubadoras, empresas farmacêuticas e de biotecnologia, tecnologias médicas e tecnologias de informação e ainda distribuição e serviços, entre os quais o turismo médico.

Possuímos em Portugal dos melhores e mais bem formados profissionais de saúde do mundo e recursos humanos altamente qualificados

Todos os anos os nossos investigadores são reconhecidos e premiados em áreas como a neurologia, a oncologia ou as doenças degenerativas.

Portugal é hoje um destino atrativo com excelentes condições para a realização de investigação clínica e de translação ou de ensaios clínicos, com elevada qualidade e grau de especialização do tecido científico.

Tendo em vista a contribuição para a otimização do potencial clínico, científico e tecnológico de Portugal, de salientar, nesta área, a criação em 2018 da Agência de Investigação Clínica e Inovação Biomédica (AICIB), com sede no Porto e a missão de promover, coordenar e apoiar atividades nas áreas da investigação clínica e de translação (IC&T) e inovação biomédica.

O nosso país detém vários institutos de investigação e desenvolvimento como a Fundação Champalimaud (neurociências, cancro), o INL – Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (nanociência, nanomedicina e nanotecnologia), o i3S – Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (cancro, neurobiologia e doenças neurológicas), o iMM – Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes (investigação biomédica básica e investigação clínica e de translação).

A nossa indústria farmacêutica tem dado um contributo excecional para a criação de valor em Portugal. Nas últimas duas décadas tornou-se num setor estratégico e altamente competitivo, com recursos humanos qualificados e tecnologias da generalidade das formas farmacêuticas.

Na área farmacêutica, desenvolvemos medicamentos inovadores para a epilepsia e para a doença de Parkinson. Desenvolvemos ainda testes genéticos para diagnóstico de doenças raras e criámos softwares que permitem tratar melhor os doentes.

Em vista à promoção da internacionalização e da exportação, objetivada na competitividade da indústria farmacêutica de base produtiva nacional, o INFARMED, a AICEP e a APIFARMA associaram-se no projeto PharmaPortugal, uma parceria que tem como principais objetivos dar a conhecer a capacidade de inovação e investigação das farmacêuticas portuguesas.

O setor farmacêutico representa a maior fatia do volume de negócios da fileira da saúde, sendo altamente competitivo. Integrado no sistema europeu do medicamento, reconhecido pela EMA – Agência Europeia de Medicamentos e pelo FDA – Food and Drug Administration, encontra-se no 31º lugar no ranking global das empresas exportadoras a nível mundial.

Este setor assume-se como uma excelente porta de entrada na Europa para clientes estrangeiros, tendo uma elevada capacidade competitiva, em termos de qualidade, produtividade, qualificação dos recursos humanos e I&D. Utiliza também tecnologia inovadora para a generalidade das formas farmacêuticas, tem flexibilidade, uma capacidade de adaptação única para as diferentes necessidades dos parceiros mundiais e cumpre as boas práticas de fabrico de medicamento exigidas mundialmente.

A indústria farmacêutica e a comercialização de equipamentos médico-cirúrgicos exportam para 158 mercados altamente competitivos, sendo os seus principais clientes a Irlanda, Alemanha, Estados Unidos e Reino Unido. Estas exportações ascenderam em 2019 a 1.478 milhões de euros, registando entre 2015 e 2019 uma taxa média de crescimento anual de 5,4%.

 

Comentários

José Carlos Fernandes Pereira
É formado em Direito, administrador hospitalar e fundador da Associação de Antigos Alunos do Externato Delfim Ferreira, de Riba de Ave. Escreve a coluna “Causas e Efeitos” no dia 6 de cada mês.