18.4 C
Vila Nova de Famalicão
Segunda-feira, 21 Junho 2021
Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Bloco de Esquerda denuncia irregularidades na Coindu

Os deputados entregaram na Assembleia da República documento que denuncia incumprimentos por parte da empresa e solicita intervenção da ACT e do ISS para assegurar o cumprimento da legislação laboral.

1 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Candidato Mário Passos manipula os milhões de Bruxelas e ilude os famalicenses

A Câmara de Famalicão captou apenas 7,9% dos 354 milhões que Bruxelas aprovou para o território do concelho nos últimos 8 anos. Mas o candidato Mário Passos (PSD-CDS) manipula os números e ilude os famalicenses dizendo que todos os milhões são devidos à ação da autarquia. O NOTÍCIAS DE FAMALICÃO apurou a verdade e revela a lista oficial dos projetos municipais aprovados em Bruxelas.

Mais enfermeiros no centro de vacinação de Famalicão

24 enfermeiros reforçam equipa no centro de vacinação até ao final de julho.

Paulo Costa é o candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal

Deputado municipal concorre à presidência da Câmara. Catarina Ferraz encabeça a lista à Assembleia Municipal.

Agostinho Fernandes quer Eduardo Oliveira a “virar a página de Famalicão”

“Servir as pessoas é a verdadeira essência da política. Estou aqui para servir os famalicenses”, enfatizou Eduardo Oliveira na apresentação do mandatário e de todos os candidatos a vereadores.
Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda questionou o Governo sobre irregularidades na aplicação do lay-off e não pagamento das horas noturnas na Coindu, localizada na freguesia de Joane, em Vila Nova de Famalicão.

No documento entregue na Assembleia da República, os deputados do Bloco de Esquerda eleitos pelo círculo de Braga, José Maria Cardoso e Alexandra Vieira, dizem ter conhecimento que a empresa “recorreu ao regime de lay-off para cerca de 400 trabalhadores e trabalhadoras, no entanto, as pessoas mantêm a atividade e o horário laboral e deslocam-se diariamente à empresa para cumprir o horário de trabalho completo em atividades de formação no posto de trabalho”.

Os deputados referem que “o lay-off é destinado a situações onde há redução temporária dos períodos normais de trabalho ou suspensão dos contratos de trabalho” e pedem intervenção do Instituto da Segurança Social para “corrigir esta ilegalidade”.

Trabalhadores da empresa denunciaram irregularidades, procurando ajuda para resolver a situação. Fotografia NOTÍCIAS DE FAMALICÃO

Segundo os deputados, a empresa também não estará a pagar a compensação por trabalho noturno. “Os trabalhadores do terceiro turno (22h-6h) deveriam receber um acréscimo pelas horas prestadas durante o período da noite”, afirmam os deputados, exigindo a intervenção da Autoridade para as Condições no Trabalho para “assegurar o cumprimento da legislação laboral”.

Por isso, os bloquistas querem conhecer os resultados de eventuais inspeções do ISS e da ACT e saber se o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social vai tomar medidas para garantir os direitos dos trabalhadores.

 

Comentários