23.5 C
Vila Nova de Famalicão
Quarta-feira, 5 Outubro 2022
Susana Dias
Socióloga, mestre pela Universidade do Minho, pós-graduada em Gestão e Administração em Saúde e apaixonada pela geriatria. É diretora clínica da Oldcare Famalicão.

Setembro: Mês Mundial da Doença de Alzheimer

Embora a doença de Alzheimer seja incurável, é possível tratar os sintomas.

3 min de leitura
- Publicidade -
Susana Dias
Socióloga, mestre pela Universidade do Minho, pós-graduada em Gestão e Administração em Saúde e apaixonada pela geriatria. É diretora clínica da Oldcare Famalicão.

Famalicão

Feira Grande de S. Miguel animou o centro da cidade

Certame dedicado às tradições famalicenses aconteceu no último fim de semana.

PAN preocupado com a qualidade das refeições escolares em Famalicão

Alergénios na sopa e a presença de dióxido de enxofre e sulfitos em algumas refeições são algumas das preocupações do PAN com as refeições nas escolas famalicenses.

GRACAFE promove 6ª Corrida Pedome / Oliveira Santa Maria

Evento terá lugar dia 22 de outubro. Além das corridas, será realizada uma caminhada solidária.

CIOR inicia ano letivo com várias dinâmicas no âmbito do programa europeu Erasmus+

Os estágios serão realizados em empresas e instituições parceiras da escola.

No próximo dia 21 de setembro pretende-se sublinhar, em termos mundiais, a problemática da Doença de Alzheimer. Em Portugal, estima-se que existam 194 mil pessoas com demência, das quais 60 a 80% têm Alzheimer, uma doença que afeta sobretudo os idosos.

Em Portugal haverá 145 mil doentes com Alzheimer. Cada doente custa pelo menos 5500 euros por ano. A maioria dos gastos vai para os cuidadores informais e os apoios sociais. Sendo que o diagnóstico precoce da doença e o suporte social são deficitários.

Cuidar de uma pessoa com doença de alzheimer pode tornar-se uma tarefa muito desgastante. É importante ter em consideração que as perdas cognitivas (perdas de memória, orientação espacial e temporal, linguagem, concentração, entre outras) têm impacto na maneira como a pessoa vive e se relaciona. Muitas das vezes a pessoa esquece de se vestir adequadamente, ou, até mesmo, comer.

Ao cuidar de um doente de Alzheimer, é importante que o cuidador tenha em consideração que o comportamento do doente não é intencional, mas sim uma consequência das alterações cerebrais perante a doença.

Algumas estratégias que podem ser úteis para lidar com doentes de Alzheimer:

  • Ter sempre uma atitude calma, afetuosa;
  • Estabelecer o contacto visual e ouvir atentamente;
  • Manter um ambiente calmo e sem ruídos;
  • Segurar a mão da pessoa para facilitar a comunicação;
  • Falar calmamente e utilizar frases curtas;
  • Dar tempo à pessoa para compreender o que lhe transmitiu;
  • Ouvir o que a pessoa tem para dizer mesmo que tenha repetido várias vezes.
  • Dizer previamente o que pretende fazer antes de a abordar (no caso de prestação de cuidados de higiene);
  • Inverter frases negativas, tornando-as afirmativas (substituir “Não faça isso” por “é melhor fazer assim.”);
  • Manter a pessoa segura (colocar uma pulseira de identificação; manter as portas e janelas fechadas; esconder as chaves).
  • Ajudar a pessoa na alimentação (preparar as refeições que mais gosta; explicar o que está comer; evitar falar durante a refeição para não a distrair; não contrariar o doente se ele por exemplo não quiser comer.

Existem ainda um conjunto de atitudes que nunca deverão fazer com um doente de Alzheimer:

  • Não discutir nem criticar. A pessoa não terá capacidade para perceber o que está errado e só irá agravar a situação;
  • Dar ordens à pessoa;
  • Dizer à pessoa o que não pode fazer. Em vez disso, deve dizer-se aquilo que ela pode fazer;
  • Não tocar na pessoa quando está agressiva;
  • Não mostrar medo nem ansiedade, quando a pessoa está agressiva.
  • Um tom de voz arrogante pode ser apreendido mesmo que a pessoa não compreenda as palavras, o que a poderá deixar mais perturbada;
  • Fazer perguntas que apelem à utilização da memória (já que irão causar um sentimento de maior frustração no doente);
  • Falar da pessoa que está presente como se ela não estivesse presente.
  • Mudar de assunto e incentivar a fazer algo que a pessoa gosta.

Geralmente, os momentos de agressividade são rápidos e o doente não se recorda dos acontecimentos.

Embora a doença de Alzheimer seja incurável, é possível tratar os sintomas. O tratamento pode ser feito através da medicação e diferentes tipos de terapia, no sentido de se retardar a evolução dos sintomas da demência e de controlar as alterações de comportamento associadas à doença. Além da terapia farmacológica, é recomendado fazer reabilitação cognitiva, tendo maior eficácia nos estádios iniciais da demência.

Uma palavra de apreço para todos os que se tem dedicado a cuidar de pessoas com Doença de Alzheimer, para que os portadores da doença e os familiares cuidadores tenham melhores cuidados.

Comentários

Susana Dias
Socióloga, mestre pela Universidade do Minho, pós-graduada em Gestão e Administração em Saúde e apaixonada pela geriatria. É diretora clínica da Oldcare Famalicão.