14.4 C
Vila Nova de Famalicão
Segunda-feira, 1 Março 2021
Partilhar
  • 48
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    48
    Shares
Susana Dias
Susana Dias
Socióloga, mestre pela Universidade do Minho, apaixonada pela geriatria. Atualmente dedicada à gestão e administração em saúde. É diretora clínica da Oldcare Famalicão. Escreve no dia 18 de cada mês.

Virados do avesso

Falta de planeamento e de integridade, somados ao sentimento de impunidade, explicam os casos de promiscuidade na vacinação contra a covid-19. Com a pandemia devíamos aprender mais sobre empatia e solidariedade, mas pelos vistos pode durar anos que o ser humano torna-se ainda mais egoísta.

3 min de leitura
- Publicidade -
Susana Dias
Susana Dias
Socióloga, mestre pela Universidade do Minho, apaixonada pela geriatria. Atualmente dedicada à gestão e administração em saúde. É diretora clínica da Oldcare Famalicão. Escreve no dia 18 de cada mês.

Famalicão

Com menos casos de covid-19, Famalicão tem risco “moderado” de contágio

Segundo o relatório divulgado nesta segunda-feira, dia 1 de março, pela Direção-Geral da Saúde (DGS), o número de casos de covid-19 em Vila Nova de Famalicão voltou a diminuir. O novo relatório dá conta de 230 novos casos por cem mil habitantes nos últimos 14 dias.

ACIF promove formação para desempregados

Estão abertas as inscrições abertas para o curso de Operador de Distribuição. As aulas serão realizadas em horários laboral.

Júlio Brandão, a livraria de Famalicão que o Estado Novo impediu que fosse editora

A vida da livraria Júlio Brandão foi breve e atribulada, mas intensa. Abalou o mercado livreiro português, pelo arrojo em editar livros políticos de autores marxistas e maoristas, considerados malditos pelo regime do Estado Novo. E abriu portas a jovens investigadores portugueses. Como José Pacheco Pereira.

Doze alunos de Famalicão seguem em frente no Concurso Nacional de Leitura

No total, foram apurados 12 vencedores, quatro por cada nível de ensino, que seguirão para a próxima fase do concurso.
Partilhar
  • 48
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    48
    Shares

Nos últimos tempos o sentimento de impunidade é de tal ordem, que só isso explica a promiscuidade da vacinação contra a covid-19.

Esta pandemia deveria servir para aprendermos mais sobre a humanidade, empatia, solidariedade, mas pelos vistos pode durar anos que o ser humano torna-se ainda mais egoísta, com falta de civismo.

Mas alguém acredita que agora são todos voluntários e que os ditos presidentes que exercem o cargo nas direções, nas suas horas vagas fazem cuidados de higiene, mudam as fraldas e ajudam na alimentação dos idosos?

O problema é a falta de planeamento e de integridade que existe neste país, o carater e a honra são qualidades que escasseiam. É muito simples, as listagens do pessoal a vacinar são enviadas aos serviços de cada instituição. Existindo doses sobrantes, a regra é contactar pessoas pertencentes ao mesmo grupo de prioridade vacinal e inocular-lhes a vacina. Esta vacinação de pessoas que não fazem parte dos grupos prioritários aconteceu porque não houve um planeamento, deveria ser criada uma lista de suplentes.

Porque na verdade, o que faz mais sentido é existir mais honestidade e menos compadrio. O que fazia sentido é que cada uma destas pessoas sejam destituídas dos cargos que ocupam, para que se acabe de uma vez por todas com este “chico espertismo português”, esta sensação de impunidade. Refletindo sobre tudo isto, questiono-me o porquê de muitas respostas sociais não serem incluídas nesta fase de vacinação.

Tenho dificuldades em aceitar aquilo que estamos a assistir neste momento, em que já foi bem patente a falta de planeamento, a falta de capacidade de resposta e de articulação entre o sector privado, social e o Sistema Nacional de Saúde (SNS), que ficou muito aquém daquilo que deveria ter sido feito. Porque a variante inglesa não explica tudo o que está a acontecer, as medidas não são claras ou coerentes.

A boa governação em termos de pandemia baseia-se pela capacidade de antecipação. As mesmas medidas que foram tomadas agora, se tivessem sido tomadas antes, não evitava uma segunda vaga, mas evitava o excesso de mortalidade.

A partir de momento em que assistimos a filas de ambulância ás portas dos hospitais, percebemos que batemos no fundo do poço. Os ministérios e a ARS (Administração Regional de Saúde) não funcionam atempadamente.

Existe falta de coordenação, muitos dos hospitais estão dispostos ajudar, não é má vontade de ninguém, mas sim uma falta de coordenação centralizada. Reconheço que é difícil prever todas as variáveis, mas também temos de perceber que não é só uma questão de recursos financeiros, estamos a falar de organização, capacidade de antecipação.

Sinto-me com cansaço acumulado de vários meses, triste, com uma sensação de frustração, penso que se esta gestão de epidemia tivesse sido conduzida de outra forma, estaríamos bem melhores.

Contam-se pelos dedos os fins de semana que não trabalho. Tenho sempre a preocupação de assegurar fins de semana e feriados para que possamos dar resposta a todos os cuidados e de estar sempre em contacto com toda a equipa. Não o faço só porque acrescento mais valor, não. Faço-o porque para mim o mais importante, é estar ao lado de quem trabalha.

Comentários