14.4 C
Vila Nova de Famalicão
Domingo, 9 Maio 2021
Partilhar
  • 19
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    19
    Shares

Guimarães inova na inclusão digital da população com sala de informática itinerante

Projeto inovador tem duas vertentes sociais: promove a inclusão digital da população mais vulnerável e incentiva o voluntariado jovem.

2 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Tabu desfeito. Paulo Cunha não é candidato e deixa Famalicão em Outubro

A decisão do autarca foi oficializada esta semana numa reunião com os vereadores da coligação PSD-CDS.

Famalicão. Grupo Eco-Trocas dá vida nova a artigos excedentes e em desuso

O grupo tem como missão incentivar o aproveitamento de recursos e contribuir para a diminuição de desperdícios.

Eduardo Oliveira e as Antoninas: “Manda a prudência que se fale claro aos famalicenses”

A Câmara de Famalicão anunciou o regresso das Antoninas. Mas estamos em estado de calamidade que impõe muitas restrições. A polémica está instalada. O líder do PS lança várias questões à Câmara Municipal. Paulo Cunha acusa-o de ser eleitoralista.

Deputada do PCP no Parlamento Europeu visita a Associação de Moradores das Lameiras

Sandra Pereira elogiou o trabalho da instituição que considera "ser uma referência nacional".
Partilhar
  • 19
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    19
    Shares

O município de Guimarães foi escolhido no âmbito da iniciativa Portugal Inovação Social para implementar um projeto inovador de inclusão digital que abrange todo o concelho.

O projeto, designado Comunidade Criativa de Inclusão Digital de Guimarães (CCIDG), tem duas vertentes sociais: promove a inclusão digital da população mais vulnerável e incentiva o voluntariado jovem.

Trata-se de um projeto itinerante, uma autêntica sala de informática sobre as rodas, com uma viatura equipada com seis postos informáticos, para a implementação de um programa de desenvolvimento de competências digitais, tendo em vista a inclusão da população mais vulnerável e em risco de exclusão digital.

O projeto é desenvolvido pela delegação vimaranense da Cruz Vermelha Portuguesa e financiado pelo Portugal Inovação Social em 312 mil euros, contando ainda com o apoio de 134 mil euros da Câmara Municipal de Guimarães como investidor social.

O presidente da Câmara de Guimarães, Domingos Bragança, realça que “há imensos jovens que querem participar e revelam a excelência da criatividade para um mundo melhor, através das novas ferramentas digitais”, associando isso ao “voluntariado” como a “forte componente humana”.

O autarca de Guimarães menciona ainda que “o isolamento das pessoas, muitas vezes, deve-se à falta de interação psicológica e social”. “Precisamos de saber ler estes sinais de fragilidade para poder intervir”, observa Domingos Bragança.

O presidente da delegação de Guimarães da Cruz Vermelha, Armando Guimarães, vincou, também, “a lógica de intergeracionalidade para combater o isolamento”, com a vantagem de chegar a todo o território através da nova unidade itinerante. Perante este “desafio”, Armando Guimarães aponta como meta envolver 240 jovens voluntários e chegar a mais de 500 pessoas.

Helena Loureiro, representante regional do Norte do programa Portugal Inovação Social, vinca a escolha de Guimarães para a implementação deste projeto pioneiro a nível nacional, na sequência dos resultados do trabalho da Rede Social e a interligação da Câmara Municipal com as instituições locais.

Comentários