14.7 C
Vila Nova de Famalicão
Sábado, 31 Julho 2021
Partilhar
  • 287
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    287
    Shares
Hélder Filipe Costa
Licenciado em Gestão de Recursos Humanos, o empresário Hélder Filipe Costa tem como inspiração cinematográfica Braveheart, de Mel Gibson.

Um pulmão chamado economia azul

A importância do mar faz-se notar nas mais diversas áreas, desde as mais tradicionais às mais recentes. Dos transportes marítimos à energia das ondas, o mar é gigante também em potencial económico e estratégico.

3 min de leitura
- Publicidade -
Hélder Filipe Costa
Licenciado em Gestão de Recursos Humanos, o empresário Hélder Filipe Costa tem como inspiração cinematográfica Braveheart, de Mel Gibson.

Famalicão

Os famalicenses têm o direito à verdade e não à manipulação

Os famalicenses têm o direito de saber o que está a ser feito na cidade, como está a ser feito e porque está a ser feito. Têm direito à verdade dos factos em vez de manipulação cosmética da realidade.

Famalicense Injex entra na Câmara de Comércio Luso-Alemã

A Injex, empresa especializada na produção de componentes técnicos em plástico pelo processo de injeção para todo o tipo de máquinas, aposta na internacionalização.

Está na hora de quebrar o ciclo

Precisamos de quebrar o ciclo de políticas desadequadas aos desafios que vivemos, precisamos de um novo ciclo de políticas públicas assente numa visão ecocêntrica e sustentável – e esse momento é agora!

Continental promove inclusão social com programa de estágio e emprego

A empresa recebeu quatro pessoas com necessidades especiais para realização de um estágio no âmbito do programa de cooperação com a ACIP e o IEFP. Duas destas pessoas são hoje membros efetivos da empresa.
Partilhar
  • 287
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    287
    Shares

De acordo com a “Estratégia Nacional para o Mar” o potencial estratégico e económico do mar abrange áreas tradicionais como os transportes marítimos, construção naval, pesca, transformação de pescado e turismo e outras mais recentes, casos da energia das ondas e marés, eólicas offshore, ciência e pesquisa marinha.

Este documento criou o conceito de “Crescimento Azul”, a partir do qual se identificam cinco áreas preferenciais de intervenção: energia, aquicultura, turismo, recursos minerais e biotecnologia.

Qualquer que seja a abordagem ao tema existe matéria-prima que justifica a persistência do discurso sobre a importância do mar.

O potencial de crescimento da economia do mar no PIB é unanimemente reconhecido pelos diversos intervenientes, seja pela localização geográfica de Portugal, seja pela diversidade, que faz de nós um país com grande potencial na exploração deste enorme recurso natural, havendo mesmo quem defenda que ao nível oceânico, Portugal tem condições para ser um Silicon Valley de recursos produtivos.

Atualmente o turismo e pescas respondem por nove em cada dez euros dos lucros das atividades ligadas ao mar no país, uma realidade travada pela pandemia do coronavírus com um impacto direto nestes dois principais pilares, desencadeando uma reação em cadeia na chamada “economia azul”.

Nos últimos anos, o termo “economia azul” entrou para o discurso político como um pilar estratégico da economia, por envolver a exploração sustentável dos oceanos, não apenas em setores tradicionais, mas também em outros com potencial de crescimento, como as energias renováveis, a aquacultura, a mineração dos fundos marinhos ou a biotecnologia. Tudo isso baseia-se no pressuposto de que ainda há uma fronteira pouco explorada da Terra: a infindável vastidão dos oceanos.

A COVID-19 está a ter outros tipos de impactos nos oceanos. Em vários locais, há sinais de que a natureza está a gostar da paragem que a pandemia impôs ao mundo. Há inúmeros testemunhos de avistamentos de espécies marinhas onde já não se viam ou onde não eram comuns. Por outro lado, tem-se verificado em grande quantidade, um novo integrante da poluição no fundo do mar: as luvas e máscaras descartáveis.

Quanto tempo levará até que o turismo ligado ao mar