14.8 C
Vila Nova de Famalicão
Sábado, 31 Julho 2021
Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Exposição dedica núcleo a famalicenses que passaram pelo sistema nazi durante o III Reich

A exposição estará patente até 19 de dezembro na Casa do Território, Parque da Devesa. Um dos núcleos da exposição tem uma componente local e será dedicado a alguns famalicenses que a investigação revelou terem sido vítimas diretas do nazismo.

2 min de leitura
- Publicidade -

Famalicão

Os famalicenses têm o direito à verdade e não à manipulação

Os famalicenses têm o direito de saber o que está a ser feito na cidade, como está a ser feito e porque está a ser feito. Têm direito à verdade dos factos em vez de manipulação cosmética da realidade.

Famalicense Injex entra na Câmara de Comércio Luso-Alemã

A Injex, empresa especializada na produção de componentes técnicos em plástico pelo processo de injeção para todo o tipo de máquinas, aposta na internacionalização.

Está na hora de quebrar o ciclo

Precisamos de quebrar o ciclo de políticas desadequadas aos desafios que vivemos, precisamos de um novo ciclo de políticas públicas assente numa visão ecocêntrica e sustentável – e esse momento é agora!

Continental promove inclusão social com programa de estágio e emprego

A empresa recebeu quatro pessoas com necessidades especiais para realização de um estágio no âmbito do programa de cooperação com a ACIP e o IEFP. Duas destas pessoas são hoje membros efetivos da empresa.
Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A partir de hoje está aberta ao público, na Casa do Território, no Parque da Devesa, a exposição “Trabalhadores Forçados Portugueses no III Reich e os Famalicenses no Sistema Concentracionário Nazi”.

Originalmente criada pelo Instituto de História Contemporânea (IHC) para o Centro Cultural de Belém, em 2017, a exposição aborda o tema dos portugueses que foram sujeitos a trabalhos forçados durante o sistema concentracionário do III Reich (1939-1945) e inclui um núcleo dedicado a famalicenses que passaram pelo sistema nazi durante este período.

A investigação internacional, realizada por uma equipa do IHC da Universidade Nova de Lisboa – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, sobre os portugueses que se viram envolvidos no recrutamento para o trabalho forçado e nos campos de concentração do III Reich, desvendou caminhos que levam a afirmar que muitos portugueses não ficaram incólumes ao conflito, apesar de Portugal ter-se assumido como um país neutro na II Guerra Mundial. Os materiais expostos resultam da investigação realizada por uma equipa liderada por Fernando Rosas que, desde 2014, procura estudar as vítimas portuguesas do nazismo.

Um dos núcleos da exposição terá uma componente local e será dedicado a alguns famalicenses que a investigação revelou terem sido vítimas diretas do nazismo. Entre os trabalhadores portugueses identificados no decurso da pesquisa, um número assinalável é oriundo do concelho de Vila Nova de Famalicão e de outros concelhos do norte do país, o que orientou, num segundo momento, uma equipa de investigadores locais que trabalhou, em estreita colaboração com a equipa de investigação referida, para clarificar o contexto social e económico do território famalicense, as razões e rotas de emigração para França e compreender o envolvimento de famalicenses nas malhas do sistema concentracionário nazi.

A inauguração da mostra decorreu ontem, numa sessão restrita a convidados devido à situação pandémica. A exposição estará patente até ao dia 19 de dezembro, aberta ao público de segunda a quinta-feira das 09h30 às 13h00 e 14h00 às 17h30, assim como aos domingos das 14h30 às 18h30.

Comentários